VÁRZEA GRANDE

“Prisão de ex-ministro”

“Lula, Wellington e Bolsonaro”: Algo em comum

Senador no governo petista mudou para bolsonarista, mas segue o mesmo caminho

Publicado em

Política

Foto: Divulgação

Agora é a hora da “onça beber água”, com o fato da prisão do ex-ministro da educação, Milton Ribeiro, não tem como afirmar que os “respingos” ou até mesmo “nódoas”, poderão atingir a imagem do presidente, Jair Bolsonaro resultando em alterações das ações dos pré-candidatos, que até ontem, juravam ser o detentor do apoio Bolsonarista.

As próximas horas, com a expectativa das prisões dos envolvidos no suposto esquema com o ex-ministro, vão aquecer ainda mais as ações políticas em Mato Grosso. É correto afirmar que surpresas e decepções são iminentes, revelando de fato as intenções de determinados agentes políticos, que não vão hesitar, em mudar o discurso, postura, conduta, para buscar sobreviver mediante a crise que está se instaurando.

Como vai ficar agora a situação do senador, Wellington Fagundes (PL) que é pré-candidato a reeleição, com o suposto apoio do presidente, Bolsonaro. Já que nem todos políticos estão dispostos em honrar com a palavra, ao ter a imagem prejudicada por supostas irregularidades alheias.

Segundo fontes e de acordo com o “Aracuã do Pantanal”, atravessar crises políticas, processos, investigações e prisões, não é mais novidade para o pré-candidato W.F. que fez parte do governo petista, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que resultou em várias prisões pelo Brasil todo, e que essa agora na gestão Bolsonaro é uma “marola”, referente as tempestades ultrapassadas da gestão passada.

Leia Também:  Projeto Social 'Caderno II' utiliza arte para promover a inclusão social e formar cidadãos

Diante dos fatos, é correto afirmar que ele, além de senador, foi deputado federal na gestão petista, em várias situações fez parte da base governista, e que hoje, por forças ocultas, mudou de lado, mas pelo que tudo indica, segue o mesmo caminho, resta saber qual será o rumo da “conveniência” adotado para tentar salvar a pré-campanha, em busca de se manter na vida pública.

Com todo esse acontecimento, muitos devem mudar, seja de lado, conduta e discurso, já que se trata de um ex-ministro preso pela Polícia Federal, acusado de esquemas, envolvendo pastores de igreja, um conjunto que atinge diretamente um lado na disputa eleitoral no Brasil.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

“Me coloque fora desta, lá é só rolos”, disse Wellington Fagundes

Questionado sobre as questões das emendas envolvendo a Assembleia Legislativa, o senador refugou os parlamentares de MT

Publicados

em

Foto: Agência Senado

Nos últimos dias, as questões envolvendo os recursos destinados por determinados parlamentares, tomaram conta do cenário municipal, estadual e nacional, mesmo assim, quando questionado sobre as suspeitas envolvendo integrantes da Casa de Leis estadual, o senador e pré-candidato a reeleição, Wellington Fagundes (PL) refugou.

Para não se envolver em nenhuma questão que possa de alguma forma respingar a sua imagem, o senador que participou de um evento do governo do estado, na tarde de ontem, foi questionado referente aos últimos acontecimentos na Assembleia, e respondeu:

“Me coloque fora desta, só rolos”, repudiou o senador.

 O pré-candidato mostrou que mais tem interesse, em manter sua imagem da forma como está, do que se envolver em relações de outros poderes, ainda mais com detalhes considerados pejorativos.

Wellington Fagundes mostrou que pode usufruir dos benefícios propostos por determinados parlamentares, mas que na hora da “Onça beber água”, é melhor cada um cuidar do seu cada um.

Pelo que tudo indica, o que até semana passada era visto como vantajoso, ter apoios de deputados, hoje, parece que as condutas dos pré-candidatos vão mudar, até porque, quem vai querer ter a sua imagem ligada à de algumas pessoas investigadas pela justiça, por suposto uso irregular do dinheiro público.

Leia Também:  Gestão de conselheiro foi a pior da história do TCE de MT

De glamour para refugo, como foi parar a imagem de boa parte dos integrantes de uma instituição tão importante como a Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA