VÁRZEA GRANDE

Opinião

A missão do consórcio dos municípios do Vale do Rio Cuiabá

Publicado em

Opinião

           

Por: Eliseu Silva / Eraldo Coiado

O aparelhamento do estado brasileiro orquestrado por uma esquerda rançosa e ultrapassada descabido, deixou uma herança perversa que vai demorar algumas décadas para retomar os rumos que nunca deveria ter saído. Nesse lamaçal de choros e lamurias, pelos altos índices de desemprego está intrínseco a descrença pelo empreendedorismo no Brasil. Por outro lado se ficarmos a mercê do capital globalizado estaremos eternamente na gangorra da disputa inconseqüente com os países que oferecem melhores condições da reversão do capital, e nem sempre traz condições de empregabilidade, pois na maioria dos casos traz logísticas e procedimentos de gestões altamente robotizados com pouca oportunidade de emprego.

 

Nos dias atuais os governos tanto ao nível federal como ao nível de Mato Grosso tem demonstrado coerência rumo a um estado moderno, leve transparente produtivo no cumprimento de dar respostas rápidas ao anseio da comunidade produtora rural e nisso tem lidado com as adversidades do poder burocrático, preservado a necessidade de organicidade e a otimização dos sistemas de gestão, das obrigatoriedades avaliativas e o cumprimento de leis e normas, saudável ao convívio humano num estado de direito, porém sem se tornar-se poder, balizado por valores democráticos, republicados e senso de humanismo. Por outro lado, carece ampliar o entendimento sobre o poder sindical que tem sua importância inequívoca nas negociações trabalhistas, porém sem extrapolar os limites de sua atuação estranha a gestão pública.

 

Os consórcios dos municípios, referenciado no Consorcio do Vale do Rio Cuiabá, pode vir a ser um ator importante nesse novo cenário nas inteirações das questões da empregabilidade, que sendo estabelecida uma agenda mínima no trato com questões relativas; a regularização das terras nos municípios; das questões ligadas a licenciamento ambiental; e aos procedimento de inspeção sanitária. Este esforço permitira alterações significativas de qualidade de vida no meio rural e a inversão das correntes migratórias para os grandes centros urbanos que tem gerado níveis desumanos na progressão das favelas e o crescimento da criminalidade.

 

Numa leitura desavisada esta empreitada e pode ser entendido de baixo impacto imediato para o desenvolvimento econômico emergente, porém traz no bojo premissas de continuidade e progressão constante. As regiões da Baixada Cuiabana, hoje representam uma realidade de infraestrutura em construção mais já é notório a interligação de energia elétrica e moradias em alvenaria em muitas microrregiões e a expectativa de que em pouco tempo ter a cobertura de sistemas de comunicação similar ao que acontece em Cuiabá e Várzea Grande, e assim a zona rural estaria em condições de igualdades na inteiração social, com vantagens significativas nos custos de moradia e alimentação.

 

O ministro da agricultura dias atrás em visita a Hong Kong dizia numa entrevista que encontrava nas prateleiras dos mercados produtos hortigranjeiro e manufaturados de todos os pais menos do Brasil, sinalizando a importância e premência da produção nesse nicho de mercado, tanto mercado interno quanto a possibilidade futuro de exportação, ai está clara nossa missão e a robustez dessa agenda mínima que estamos construindo no consórcio dos municípios do Vale do Rio Cuiabá. Vamos à frente ao cumprimento do legado. “Deus é meu guia e a terra meu sustento”.    

 

Eraldo Coiado  é  economista e assessor de assuntos estratégicos na prefeitura de Nossa Senhora do Livramento-MT

 

Leia Também:  Prefeitura realiza 1ª Audiência Pública via on line para debater a LDO 2021

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Opinião

ProEco: consumir de forma sustentável é pensar no futuro

Aderir ao consumo consciente requer um olhar mais atento à origem dos produtos e serviços que consumimos.

Publicados

em

Consumir de forma sustentável é pensar no impacto que cada escolha traz ao meio ambiente, sociedade e até às finanças. Pensando nisso, a Unimed Cuiabá, por meio do setor de Sustentabilidade, criou o Programa de Economia e Sustentabilidade (ProEco), no âmbito da Cooperativa que busca a conscientização e adesão a boas práticas de consumo.
No mês de outubro o foco do programa é o consumo sustentável, celebrado no dia 15. Entre as ações já realizadas que impactam no consumo estão a sensibilização de clientes, colaboradores e cooperados a preservação do meio ambiente, economia da água, combate à poluição e ao reflorestamento. A Singular Cuiabana realiza ainda coleta seletiva, reaproveitamento de papel, campanha interna para evitar impressões desnecessárias, economia de energia e água.
Aderir ao consumo consciente requer um olhar mais atento à origem dos produtos e serviços que consumimos. “O consumo consciente se trata da soma de pequenas atitudes”, ressalta a diretora administrativo financeiro da Unimed Cuiabá, dra. Suzana Palma.
A médica reforça ainda que a ação sempre parte do objetivo de causar o menor impacto negativo possível no meio ambiente e na qualidade de vida. “Na prática o consumo sustentável engloba o planejamento das compras, seu propósito e motivação e isso se estende a tudo: móveis, roupas, calçados, bolsas. Além da reutilização de embalagens, descarte de materiais eletrônicos evitando que ele seja feito com outros tipos de lixo, economia de energia, ao desligar a luz dos ambientes e evitar banhos demorados”, explica.
Para quem deseja aderir a esse importante conceito de vida, preparamos nove dicas simples para começar hoje mesmo.
Lista de compras: Elas facilitam a ida ao mercado, além de ajudar a organizar melhor o orçamento e a ir diretamente até os produtos que são realmente necessários.
*1. Lista de compras:* Elas facilitam a ida ao mercado, além de ajudar a organizar melhor o orçamento e a ir diretamente até os produtos que são realmente necessários.
*2. Reaproveite e recicle:* Alimentos, potes, caixas de leite e outros itens podem virar porta joias, bolsas e porta objetos. Para isso use a imaginação e até uma ajudinha da internet vale. Pesquise e veja quanta coisa é possível.
*3. Valorize as empresas com responsabilidade social:* Diversas empresas já possuem ações que visam a redução do impacto no meio ambiente. São organizações que trabalham com madeira e fazem o reflorestamento; indústrias de cosméticos que não testam os produtos em animais; fábricas que produzem por meio de técnicas antipoluição e muitas outras. Valorizá-las é também uma maneira de fazer um consumo consciente.
*4. Opte por eletrodomésticos econômicos:* O Programa Nacional de Conservação de Energia é resultado da parceria entre o Inmetro e o Ministério de Minas e Energia. Eles disponibilizam o Selo Procel, que identifica os aparelhos que consomem menos energia. Além de reduzir os impactos causados no meio ambiente, eles também ajudam a economizar na conta de luz. Na hora de comprar procure sempre optar por eletrodomésticos econômicos, que atendam às suas necessidades do dia a dia e que permitam, ao mesmo tempo, uma boa economia de dinheiro.
*5. Utilize a tecnologia a seu favor:* Manter as finanças em dia é possível, sem acúmulo de papel. Para isso utilize  eu aplicativo bancário e sempre que possível opte por receber boletos eletrônicos. Evite o uso de papel e o planeta agradece.
*6. Reduza o consumo de água e energia:* Atitudes simples podem trazer redução no consumo que impactam nas contas. Ações como se lembrar de tirar do congelador os alimentos antes de prepará-los e evitar utilizar o microondas é uma das formas de evitar o uso desnecessário do equipamento. Regule o termostato da geladeira em épocas mais frias e ajustar o ar-condicionado com timer programado para que ele desligue sozinho um tempo depois.
*7. Evite excessos:* Sempre que ver uma promoção, analise se o produto realmente terá uma utilidade no seu dia a dia e evite compras desnecessárias.
*8. Faça doações:* Tire um tempo para organizar as suas coisas. Separe roupas, sapatos, utensílios de cozinha e até objetos que você não usa mais e faça doações.
*9. Espalhe a ideia de consumo consciente:* Além de tomar atitudes corretas para ter um consumo consciente, é importante espalhar estas ideias. Converse com seus amigos e familiares sobre as atitudes deles em relação ao próprio consumo cotidiano.
Isso é importante para que cada vez mais pessoas reflitam sobre o assunto e assim tomem atitudes que serão positivas para si mesmas e para os demais. Nunca se esqueça que somente com bons hábitos no dia a dia e uma noção correta da importância do consumo consciente será possível ter sobra de dinheiro no final do mês.

Uma forma de começar a divulgar o consumo consciente é compartilhar esse material nas redes sociais. Faça isso agora mesmo e espalhe essa ideia!

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  O que a perca de peso me ensinou sobre Liderança e Gestão de Mudanças nas Empresas
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA