VÁRZEA GRANDE

Polícia

Silval Barbosa sofreu extorsão de conselheiros do TCE no valor de R$ 50 mi

Publicado em

Polícia

Da redação: Pedro Ribeiro / G. Alves

Reportagem Especial

 

 

Efeito borboleta é o nome de uma teoria matemática que atribui a pequenas ações o poder de desencadear grandes acontecimentos. O nome vem de um exemplo: o bater de asas de uma borboleta pode provocar um furação do outro lado do planeta. Na política e na gestão pública, dependendo das equações, o resultado pode ser exato ou não. No caso negativo, as consequências podem ser maiores e trazer insatisfações e penumbra para toda a sociedade. No caso positivo os resultados podem serem vistos a olho nú por qualquer pessoa.

Nas últimas semanas, o ex todo poderoso secretário da Casa Civil de Mato Grosso, Pedro Jamil Nadaf, consegui concretizar seus efeitos inéditos no depoimento que prestou aos promotores e delegados da Policia Civil do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco). Nadaf estancou – de uma só vez – o processo depressivo que o incomodava, desde a sua prisão, e delatou todo mundo, principalmente os conselheiros do Tribunal de Contas do Estado entre eles o atual presidente Antônio Joaquim de Moraes Rodrigues Neto e José Carlos Novelli. Segundo Nadaf, os conselheiros exigiram propina no valor de R$ 50 milhões na gestão do ex-governador Silval Barbosa, em troca da aprovação das contas do Governo no TCE, além de fazerem vista ‘grossa’ na fiscalização de quase R$ 2 bilhões das obras da Copa do Mundo realizado em Cuiabá em 2014, além de oferecer vantagens fazendo ouvidos ´mouros´ na dinheirama sobre os incentivos fiscais e o Programa MT Integrado, e que deveriam ter sido fiscalizado com afinco pelos conselheiros, mas, conforme a delação do ex-secretário, foram aprovadas em troca de pagamentos de propinas para os representantes da corte.

Leia Também:  Mãe e filha morrem em choque entre carro e moto em MT

O resultado disso é que o Mato Grosso tem uma divida com a União relativa às obras da Copa de 2014 e que representa 22,5% do total devido pelo Estado. O emissário do pedido de extorsão contra o ex-governador Silval Barbosa foi feita pelo conselheiro José Carlos Novelli com as benções do atual presidente Antônio Joaquim, segundo consta no depoimento do ex-secretário. Novelli teria exigido um montante de R$ 3,5 milhões a serem distribuídos entre os cinco conselheiros. Isso tudo dividido em 14 parcelas, que somaria cerca de R$ 50 milhões. Silval teria assinado diversas notas promissórias para honrar a divida com a extorsão dos conselheiros.

Assim que dispunha de uma parcela em espécie do achaque, Silval resgatava as notas. Para conseguir viabilizar o montante da dinheirama, segundo revelou Pedro Nadaf, o ex-governador ´articulou´ a compra superfaturada pelo estado de uma área localizado na região do Manso, de propriedade do médico Filinto Correa da Costa, para poder honrar o pagamento da propina.

O ´esquema´ também contou com a participação do procurador do estado Francisco Lima (Chico Lima). A acusação feita por Pedro Nadaf com farta provas, foi acompanhado por seus advogados e deve instruir nos próximos dias outras ações do Gaeco reativo a operação Seven e Convescote e deve atingir diretamente o Tribunal de Contas e os conselheiros acusados pelos ex-secretário, entres eles o atual presidente Antônio Joaquim, José Novelli, Valter Albano, Waldir Júlio Teis e o conselheiro afastado Sérgio Ricardo.

Leia Também:  Dupla invadem casa e matam homem com 5 tiros na frente da esposa

De tão estranhas ou mal contadas, existem histórias que, aparentemente, só os próprios acusados serão capazes de produzir – e que, de tão singulares, eles também devem se complicam muito na hora de se explicarem.

 

Vejam documentos:[Best_Wordpress_Gallery id=”19″ gal_title=”relatorio de antonio joaquim”]

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Polícia

Autor de homicídio de mulher na região Oeste de MT é preso em flagrante pela Polícia Civil

Com ele foram encontrados um canivete, possivelmente utilizado no crime, além das roupas com resquícios de sangue supostamente da vítima.

Publicados

em

Foto: PJC-MT

O homem que cometeu um homicídio contra uma mulher, ocorrido na madrugada de segunda-feira (03.10), em Porto Esperidião, na região oeste do estado, foi preso em flagrante pela Polícia Civil horas após o crime.

O homicídio ocorreu na madrugada, em um bar da cidade, quando Rosana Bazan, de 39 anos, foi atingida com golpes de faca no abdômen e pescoço. Ela foi socorrida por familiares que chegaram ao local e a levaram a uma unidade de saúde, onde a vítima foi a óbito.

A equipe da Delegacia de Polícia de Porto Esperidião realizou diligências logo após tomar conhecimento sobre o crime e localizou o autor do homicídio, de 27 anos, na manhã da segunda-feira, na zona rural da região.

Com ele foram encontrados um canivete, possivelmente utilizado no crime, além das roupas com resquícios de sangue supostamente da vítima.

A apuração realizada pela equipe de investigação confirmou a dinâmica dos fatos por meio de um vídeo do circuito interno do bar, que mostra o momento em que o suspeito desferiu os golpes contra a vítima que, apesar de socorrida, não resistiu aos ferimentos.

Leia Também:  Dupla invadem casa e matam homem com 5 tiros na frente da esposa

Em depoimento na delegacia, o autor confessou o crime e relatou que houve uma discussão com a vítima. Ambos já se conheciam e discutiram após ingerirem bebida alcoólica. Ele alegou, ainda, que foi agredido inicialmente pela vítima.

O delegado Marcelo Menezes representou pela prisão temporária do investigado que, após os procedimentos de flagrante, foi encaminhado para a unidade prisional de Mirassol D’Oeste. Ele foi autuado por homicídio qualificado por motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima. As investigações permanecem em andamento.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA