VÁRZEA GRANDE

Saúde

Covid-19: São Paulo vai pedir comprovante de residência para vacinação

Publicado em

Saúde


A partir de hoje (28) os moradores da capital paulista elegíveis para receber a imunização contra covid-19 precisarão mostrar um comprovante de residência quando forem tomar a primeira dose da vacina.  A medida foi adotada pela prefeitura porque a faixa etária está diminuindo progressivamente e as doses dos imunizantes são contabilizadas pelo Ministério da Saúde e o Governo do Estado.

“Daqui para frente, os grupos prioritários que serão vacinados têm grande quantidade de pessoas. A partir desta sexta-feira serão mais de 200 mil pessoas. A faixa etária está diminuindo progressivamente, são pessoas que, diferente de idosos, se deslocam com maior facilidade, portanto, é natural que a cidade de São Paulo, que tem uma estrutura de vacinação muito grande, atraia pessoas que se desloquem para cá”, disse o secretário municipal de São Paulo, Edson Aparecido.

Segundo a prefeitura, se o comprovante estiver no nome de algum parente, será necessário demonstrar o grau de parentesco. As pessoas que já tomaram a primeira dose, não precisam mostrar o comprovante para a segunda etapa de vacinação. O secretário enfatizou que a cidade de São Paulo era a única que ainda não pedia o comprovante.

Leia Também:  Agência Brasil explica o certificado digital de vacina contra covid-19

A recomendação da Secretaria Municipal de Saúde é de que as pessoas se dirijam aos postos de vacinação gradualmente, para evitar aglomerações e que façam o pré-cadastro no site Vacina Já para agilizar o tempo de atendimento. Basta inserir dados como nome completo, CPF, endereço completo, telefone e data de nascimento para concluir o cadastro.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Saúde

Secretário diz que infectados pelo Ômicron serão monitorados

Publicados

em

Gilberto Figueiredo
Foto: Secom-MT

Nesta quarta-feira (1°), o secretário de Estado de Saúde (SES), Gilberto Figueiredo, falou sobre o caso de uma mulher de Várzea Grande, que esteve na África do Sul e está sendo monitorada. Figueiredo confirmou que os testes feitos nela deram negativos para a Covid-19 e, caso exames mais aprofundados indiquem a infecção pela variante Ômicron, será feito um rastreamento em massa com todas as pessoas que tiveram contato com ela. “Ela testou negativo, é assintomática, mas por força de ter vindo da África do Sul está se tomando todas as medida sanitárias para acompanhamento”, disse.

Atualmente foram confirmados três casos de contaminação pela mutação genética do Coronavírus no Brasil. O terceiro caso foi confirmado e anunciado hoje pela Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo.

O secretário Gilberto, reforçou a necessidade da população aderir a vacinação. “Liga um sinal de alerta para o Brasil todo. Já existem vários casos sendo analisados, fazendo sequenciamento genômico para saber se é essa variante da África e é algo quase impossível que não aconteça. Iria chegar e chegou rápido. E vão ter novas variantes enquanto não tivermos no mundo uma cobertura vacinal que ultrapasse os 90% nós não conseguimos interromper essa cadeia de surgimento de novas variantes, não vai ter nenhum país seguro”

A Secretaria de Estado e saúde de Mato Grosso (SES), negou a existência de casos do Ômicron no estado e explicou que quando algum teste analisado der positivo, será feito um rastreamento amplo, isolando as pessoas para evitar que a doença se multiplique entre a população.

“Só tem uma maneira: testagem e o acompanhamento de pessoas que passaram pela África. Se confirmar o caso, nós vamos ter que fazer o rastreamento de todos os contatos dessa pessoa, testá-los e colocar em quarentena. É assim que se controla a disseminação do vírus”, esclareceu o Gilberto

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Ao vivo: Ministério da Saúde apresenta novos dados de covid-19
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA