VÁRZEA GRANDE

Polícia

Silval Barbosa sofreu extorsão de conselheiros do TCE no valor de R$ 50 mi

Publicado em

Polícia

Da redação: Pedro Ribeiro / G. Alves

Reportagem Especial

 

 

Efeito borboleta é o nome de uma teoria matemática que atribui a pequenas ações o poder de desencadear grandes acontecimentos. O nome vem de um exemplo: o bater de asas de uma borboleta pode provocar um furação do outro lado do planeta. Na política e na gestão pública, dependendo das equações, o resultado pode ser exato ou não. No caso negativo, as consequências podem ser maiores e trazer insatisfações e penumbra para toda a sociedade. No caso positivo os resultados podem serem vistos a olho nú por qualquer pessoa.

Nas últimas semanas, o ex todo poderoso secretário da Casa Civil de Mato Grosso, Pedro Jamil Nadaf, consegui concretizar seus efeitos inéditos no depoimento que prestou aos promotores e delegados da Policia Civil do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco). Nadaf estancou – de uma só vez – o processo depressivo que o incomodava, desde a sua prisão, e delatou todo mundo, principalmente os conselheiros do Tribunal de Contas do Estado entre eles o atual presidente Antônio Joaquim de Moraes Rodrigues Neto e José Carlos Novelli. Segundo Nadaf, os conselheiros exigiram propina no valor de R$ 50 milhões na gestão do ex-governador Silval Barbosa, em troca da aprovação das contas do Governo no TCE, além de fazerem vista ‘grossa’ na fiscalização de quase R$ 2 bilhões das obras da Copa do Mundo realizado em Cuiabá em 2014, além de oferecer vantagens fazendo ouvidos ´mouros´ na dinheirama sobre os incentivos fiscais e o Programa MT Integrado, e que deveriam ter sido fiscalizado com afinco pelos conselheiros, mas, conforme a delação do ex-secretário, foram aprovadas em troca de pagamentos de propinas para os representantes da corte.

Leia Também:  Governador Pedro Taques inaugura escola do modelo Tiradentes em Confresa

O resultado disso é que o Mato Grosso tem uma divida com a União relativa às obras da Copa de 2014 e que representa 22,5% do total devido pelo Estado. O emissário do pedido de extorsão contra o ex-governador Silval Barbosa foi feita pelo conselheiro José Carlos Novelli com as benções do atual presidente Antônio Joaquim, segundo consta no depoimento do ex-secretário. Novelli teria exigido um montante de R$ 3,5 milhões a serem distribuídos entre os cinco conselheiros. Isso tudo dividido em 14 parcelas, que somaria cerca de R$ 50 milhões. Silval teria assinado diversas notas promissórias para honrar a divida com a extorsão dos conselheiros.

Assim que dispunha de uma parcela em espécie do achaque, Silval resgatava as notas. Para conseguir viabilizar o montante da dinheirama, segundo revelou Pedro Nadaf, o ex-governador ´articulou´ a compra superfaturada pelo estado de uma área localizado na região do Manso, de propriedade do médico Filinto Correa da Costa, para poder honrar o pagamento da propina.

O ´esquema´ também contou com a participação do procurador do estado Francisco Lima (Chico Lima). A acusação feita por Pedro Nadaf com farta provas, foi acompanhado por seus advogados e deve instruir nos próximos dias outras ações do Gaeco reativo a operação Seven e Convescote e deve atingir diretamente o Tribunal de Contas e os conselheiros acusados pelos ex-secretário, entres eles o atual presidente Antônio Joaquim, José Novelli, Valter Albano, Waldir Júlio Teis e o conselheiro afastado Sérgio Ricardo.

Leia Também:  Governador propõe a setor produtivo e Poderes antecipação de feriados para reduzir circulação de pessoas

De tão estranhas ou mal contadas, existem histórias que, aparentemente, só os próprios acusados serão capazes de produzir – e que, de tão singulares, eles também devem se complicam muito na hora de se explicarem.

 

Vejam documentos:[Best_Wordpress_Gallery id=”19″ gal_title=”relatorio de antonio joaquim”]

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Polícia

Mais de 600 policiais militares de MT começam curso de qualificação e aperfeiçoamento

A diretora-geral da Escola Superior da Magistratura de Mato Grosso (Esmagis-MT), Helena Maria Bezerra Ramos, destacou a parceria do Poder Judiciário com a Polícia Militar na capacitação e formação da instituição.

Publicados

em

SD PM LUIZ SOUZA

A Polícia Militar de Mato Grosso realizou nesta segunda-feira (06) a aula inaugural do 11° Estágio de Atualização e Qualificação de Praças, da Escola Superior de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Esfap), em cerimônia no auditório do Fórum de Cuiabá.

Ao todo, 604 policiais militares serão capacitados durante 60 dias, sendo 534 no Estágio de Qualificação de Sargentos (EQS), 52 no Estágio de Atualização de Sargento (EAS) e 18 no Estágio de Qualificação de Cabos (EQC).

O comandante-geral da Polícia Militar de Mato Grosso, coronel Alexandre Correa Mendes, destacou a importância da qualificação, considerandio que os estágios de atualização são procedimentos essenciais para a graduação do policial militar.

“Sabemos que na hierarquia militar. Com o passar do tempo, são necessárias as graduações na carreira e um dos requisitos para isso são os estágios de qualificação que todos nós, tanto oficiais quanto praças, necessitamos passar. Esperamos que  possam aproveitar ao máximo os conhecimentos que serão adquiridos durante esta formação”, declarou.

Foto – PM Luiz Souza

O comandante da Escola Superior de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (ESFAP), tenente-coronel Bruno Marcel Souza Tocantins, explicou que, durante a capacitação, os militares vão obter conhecimento com as disciplinas de Procedimento Operacional Padrão, Legislação Policial, Planejamento Estratégico, Liderança e outras qualificações.

Leia Também:  STF homologa delação de Nadaf que acusa conselheiros de "achaque"

Foto – PM Luiz Souza

“Essa turma marca o início de um curso que busca adequar as práticas policiais às exigências que o mundo tecnológico nos impõe. Não tem como pensarmos em avanço nas atividades da Polícia Militar sem passar pelo progresso do ensino da instituição. É na educação, na capacitação do policial , que atingiremos os melhores resultados”, ressaltou.

A diretora-geral da Escola Superior da Magistratura de Mato Grosso (Esmagis-MT), Helena Maria Bezerra Ramos, destacou a parceria do Poder Judiciário com a Polícia Militar na capacitação e formação da instituição. “Sem capacitação não conseguimos desenvolver nosso trabalho. A vida é dinâmica, tudo muda todos os dias. A capacitação é de extrema importância em qualquer carreira profissional, pois sem qualificação não alcançamos nossos objetivos. Essa é mais uma grande parceria entre as instituições”.

A aula inaugural iniciou com a palestra “Organizações Criminosas no Brasil”, da juíza, Ana Cristina Silva Mendes, da Sétima Vara Criminal da Comarca de Cuiabá. Ainda durante o dia, serão ministradas as palestras “Policiamento real em ambiente virtual”, com o tenente-coronel Clarindo Castro, e “Sistema SIGADOC na prática”, com a sargento Adriana Rodrigues de Oliveira Prudêncio.

Leia Também:  PRF recupera moto furtada em rodoviária de Pontes e Lacerda.

O ex-comandante-geral da PM, coronel Jonildo de José Assis, que é deputado federal, apontou que a Polícia Militar de Mato Grosso é referência nacional no país, desde a valorização do profissinoal, capacitação e investimentos por parte do Governo do Estado.

“Nossa instituição é muito avançada em comparação com as demais polícias do país, pois incentivamos, valorizamos e cobramos preparo do policial militar, que atua diretamente na rua e no serviço administrativo, que prestam serviço de excelência”, enfatizou.

Foto – PM Luiz Souza

Fonte: SECOM MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA