VÁRZEA GRANDE

"Opinião"

Câncer de mama e terapia hormonal

Publicado em

Opinião

O câncer de mama é o tipo de neoplasia mais frequente no mundo (exceto tumores de pele não melanoma) e a primeira causa de morte por câncer na população feminina no Brasil, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Para o Brasil, estimam-se 66.280 casos novos de câncer de mama, para cada ano do triênio 2020-2022. (INCA). A patologia de mama feminina ocupa a primeira posição mais frequente em todas as regiões  brasileiras.

Ele não possui causa única, uma vez que diversos fatores estão relacionados ao seu desenvolvimento, sendo os mais conhecidos: idade, fatores genéticos, hereditários, hormonais e ambientais, além da história reprodutiva.

No Brasil e no mundo, a incidência de câncer vem aumentando nos últimos anos. Os casos entre mulheres com menos de 35 anos também tiveram sua proporção ampliada: a incidência, que historicamente era de 2%, gira agora entre 4% e 5%.

Os fatores hormonais estão relacionados principalmente ao estímulo do estrogênio, seja ele produzido pelo próprio corpo ou aquele obtido por meio da reposição hormonal. Esse hormônio é responsável por estimular as células mamárias até o encerramento da menopausa. A partir daí, surge o cuidado em relação à reposição hormonal.

Conhecida das mulheres que vivem o climatério, a terapia hormonal é recomendada principalmente por ajudar a aliviar os sintomas típicos dessa fase, como ondas de calor, oscilação de humor, insônia, perda de memória, dores articulares, tontura, queda na libido, sintomas urogenitais. No entanto, uma grande preocupação de muitas mulheres é se a reposição hormonal na menopausa pode causar câncer de mama. 

De acordo com o Inca, a terapia de reposição hormonal, principalmente a que combina o estrogênio com progesterona, eleva o risco de desenvolvimento do câncer de mama.
A terapia não é recomendada para quem tem histórico familiar ou pessoal de câncer de mama e do endométrio, trombose e/ou doenças cardiovasculares, justamente por aumentar os riscos de desenvolver esses problemas.
Os hormônios utilizados, a dosagem e o tempo de tratamento são determinados pelo médico especialista após avaliação criteriosa do caso, levando em consideração a individualidade de cada paciente.

Leia Também:  Sustentabilidade e ESG na construção civil

A atual metanálise britânica , ou seja, análise de diversos estudos realizados sobre o assunto, foi publicada no periódico The Lancet e envolveu os dados de mais de 108 mil usuárias que desenvolveram a doença.

De acordo com a pesquisa, enquanto o risco geral de mulheres entre 50 e 69 anos desenvolverem câncer de mama é de 6,3%, aquelas que fizeram uso diário da combinação de estrogênio e progesterona —uma das mais comuns da reposição hormonal — por cinco anos tiveram o risco aumentado para 8,3%. 
O estudo ainda mostrou que o risco persiste mesmo após 10 anos da interrupção do uso hormonal, informação que não era consenso antes entre os médicos. O que chamou a atenção no estudo atual britânico foi o fato de que a terapia de reposição hormonal pode ter riscos ainda maiores se for utilizada por mulheres acima do peso ou obesas ou ainda que façam uso excessivo de álcool.

Após uma certa idade, espera-se que as células mamárias, que são sensíveis aos hormônios femininos, não tenham mais esse estímulo hormonal para se multiplicarem. A terapia de reposição vai continuar esse estímulo. Se há alguma célula cancerígena, é como um estímulo de gatilho para essas células.

 
Mesmo que não exista alguma célula anormal, no entanto, a continuidade no estímulo aumenta as chances do eventual surgimento de alguma mutação que leve à formação de tumores.

Leia Também:  Precisamos falar sobre as Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS)

É importante que a mulher seja informada para que possa levar isso em consideração na hora de optar ou não pelo tratamento. A paciente precisa saber que o recomendado é que a reposição não dure mais do que cinco anos, já que, após esse período, os riscos se intensificam. Cada paciente deve ser individualizada na continuidade da terapia após esse período.

É necessário que a mulher e seu médico avaliem a real necessidade de se fazer uso de hormônios nessa fase da vida e, caso seja realmente necessário, na janela de oportunidades, que a aplicação seja feita pelo menor tempo possível. Existem outras formas de tentar lidar com os efeitos da menopausa na saúde e na qualidade de vida, como a prática de exercícios físicos e o controle da alimentação. O uso de hormônios precisa seguir critérios rigorosos.

 
Assim, a reposição hormonal, se necessária, deve ser criteriosa, individualizada e por pouco tempo, respeitando sempre a história patológica familiar, pessoal e o estilo de vida.
Giovana Fortunato é ginecologista e obstetra, especialista em endometriose e infertilidade, é professora no HUJM e integra a equipe da Clínica Eladium
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Opinião

Cuidados com a audição e a voz durante a Copa

Publicados

em

Foto: Assessoria/Divulgação

Não é somente o coração que sofre durante os jogos da Seleção Brasileira. Os ouvidos e a voz também!

Mesmo na euforia deste período, é preciso alguns cuidados com a audição devido ao intenso volume dos jogos de artifícios, cornetas e gritos que fazem parte das vibrações.

A poluição sonora decorrente de fogos de artifício e cornetas pode alcançar de 150 a 175 decibéis, sendo que o limite seguro de exposição aos sons recomendado por especialistas é de 85dB.Quando a quantidade recomendada ultrapassa esse limite, há risco de perda auditiva e, em alguns casos, a situação torna irreversível.

A exposição a esse tipo de poluição sonora pode ocasionar consequências severas na qualidade de vida da população, afetando a saúde do indivíduo e suas relações sociais. Os sintomas são diversos, como sensação de pressão nos ouvidos, zumbido, dificuldade para ouvir, tontura, irritabilidade, sensação de ouvido tapado, e estalos nos ouvidos.

Caso um ou mais sintomas permaneçam, mesmo após o término da festa, a pessoa deve procurar um médico otorrinolaringologista para realizar uma avaliação. Vale ressaltar que se o indivíduo já tem predisposição a desenvolver uma perda auditiva ou se, no dia a dia, está exposto ao ruído intenso de forma consistente, ele terá maior probabilidade de desenvolver uma perda auditiva e, portanto, deve ser ainda mais cauteloso.

Leia Também:  Ator Léo Rosa morre aos 37 anos após luta contra o câncer

Gritar é uma das atitudes mais agressivas para a laringe, pois, nesse momento, ocorre ataque brusco entre as cordas vocais. Isso pode causar um inchaço, irritação na mucosa das cordas vocais. O grito deve ser sempre evitado.

O tom da nossa voz em uma conversa normal varia entre 60 e 70 decibéis. Cada vez que aumentamos 3 decibéis no nosso tom de voz, já fazemos um esforço enorme nas cordas vocais. As consequências desse esforço dependem da intensidade, desde rouquidão até sangramento das cordas vocais.

Se a voz não apresentar melhora depois de três dias, é importante procurar um médico otorrinolaringologista especialista em voz. Seguem algumas dicas para recuperar a voz:

– Beba bastante água: a água vai cair na corrente sanguínea e chegar nas cordas vocais 30 minutos depois;

– Faça repouso vocal por dois ou três dias: poupar a voz, ficar sem falar, é fundamental para recuperar a voz;

-Não pigarreie: ficar pigarreando força as pregas vocais e piora o quadro;

Leia Também:  Anvisa autoriza pesquisa nacional com células CAR-T para tratar câncer

-Não fale sussurrando: sussurrar provoca mais tensão na região e piora o quadro;

E se engana quem pensa que gengibre, mel, própolis, bala de menta podem curar rouquidão. Eles têm efeito anestésico na região próxima à corda vocal, mas não ajudam a recuperar a voz. 

Outro mito é tomar conhaque. Ele aumenta o fluxo sanguíneo na região, melhora na hora, mas o efeito rebote é pior. Já a água morna com sal serve para limpar secreções da garganta. Ela não age diretamente na voz, mas se você estiver com inflamação na região, pode ajudar indiretamente.

Passe essas dicas adiante. Vamos comemorar sem agredir nossa saúde!

Vanessa Moraes é fonoaudióloga e audiologista na Sonicon, em Cuiabá (MT)

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA