VÁRZEA GRANDE

Opinião

Ferrovia

Publicado em

Opinião

A chegada dos trilhos é fator fundamental para nosso desenvolvimento econômico

Ontem participei de um grande ato público em prol da extensão da Ferrovia senador Vicente Vuolo até Cuiabá.

Realizado na sede da Federação das Indústrias, o evento do Fórum pró-ferrovia em Cuiabá, contou com a participação de lideranças empresariais e comunitárias, senadores, deputados federais, presidente da Assembleia, diversos prefeitos, inclusive o de Cuiabá, além do representante do governador.

Foi um encontro de enorme significado, tanto pelo conteúdo das informações técnicas apresentadas, quanto pela importância da união em torno dessa causa das principais lideranças políticas e sociais mato-grossenses.

Há vários anos tenho escrito nesse mesmo espaço artigos defendendo a magnitude estratégica dessa ferrovia para o desenvolvimento de Mato Grosso.

Possuímos uma privilegiada localização geográfica, no coração da América do Sul. Somos abençoados com água e sol em abundância, bem como solo fértil, o que nos confere enorme potencial energético e de produção de alimentos.

Nos últimos vinte anos, o trabalho de nossa gente permitiu a Mato Grosso um crescimento econômico muito superior à média nacional, além de nos ter convertido em sustentáculo da balança comercial brasileira e, por conseguinte, avalistas da saúde da economia nacional.

O que nos falta? Muita coisa sem dúvida, mas hoje o meu tema é logística.

Leia Também:  Ações sociais que fizeram a diferença em Mato Grosso

Nossa infraestrutura rodoviária de ligação com os portos exportadores é precária, como testemunhou o recente mega-atoleiro de 4.000 caminhões na BR-163.

Nosso principal aeroporto, sob administração federal, é constantemente avaliado como um dos piores do país e ainda não oferece voos internacionais, malgrado a relativa proximidade com os países andinos. Nossas hidrovias são aproveitadas apenas em pequena fração de seu potencial. E as ferrovias, ah, as ferrovias!

Como cantava Emílio Santiago: “Tantas palavras, meias palavras …”

Quantas promessas, falsas promessas, de governantes que vieram a Mato Grosso e “lançaram” uma, duas, muitas ferrovias, com a mesma facilidade de Toquinho, na linda música Aquarela: “e com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo”.

É preciso que em Brasília compreendam que a ferrovia trará ganhos significativos para o país e não só para Mato Grosso em pelo menos três esferas: a econômica, a humana e a ambiental.

Do ponto de vista econômico, a substituição do transporte rodoviário pelo ferroviário provoca a diminuição do valor do frete, reduzindo custos e tempo de transporte, o que significa que os grãos produzidos em Mato Grosso terão maior competitividade no mercado internacional e que os produtos aqui consumidos chegarão por um custo menor.

Do ponto de vista humano, milhões de toneladas de grãos que deixarão de circular nas rodovias representam a eliminação de dezenas de milhares de viagens de carretas pesadas. Isso significa que o trânsito nas rodovias irá melhorar muito, reduzindo o tempo de viagem dos demais usuários, bem como, principalmente, o número de acidentes fatais. Muitas vidas serão poupadas, bem como o sofrimento com internações hospitalares, custos com reabilitação etc. Ademais, o desgaste da pavimentação será menor, reduzindo os custos de manutenção.

Leia Também:  Governo inclui dois trechos de ferrovia no PPI

Sob o enfoque ambiental, o transporte de grãos em caminhões pesados é responsável pela emissão quatro vezes maior de gases do efeito estufa em relação ao modal ferroviário, em gramas de dióxido de carbono (gCO2) por tonelada-quilômetro-útil (Tku).

Assim, o transporte ferroviário de milhões de toneladas nos milhares de quilômetros entre Mato Grosso e os portos do Atlântico representa uma redução de emissão de muitas milhões de toneladas de gases do efeito estufa, gerando significativo impacto ambiental positivo para o país e o planeta. Mesmo na etapa de obras de implantação, o impacto ambiental de uma ferrovia é menor que o de uma rodovia com o mesmo traçado.

 

A ferrovia até Cuiabá e depois Sinop é estratégica para o país.

Viva a ferrovia! Ferrovia já, até Cuiabá!

Luiz Henrique Lima é Conselheiro Substituto do TCE-MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Opinião

Quem nunca fez dieta após a virada do ano?

Publicados

em

Foto: Assessoria/Divulgação

Que atire a primeira pedra quem nunca fez uma dieta após as festas de final de ano! É clichê mas é ao mesmo tempo muito atual. No final do ano várias promessas são feitas e com certeza cuidar da saúde sempre está na lista. Mas a que custo?

Às vezes esse desespero pela boa forma é tão grande que leva a procura de dietas milagrosas que na maioria das vezes traz mais danos que benefícios. A sensação de que estamos pesados, de que estamos intoxicados e até mesmo com a auto estima abalada favorece as tomadas de decisões impensadas com foco só na balança.

As dietas na maioria são muito restritivas e com isso comprometem o fornecimento de nutrientes, dificultando o metabolismo por falta de matéria prima para as atividades, incluindo a queima de gordura.

Sim, é isso mesmo que você leu: emagrecer depende de comer com qualidade e não somente diminuir quantidade. Restrição calórica é diferente de déficit calórico. Quantas dietas com baixa calorias você já fez? e porque está aqui lendo este artigo? Se dietas funcionassem provavelmente vc já fez algumas não estaria em busca de nenhuma mais.

Leia Também:  Concessionária Rumo confirma projeto para expandir ferrovia em Mato Grosso

Existe uma taxa de calorias necessárias para o desenvolvimento das atividades basais e isto merece ser respeitado para uma perda progressiva de gordura corporal. As dietas milagrosas prometem perda de peso, quando na verdade só se consegue na maioria, apenas uma desidratação temporária.

Sabia que os primeiros quilos perdidos correspondem à água? A queima de gordura é mais demorada porque o corpo se adapta para não perder gordura. Perder peso exige constância! Constância em montar um prato saudável, com mais alimentos in natura (da feira), constância em se mexer diariamente, constância em preservar as horas de sono, constância em aliviar estresse de forma correta e não somente cortar calorias.

O processo do emagrecimento duradouro começa com mudanças de comportamento. A obesidade para ser tratada exige muito mais de terapia comportamental do que redução de comida pura e simples. A forma como você lida com a comida faz toda diferença na perda de peso e na manutenção de um estilo de vida saudável.

As dietas milagrosas têm prazo para começar e terminar e normalmente terminam quando a sua saúde já piorou um tanto com essas restrições. Se posso te ajudar? Comece a sua lista de promessas para o próximo ano, com a busca por um nutricionista que não só calcule dieta mas que te ensine estratégias para comer melhor a cada dia para que no final do próximo ano, você nem se preocupe com este assunto e apenas recomece a vida com a mesma tranquilidade que terminou os 365 dias.

Leia Também:  TCU assegura expansão da ferrovia até Cuiabá

A melhor dieta é aquela que você consegue executar. Tudo é difícil! Portanto não é da blogueira, não é da capa da revista, não é a da vizinha.

Existem particularidades que devem ser levadas em conta na hora de começar um processo de perda de peso.

Eu prefiro chamar isto de mudança de estilo de vida em busca de qualidade de vida. Ao contrário das dietas, esta mudança não tem prazo para terminar. Busque ajuda e comece este ano uma nova vida mais coerente e leve!

Ira Soraya C. Arruda é nutricionista e integra a equipe multidisciplinar do IGPA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA