VÁRZEA GRANDE

Curso Cinotecnia Policial

Inicia nesta segunda-feira (25) aula inaugural do 4° curso de cinotecnia Policial

O evento contará com a presença do major BM Marcondes que comandou a operação de resgate em Brumadinho, em Minas Gerais

Publicado em

DESTAQUE

A Polícia Militar, por meio do canil do Batalhão de Operações Policiais Especiais realiza a aula inaugural do 4º Curso de Cinotecnia Policial para emprego de cães em operações policiais, nesta segunda-feira (25), às 9h. O evento acontece no auditório da Controladoria Geral do Estado (CGE), em Cuiabá.  

A aula inaugural  contará com a participação do especialista em cinotecnia,  major Rafael Ribeiro Marcondes, do Corpo de Bombeiro Militar, que já atuou em 88 ocorrências reais de busca de pessoas e restos mortais e também comandou a equipe de regaste com cães na Operação Brumadinho no 2019.

A instrução que ensina o comportamento e as técnicas de emprego de cães em operações policiais segue até o dia 03 de dezembro. Atualmente, o canil da PMMT possui sete animais e quatro operadores para atuar em todo o Estado.

O curso do Bope tem o objetivo de ampliar a operacionalidade do canil, através da preparação de policiais para a condução e adestramento de cães em ações policiais.

Treze alunos participam da instrução, dentre os participantes estão, policiais militares e civis, policiais do Sistema Prisional, do Exército Brasileiro, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal.

Leia Também:  Homem agride, ameaça e violenta sexualmente a própria irmã

Serviço 

Aula inaugural do 4º Curso de Cinotecnia Policial do Bope

Data: Segunda-feira (25.10)

Horário: 9h

Local: auditório da Controladoria Geral do Estado (CGE), Centro Político Administrativo, na Capital

Fonte: PM MT
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

DESTAQUE

Médicos que atuavam em Água Boa são denunciados pelo MPE

Publicados

em

Infomoney

Médicos não habilitados pelas autoridades brasileiras foram denunciados pelo Ministério Público do Estado por exercício ilegal da medicina em Água Boa, a 730 Km de Cuiabá. Victor Gustavo Barja Oliva, Jéssica da Vera Cruz Sousa e Lydia da Vera Cruz Souza. De acordo com a instituição, eles vão responder por expor a vida ou a saúde de outras pessoas a perigo, associação criminosa e falsidade ideológica.

 

Também foram acionados o médico Sebastião Siqueira de Carvalho Júnior e Raquel Guerra Garcia, sócios e administradores da empresa Cure Tratamento em Saúde Ltda, que era responsável até então pela prestação dos serviços de saúde na Unidade de Terapia Intensiva de Covid-19 do hospital onde os fatos ocorreram.

 

De acordo com o MPMT, várias reclamações relacionadas à atuação dos denunciados chegaram ao Ministério Público e os fatos estão sendo apurados na esfera cível e criminal. Existe, inclusive, inquérito policial instaurado para apurar possíveis consequências criminais envolvendo a morte de duas pessoas.

 

Na denúncia cita, que o grupo atuou entre os meses de abril e maio deste ano no Hospital Regional Paulo Alemão. Além de exercer a profissão de médico sem autorização legal, as investigações descobriram que eles faziam declaração falsa, com o intuito de alterar a verdade sobre fato juridicamente importante.

 

O MPMT cita ainda, que por várias vezes o grupo atuou sem a supervisão do médico responsável pelo local, prescrevendo medicamentos, avaliando pacientes e exames clínicos, e realizando procedimentos médicos, como dreno de tórax, acesso central, intubação e massagem cardíaca.

 

Os administradores da unidade hospitalar, que atuavam nesse período, estão sendo acusados de substituir os medicamentos de primeira linha, por outros que não da mesma eficácia. O MPMT disse ainda, que existem relatos de pacientes que teriam passado pela experiência de acordar durante o período em que se encontravam intubados.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Rotam descobre trio que aplicava golpes e apreende mais de R$ 13 mil em dinheiro
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA