VÁRZEA GRANDE

Saúde

Pró-Sangue faz campanha no Dia Nacional do Doador de Sangue

Publicado em

Saúde


Nesta quinta-feira (25) é celebrado o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue. Para prestar uma homenagem aos doadores, a Fundação Pró-Sangue, de São Paulo, promove a Semana do Doador de Sangue. 

O objetivo é estimular a doação. A ideia é aumentar o estoque para que não falte sangue em dezembro, período em que há uma queda da coleta de bolsas por conta do início das férias e festas de fim de ano.  

A Semana do Doador de Sangue começou no dia 22 e segue até o dia 27. Dentre as ações que fazem parte da programação, há a campanha da Hello Kitty, que se estende até o fim do mês. No posto Clínicas, na capital paulista, foi disponibilizado um painel decorativo para que o público possa fazer um registro fotográfico com a personagem. 

As unidades de coleta também exibem uma decoração especial com Balões São Roque.  Na rodada desse ano, a Dona Dêola com os seus bolos, os sucos Muppy e o Brownie do Luiz ajudarão a incrementar a bandeja do lanche.  

Leia Também:  CBV divulga tabela de competição que abre temporada do vôlei nacional

A Fundação Pró-Sangue afirma que a doação de sangue continua sendo segura, e os postos de coleta não oferecem riscos aos candidatos. 

Para doar sangue 

O doador deve fazer o agendamento no site e verificar os requisitos básicos para doação, sendo os principais estar em boas condições de saúde e alimentado, ter entre 16 e 69 anos (para menores de idade, consultar site da Pró-Sangue), pesar mais de 50 kg e levar documento de identidade original com foto recente, que permita a identificação. 

Recomenda-se também evitar alimentos gordurosos nas quatro horas que antes da doação e, no caso de bebidas alcoólicas, 12 horas antes. Se o candidato estiver com gripe ou resfriado, não deve doar temporariamente. Mesmo que tenha se recuperado, deve aguardar uma semana para que esteja novamente apto à doação. 

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Covid-19: Brasil registra 229 óbitos e 9,2 mil novos casos

Publicados

em


O boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde na noite de hoje (27) mostra que o Brasil registrou, em 24 horas, 229 novas mortes em decorrência de covid-19. Com isso, o país chegou a 614.186 mortes durante a pandemia.

O levantamento mostra que 9.233 novos casos da doença foram registrados no sistema de monitoramento da doença. No total, o país registrou até o momento 22.076.863 casos de infecção pelo novo coronavírus. O informativo também traz os dados sobre óbitos em decorrência de síndrome respiratória aguda grave (SRAG), que somam 119 casos e estão sob investigação de órgãos de saúde.

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde mostra a evolução dos números da pandemia no Brasil.Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde mostra a evolução dos números da pandemia no Brasil.

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde mostra a evolução dos números da pandemia no Brasil. – Ministério da Saúde

O país tem 174.396 casos ativos de covid-19 em monitoramento. O número diz respeito a casos diagnosticados que estão sob supervisão médica ou em isolamento.

O número de recuperados é de 21.288.281 casos, o que corresponde a 96,4% do total de infectados.

Leia Também:  Decreto inclui Correios no Programa Nacional de Desestatização

Estados

No topo do ranking de mortes por estado estão: São Paulo (153.993), Rio de Janeiro (69.011), Minas Gerais (56.143), Paraná (40.771) e Rio Grande do Sul (36.075).

Os estados que menos registraram mortes por covid-19 foram o Acre (1.846), o Amapá (2.002) e Roraima (2.050).

Vacinação

O painel de vacinação do Ministério da Saúde estava fora do ar no momento da apuração dos dados, e a última atualização que consta no vacinômetro do site do ministério registrava, até o dia 25 de novembro, 364.177.468 doses de vacinas distribuídas, com 306.982.366 doses aplicadas – número que compreende a primeira dose, a segunda dose e aplicações únicas.

O ministério registra, ainda, que o governo federal já investiu cerca de R$ 207,3 bilhões em vacinas.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA