VÁRZEA GRANDE

Opinião

Meio ambiente, saúde e qualidade de vida

Publicado em

Opinião

Foto: FaceBook/Divulgação

A sustentabilidade geralmente é associada às questões ambientais, na capacidade de produção de bens, auto reparação de recursos naturais e atividades econômicas. Porém, também está relacionada à vida em vários aspectos através de uma visão integrada, que envolve toda a sociedade, seja no âmbito social, cultural, educação e, obviamente, possui total relação com a saúde.

Quando pensamos em não poluir os rios e mares, vias públicas, evitar desmatamentos, praticar alimentação sustentável, fazer coleta de lixo seletiva, cuidar do ecossistema, estamos praticando ações que visam o equilíbrio do meio ambiente, sem prejudicá-lo, para vivermos melhor a longo prazo, proporcionando maior sobrevida ao planeta em que vivemos.

Diante do contexto, é importante a reflexão sobre a relação desta temática com o campo da promoção em saúde, visto que cada vez mais as políticas e ações de sustentabilidade aproximam-se das demandas e ações dos serviços de saúde, diante dos custos elevados que observamos para haver manutenção e recuperação da saúde da população.

A degradação dos ambientes naturais num ritmo acelerado, como por exemplo a emissão de gases poluentes aumentando o efeito estufa, a redução da qualidade e disponibilidade da água, aumentam muito o risco de desenvolvimento de doenças, mortes e resulta em prejuízos à qualidade de vida e saúde das pessoas e gerações futuras. Sem contar com o aparecimento das doenças conhecidas como zoonóticas.

Leia Também:  Não pode o Tribunal de Contas dar margem para um lavajatismo de controle

Assim como para promoção e prevenção da saúde, vale ressaltar que a principal forma de contribuir com a sustentabilidade é a mudança de comportamento das pessoas, principalmente adquirindo hábitos saudáveis de vida, reduzindo os impactos e preservando o meio ambiente para garantir assim saúde e bem-estar para todos.

Portanto, a sustentabilidade é essencial para promoção da saúde pois estão interligados, e o incentivo ao desenvolvimento sustentável favorece locais físicos e sociais para realizar por exemplo, práticas como redução da toxicidade alimentar, poluição do ar e ambiente, água limpa e saneamento básico, serviços de saúde de qualidade, o que reflete diretamente em um indivíduo saudável.

Importante também ressaltar aqui o papel fundamental da iniciativa privada na adoção de práticas sustentáveis, as empresas sustentáveis e a economia verde.

Por fim, muitos componentes da vida social que contribuem para uma vida com qualidade são também fundamentais para que indivíduos e populações alcancem um perfil elevado de saúde, para além dos hábitos de vida individuais.

É necessário mais do que o acesso a serviços médico-assistenciais de qualidade, é preciso enfrentar os determinantes da saúde em toda a sua amplitude, o que requer políticas públicas saudáveis, uma efetiva articulação intersetorial do poder público e a mobilização da população.

Leia Também:  Saúde anuncia parceria com Anvisa e indústrias farmacêuticas

Dra. Natasha Slhessarenko é medica, professora da UFMT, conselheira do CFM e empresária

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Opinião

Mauro é o primeiro governador a terminar obras de gestão anterior

Governador também inova ao investir em obras que geram qualidade de vida urbana para a população

Publicados

em

Foto: Assessoria/Divulgação

“Mauro Mendes foi o primeiro governador de Mato Grosso que honrou com o compromisso de entregar obras públicas iniciadas em gestões anteriores, e, ao mesmo tempo, inovou com seu olhar futurista, fazendo obras que melhoram a qualidade de vida e trazem orgulho para os moradores”. A afirmação é do jornalista e analista político Onofre Ribeiro, que afirma que o governo de Mauro adota um novo conceito de gestão pública.

O analista pontua que, tradicionalmente, as gestões públicas eram marcadas pela personalidade do governante, de forma que obras que haviam sido lançadas por gestões anteriores acabavam abandonadas. No entanto, eventos recentes na sociedade têm feito com que a população fique, cada vez mais, atenta aos gastos públicos, e crie consciência de que o dinheiro público é coletivo, portanto, deve ser retornado para a sociedade em forma de benefícios.

“Quanto esforço, quanta expectativa e esperança de uma comunidade não é colocada em uma obra para que o governante seguinte chegue e diga que não vai fazer porque não é da gestão dele? Ignorar uma obra começada com dinheiro público e que tem uma importância pro coletivo por uma questão de personalismo é muito criminoso, o que não se aplica ao governo Mauro”, observa o jornalista.

Onofre destaca que, desde que chegou em Mato Grosso, em 1976, Mauro foi o primeiro governador a efetivamente concluir obras deixadas por outras gestões e, sobretudo, a adotar uma visão de futuro estratégica em seus investimentos.

Leia Também:  23 de Setembro Várzea Grande, 73 anos de independência

Conforme o analista, esse comportamento da atual gestão estadual também segue uma mudança de entendimento da sociedade em relação aos investimentos públicos. Se antes os recursos eram focados apenas na infraestrutura, para asfaltamento e construção de pontes, a sociedade atual passa a exigir mais: quer, além da infraestrutura, qualidade de vida urbana.

“Essa é uma tendência universal, e aqui em Mato Grosso o Mauro conseguiu enxergar isso. Mauro Mendes está abrindo uma época em que as obras são do Estado e da sociedade. Eu estou aqui desde 1976 e convivi com todos os governantes. Daí para cá, sempre lidei com a intimidade do poder e por isso eu digo que, como o Mauro conseguiu quebrar esse paradigma, é um caminho sem volta”, afirma.

“O morador quer parques, quer qualidade de vida urbana, quer lugar para ir, como tem em São Paulo e em Brasília. Ele quer isso por causa do convívio, quer mercado de trabalho dinâmico, que são tão importantes quanto a estrada e a ponte. São coisas que dão identidade e dão à população a autoestima e estímulo de viver na cidade. Além disso, atrai muitos investimentos, sendo, então, benéfico para todos”, completa.

Onofre observa que um dos principais exemplos desse tipo de investimento é o Parque Novo Mato Grosso, lançado em novembro de 2021. Projetado para receber grandes eventos internacionais, o parque conta com uma área de 300 hectares e prevê, apenas na primeira fase de obras, a construção de autódromo, kartódromo, pistas de motocross, de skate, ciclismo, bicicross, arrancadão e caminhada. Ainda, um parque, um museu e um lago para prática esportiva. Também, espaço para shows e eventos com capacidade para 100 mil pessoas e estacionamento para mais de 12 mil veículos.

Leia Também:  Misericórdia: o alicerce da Fé

Outros investimentos marcantes do governo estadual também envolvem o lançamento de quatro novos hospitais regionais, a retomada das obras do Hospital Júlio Muller, e a retomada e ampliação da construção Hospital Central do Estado, que teve a obra paralisada por 34 anos. A unidade médica, localizada no Centro Político Administrativo, em Cuiabá, já tem mais de 50% das obras concluídas. Ainda, a Zona de Processamento de Exportação de Cáceres.

Além disso, Mauro também concluiu diversas obras que deveriam ter sido entregues para a Copa do Mundo de 2014, como o Centro Oficial de Treinamento da UFMT, e promoveu a readequação da Trincheira da Jurumirim.

“Quando o governante começa e inaugura as obras antigas, e investe na qualidade de vida da população, ele está sintonizado com esse novo tempo, que é o tempo do coletivo ser muito maior do que o individual”, finaliza o analista.

Inovando, o governo atual deve terminar o ano com 2,5 mil quilômetros de asfalto novo concluído, entrega de quase 400 mil lâmpadas de LED para as prefeituras, construção de escolas novas e reformas de prédios antigos, entre outros investimentos no social, cultura, agricultura familiar e esporte.

Autor: Onofre Ribeiro é jornalista e analista político

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA