VÁRZEA GRANDE

Saúde

Caminhos da Reportagem vence 3º Prêmio NHR Brasil de Jornalismo

Publicado em

Saúde


O Caminhos da Reportagem, programa da TV Brasil, venceu a categoria especial – Doenças Tropicais Negligenciadas do 3º Prêmio NHR de Jornalismo com o episódio Leishmaniose, retrato do abandono, da repórter Ana Graziela Aguiar de Oliveira. A premiação reconhece reportagens produzidas na área de medicina tropical.

No ar há mais de 10 anos, o Caminhos da Reportagem é uma das produções jornalísticas mais premiadas não só da TV Brasil, como também da televisão brasileira. É com orgulho que a jornalista Ana Graziela recebe o prêmio, resultado de reportagem sobre uma doença acerca da qual não se fala muito.

“Nós cumprimos a nossa missão como uma televisão pública, como comunicação pública, e continuaremos trabalhando por mais conteúdos que levem às pessoas informação e serviço, para que elas possam aprender e se informar por meio da TV Brasil, e em especial, pelo Caminhos da Reportagem. Muito orgulho da nossa equipe, que é uma família. Muito orgulho por ganhar mais esse prêmio”, disse Ana Graziela.

Assista à íntegra do episódio

O programa

Contar grandes histórias, com uma visão diferente, instigante e completa. É essa a missão do Caminhos da Reportagem, um dos mais tradicionais programas jornalísticos da TV Brasil.

Leia Também:  São Paulo registra 29,9 mil óbitos e 803,4 mil casos de coronavírus

Saúde, economia, comportamento, educação, meio ambiente, segurança, prestação de serviços, cultura e outros tantos temas são abordados de maneira única, levando conteúdo de interesse para a sociedade. Tudo isso com a diversidade regional em pauta e equipes em Brasília, no Rio de Janeiro e em São Paulo.

O trabalho minucioso e bem executado é reconhecido no meio jornalístico. Nos últimos dez anos, o programa acumulou mais de 55 prêmios e 25 indicações em importantes premiações de excelência nacional e internacional tais como o Prêmio CICV de Cobertura Humanitária Internacional (Comitê Internacional da Cruz Vermelha), o Prêmio de Comunicação da CNBB, Prêmio Longevidade Bradesco Seguros, Prêmio Synapsis de Jornalismo e Prêmio TAL – Televisión America Latina, entre outros.

O prêmio

O prêmio recebeu 21 inscrições, em cinco categorias. Dentre elas, a nova categoria especial de Doenças Tropicais Negligenciadas, contemplando reportagens que abordaram a realidade de outras enfermidades, como doença de Chagas e a leishmaniose.

Desde 2018, o Prêmio NHR Brasil de Jornalismo busca reconhecer e estimular um olhar atento dos profissionais de comunicação para o tema da hanseníase em seus diversos aspectos, do desafio no controle da transmissão às dinâmicas sociais envolvidas.

Leia Também:  Vasco e Botagogo lutam por vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil

Linguagem jornalística, aspectos éticos e inovadores e a qualidade das informações de saúde foram analisadas pela comissão julgadora. Integraram a comissão o jornalista Miguel Macedo, professor do curso de Jornalismo do Centro Universitário 7 de Setembro, e a jornalista Yanna Guimarães, mestre em Comunicação de Ciência pela Universidade de Nova Lisboa.

Também integraram a comissão julgadora o infectologista Alberto Novaes Ramos Jr, coordenador do doutorado em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Ceará (UFC), a professora Sacha Nogueira, orientadora da Liga Acadêmica em Doenças Estigmatizantes (Lades/UFC), e Luiz Antônio Botelho Andrade, coordenador do Laboratório de Audiovisual Científico da Universidade Federal Fluminense (UFF).

A NHR Brasil é o escritório de representação da NLR (Netherlands Leprosy Relief), uma organização não-governamental (ONG) holandesa fundada em 1967 para combater a hanseníase em 14 países ao redor do mundo. A NLR trabalha por um mundo livre do sofrimento causado pela hanseníase e pela deficiência física através da promoção e apoio para a detecção precoce e tratamento integral, a prevenção das incapacidades e a reabilitação física.

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Covid-19: Brasil registra 229 óbitos e 9,2 mil novos casos

Publicados

em


O boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde na noite de hoje (27) mostra que o Brasil registrou, em 24 horas, 229 novas mortes em decorrência de covid-19. Com isso, o país chegou a 614.186 mortes durante a pandemia.

O levantamento mostra que 9.233 novos casos da doença foram registrados no sistema de monitoramento da doença. No total, o país registrou até o momento 22.076.863 casos de infecção pelo novo coronavírus. O informativo também traz os dados sobre óbitos em decorrência de síndrome respiratória aguda grave (SRAG), que somam 119 casos e estão sob investigação de órgãos de saúde.

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde mostra a evolução dos números da pandemia no Brasil.Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde mostra a evolução dos números da pandemia no Brasil.

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde mostra a evolução dos números da pandemia no Brasil. – Ministério da Saúde

O país tem 174.396 casos ativos de covid-19 em monitoramento. O número diz respeito a casos diagnosticados que estão sob supervisão médica ou em isolamento.

O número de recuperados é de 21.288.281 casos, o que corresponde a 96,4% do total de infectados.

Leia Também:  Plataforma gera estatísticas da covid-19 em 91 municípios paulistas

Estados

No topo do ranking de mortes por estado estão: São Paulo (153.993), Rio de Janeiro (69.011), Minas Gerais (56.143), Paraná (40.771) e Rio Grande do Sul (36.075).

Os estados que menos registraram mortes por covid-19 foram o Acre (1.846), o Amapá (2.002) e Roraima (2.050).

Vacinação

O painel de vacinação do Ministério da Saúde estava fora do ar no momento da apuração dos dados, e a última atualização que consta no vacinômetro do site do ministério registrava, até o dia 25 de novembro, 364.177.468 doses de vacinas distribuídas, com 306.982.366 doses aplicadas – número que compreende a primeira dose, a segunda dose e aplicações únicas.

O ministério registra, ainda, que o governo federal já investiu cerca de R$ 207,3 bilhões em vacinas.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA