VÁRZEA GRANDE

Mundo

Secretário-geral da ONU condena ameaças de guerra nuclear

Publicado em

Mundo

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres,  disse neste sábado (6), durante um evento em Hiroshima para marcar os 77 anos do lançamento da bomba atômica sobre a cidade japonesa, considera inaceitável que os países com armas nucleares admitam a possibilidade de uma guerra com o uso deste tipo de armamento e avisa que a humanidade está brincando com uma arma carregada.

“Temos de manter os horrores de Hiroshima sempre presentes, reconhecendo que existe apenas uma solução para a ameça nuclear, não haver armas nucleares”, disse Guterres. “Quase 13 mil armas nucleares são mantidas em arsenais em todo o mundo e crises fortemente sublinhadas pelo nuclear disseminam-se depressa, do Oriente Média à península coreana e na invasão russa da Ucrânia.”

Durante o evento, Guterres pediu aos países que trabalhem para eliminar as armas nucleares. “Os países que têm armas nucleares têm que se empenhar na não utilização dessas armas e também têm que garantir aos estados que não possuem armas nucleares, que não usarão e nem ameaçarão usar essas armas contra eles.”

Leia Também:  Congresso precisa aprovar acordo sobre Lei Kandir, diz secretário

Mais de 140 mil pessoas morreram em Hiroshima em consequência do ataque norte-americano usando uma bomba nuclear no dia 6 de agosto de 1945. Foi a primeira vez que este tipo de armamento foi utilizado. Três dias depois, os EUA soltaram uma segunda bomba atômica na cidade japonesa de Nagasaki.

* Com informações da RTP

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Internacional

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Mundo

Nobel de física é atribuído a cientistas da França, EUA e Áustria

Publicados

em

O Prêmio Nobel da Física foi atribuído, nesta terça-feira (4), a Alain Aspect, John F. Clauser e Anton Zeilinger por avanços na mecânica quântica. Os vencedores foram anunciados pela Real Academia Sueca de Ciências, em Estocolmo, na Suécia.

De acordo com a Academia Nobel, os investigadores da Universidade Paris-Saclay (França), da J.F. Clauser & Assoc. (EUA) e da Universidade de Viena (Áustria), respectivamente, distinguiram-se “pelas experiências com fotões enredados, estabelecendo a violação das desigualdades de Bell e sendo pioneiros na ciência da informação quântica”.

Os laureados deste ano “conduziram experiências inovadoras usando estados quânticos emaranhados, onde duas partículas se comportam como uma única unidade, mesmo quando separadas”.

A Academia justifica a nomeação com os resultados que “abriram caminho para novas tecnologias baseadas em informações quânticas”.

Leia Também:  Pandemia-covid 19 acelera mudança no trabalho de humanos para robôs, diz estudo

“Os efeitos inefáveis ​​da mecânica quântica estão começando a encontrar aplicações. Existe agora um grande campo de investigação que inclui computadores quânticos, redes quânticas e comunicação criptografada quântica segura”.

Um fator-chave nesse desenvolvimento, explicou a Academia, “é como a mecânica quântica permite que duas ou mais partículas existam no que é chamado de estado enredado”. O que acontece com “uma das partículas num par enredado determina o que acontece com a outra partícula, mesmo que estejam distantes”.

John Clauser desenvolveu as ideias de John Bell sobre a informação quântica, com experiências mais práticas. Alain Aspect, por sua vez, “desenvolveu a configuração, usando-a de uma forma que fechou uma brecha importante”.

“Através de ferramentas refinadas e uma longa série de experiências, Anton Zeilinger começou a usar estados quânticos enredados”. Estes investigadores conseguiram provar “um fenômeno chamado teletransporte quântico, que possibilita mover um estado quântico de uma partícula para outra à distância”.

“Tornou-se cada vez mais claro que um novo tipo de tecnologia quântica está surgindo. Podemos ver que o trabalho dos laureados com estados enredados é de grande importância, mesmo além das questões fundamentais sobre a interpretação da mecânica quântica”, explicou ainda Anders Irbäck, presidente do Comitê Nobel de Física.

Leia Também:  Expansão econômica da zona do euro é revisada para baixo

No ano passado, a academia homenageou Syukuro Manabe, do Japão e dos Estados Unidos, e o alemão Klaus Hasselmann por suas investigações sobre modelos climáticos, enquanto o italiano Giorgio Parisi também ganhou pelo seu trabalho sobre a interação de desordem e flutuações em sistemas físicos.

Fonte: EBC Internacional

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA