VÁRZEA GRANDE

Opinião

Canalhas por excelência

Publicado em

Opinião

Por: Elizeu Silva

 

A concessão de cargos e favores entre membros da classe política existe desde o Brasil colônia. Já naquela época as vantagens financeiras e pagamento de propinas a governantes e funcionários reais da Corte era uma prática tolerada e até regulamentada por lei. Essas práticas de favorecimento próprio, de amigos e familiares deram continuidade mesmo após a independência do país, em 1822, pois a proclamação da República implicou mudança apenas na forma de governo e não nos valores e caráter dos brasileiros miscigenados.

Anos depois, em 1844, nasce o alemão Friedrich Wilhelm Nietzsche, aquele que precocemente se tornaria filósofo, filólogo, poeta e compositor, tendo em parte de suas obras textos críticos sobre a religião, a moral, a cultura contemporânea, filosofia e ciência, exibindo uma predileção por metáfora, ironia e aforismo. A luz dos seus textos Nit defende que a moral não tem importância e os valores morais não tem qualquer validade, só são úteis ou inúteis consoantes à situação. Para o filósofo, a verdade não tem importância; verdades indubitáveis, objetivas e eternas não são reconhecíveis, já que Deus está morto: então, não existe qualquer instância superior, eterna.

Diante das teorias de Nit podemos imaginar que parte da classe política brasileira se viu subitamente admiradora de tas ideias, principalmente aquelas que defendem de que o homem depende apenas de si mesmo, para decidir naquilo que lhe melhor apraz. Sinceramente! Não poderia ser ofertadas ideias em terreno tão fértil para prosperar às práticas sacanas que se perduram até os dias atuais, e até com maior estupidez. Sendo assim, parte dos nossos políticos se tornou PHD na arte da roubalheira ou ‘canalhas por excelência’ na enganação do eleitor brasileiro e em bilhões de estelionatos, transpondo o topo da pirâmide de desvaloração axiológica criminal da nossa sociedade.

Leia Também:  Os bate-bocas e as mentiras nas redes sociais

Sedentos pelo dinheiro e poder, praticam crimes de extremo potencial ofensivo contra os bens que são protegidos pela Constituição Federal (CF), dentre eles; segurança, educação e saúde. A Carta Magna tida para proteger e guardar a vida foi deixada de lado num canto qualquer. Ludibriando para se obter lucros ilícitos, se rotularam como “um ser amoral por excelência, e não conhecedores de limites para a satisfação dos seus desejos pessoais”, descreveu sarcasticamente em uma de suas obras, o romancista Nelson Rodrigues. Já a jornalista Rozane Monteiro, relaciona o assunto debochando dos rapinantes da seguinte maneira: “existem canalhas e canalhas. E, aqueles mais sortudos são alçados à categoria de excelência, possivelmente por estarem em um grau de canalhismo tal, dentro da hierarquia dos velhacos.” Mas, tais patifes um dia iram sucumbir, “pois os canalhas também envelhecem”, disse Rui Barbosa.

Independente das ideias do romancista, da jornalista e do jurista Rui Barbosa, prefiro me posicionar contrariamente as teorias de Nit e confessar crer num Deus vivo que tudo pode e tudo vê, e que a seu modo e tempo, cobrará dos “ditos ingênuos e gananciosos”, pelas atitudes. Em Lucas 12:1-3 Cristo deixa bem claro: “Acautelai-vos primeiramente do fermento dos fariseus, que é a hipocrisia. Mas nada há encoberto que não haja de ser descoberto; nem oculto, que não haja de ser sabido. Porquanto tudo o que em trevas dissestes, à luz será ouvido; e o que falastes ao ouvido no gabinete, sobre os telhados será apregoado.”

Leia Também:  Governo de MT e banco privado discutem criação de Centro de Excelência Agrícola

 

 

Elizeu Silva é jornalista em Mato Grosso – E-mail: [email protected]

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Opinião

Câncer de mama e terapia hormonal

Publicados

em

O câncer de mama é o tipo de neoplasia mais frequente no mundo (exceto tumores de pele não melanoma) e a primeira causa de morte por câncer na população feminina no Brasil, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Para o Brasil, estimam-se 66.280 casos novos de câncer de mama, para cada ano do triênio 2020-2022. (INCA). A patologia de mama feminina ocupa a primeira posição mais frequente em todas as regiões  brasileiras.

Ele não possui causa única, uma vez que diversos fatores estão relacionados ao seu desenvolvimento, sendo os mais conhecidos: idade, fatores genéticos, hereditários, hormonais e ambientais, além da história reprodutiva.

No Brasil e no mundo, a incidência de câncer vem aumentando nos últimos anos. Os casos entre mulheres com menos de 35 anos também tiveram sua proporção ampliada: a incidência, que historicamente era de 2%, gira agora entre 4% e 5%.

Os fatores hormonais estão relacionados principalmente ao estímulo do estrogênio, seja ele produzido pelo próprio corpo ou aquele obtido por meio da reposição hormonal. Esse hormônio é responsável por estimular as células mamárias até o encerramento da menopausa. A partir daí, surge o cuidado em relação à reposição hormonal.

Conhecida das mulheres que vivem o climatério, a terapia hormonal é recomendada principalmente por ajudar a aliviar os sintomas típicos dessa fase, como ondas de calor, oscilação de humor, insônia, perda de memória, dores articulares, tontura, queda na libido, sintomas urogenitais. No entanto, uma grande preocupação de muitas mulheres é se a reposição hormonal na menopausa pode causar câncer de mama. 

De acordo com o Inca, a terapia de reposição hormonal, principalmente a que combina o estrogênio com progesterona, eleva o risco de desenvolvimento do câncer de mama.
A terapia não é recomendada para quem tem histórico familiar ou pessoal de câncer de mama e do endométrio, trombose e/ou doenças cardiovasculares, justamente por aumentar os riscos de desenvolver esses problemas.
Os hormônios utilizados, a dosagem e o tempo de tratamento são determinados pelo médico especialista após avaliação criteriosa do caso, levando em consideração a individualidade de cada paciente.

Leia Também:  Violência contra a mulher, não! Meta a colher, sim!

A atual metanálise britânica , ou seja, análise de diversos estudos realizados sobre o assunto, foi publicada no periódico The Lancet e envolveu os dados de mais de 108 mil usuárias que desenvolveram a doença.

De acordo com a pesquisa, enquanto o risco geral de mulheres entre 50 e 69 anos desenvolverem câncer de mama é de 6,3%, aquelas que fizeram uso diário da combinação de estrogênio e progesterona —uma das mais comuns da reposição hormonal — por cinco anos tiveram o risco aumentado para 8,3%. 
O estudo ainda mostrou que o risco persiste mesmo após 10 anos da interrupção do uso hormonal, informação que não era consenso antes entre os médicos. O que chamou a atenção no estudo atual britânico foi o fato de que a terapia de reposição hormonal pode ter riscos ainda maiores se for utilizada por mulheres acima do peso ou obesas ou ainda que façam uso excessivo de álcool.

Após uma certa idade, espera-se que as células mamárias, que são sensíveis aos hormônios femininos, não tenham mais esse estímulo hormonal para se multiplicarem. A terapia de reposição vai continuar esse estímulo. Se há alguma célula cancerígena, é como um estímulo de gatilho para essas células.

 
Mesmo que não exista alguma célula anormal, no entanto, a continuidade no estímulo aumenta as chances do eventual surgimento de alguma mutação que leve à formação de tumores.

Leia Também:  Governo de MT e banco privado discutem criação de Centro de Excelência Agrícola

É importante que a mulher seja informada para que possa levar isso em consideração na hora de optar ou não pelo tratamento. A paciente precisa saber que o recomendado é que a reposição não dure mais do que cinco anos, já que, após esse período, os riscos se intensificam. Cada paciente deve ser individualizada na continuidade da terapia após esse período.

É necessário que a mulher e seu médico avaliem a real necessidade de se fazer uso de hormônios nessa fase da vida e, caso seja realmente necessário, na janela de oportunidades, que a aplicação seja feita pelo menor tempo possível. Existem outras formas de tentar lidar com os efeitos da menopausa na saúde e na qualidade de vida, como a prática de exercícios físicos e o controle da alimentação. O uso de hormônios precisa seguir critérios rigorosos.

 
Assim, a reposição hormonal, se necessária, deve ser criteriosa, individualizada e por pouco tempo, respeitando sempre a história patológica familiar, pessoal e o estilo de vida.
Giovana Fortunato é ginecologista e obstetra, especialista em endometriose e infertilidade, é professora no HUJM e integra a equipe da Clínica Eladium
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA