VÁRZEA GRANDE

Mundo

EUA confirmam morte de chefe do Estado Islâmico no Afeganistão

Publicado em

Mundo

Abdul Hasib teria sido morto em abril após os Estados Unidos lançaram o míssil GBU-43, chamado de ‘mãe de todas as bombas’, sobre a província de Nangarhar

 

 

Da Redação

 

O Exército dos Estados Unidos e o governo afegão confirmaram neste domingo a morte do chefe do grupo extremista Estado Islâmico no Afeganistão, Abdul Hasib, em uma operação conjunta realizada em abril. “Vários outros encarregados de alto comando do EI morreram, assim como 35 combatentes, durante um ataque de comandos afegãos junto com forças americanas”, diz comunicado das forças dos EUA no Afeganistão. Em uma declaração em separado, a Presidência afegã “confirma que Abdul Hasib, líder do El-Khorasan (EI-K, nome do braço local do EI) morreu na província de Nangarhar“, local de fronteira com o Paquistão e reduto do grupo terrorista.

O Pentágono havia anunciado em 29 de abril, sem confirmar, a morte provável de Hasib, durante uma operação que custou a vida de dois soldados americanos, possivelmente como resultado de fogo amigo.”Esta operação conjunta bem sucedida constitui um novo e importante passo em nossa campanha para liquidar o EI-K em 2017”, afirmou o chefe das forças americanas em Cabul, general John Nicholson, que dispõe de 8.400 homens no país do Oriente Médio sob a bandeira da Otan.

Leia Também:  "Não abram rápido demais", recomenda Opas sobre o isolamento

“É o segundo emir do EI que matamos em nove meses, junto com dezenas de seus chefes e centenas de combatentes. Há mais de dois anos, o EI-Khorasan realiza uma campanha bárbara de assassinatos, torturas e violência contra a população afegã, em particular no sul de Nangarhar”, acrescentou Nicholson.

Hasib foi nomeado chefe do grupo terrorista no ano passado após seu antecessor Hafiz Saeed Khan morrer em um ataque por drone operado pelo exército americano. 

O anúncio da morte de Hasib ocorre três semanas depois de os EUA terem lançado na província de Nangarhar uma das bombas mais potentes de seu arsenal. A “mãe de todas as bombas”, como é chamado o míssil GBU-43, teria matado 96 jihadistas. Além disso, outros 300, segundo dados do Ministério de Defesa do Afeganistão, foram mortos desde então em diferentes operações conjuntas entre soldados dos dois países.

Em junho do ano passado, o governo do Afeganistão afirmou que o EI estava derrotado em grande parte das áreas nas quais o grupo permanecia ativo. No entanto, a organização continuou reivindicando ações mais sangrentas no país, como o ataque suicida contra uma manifestação da minoria hazara que deixou 80 mortos.

Leia Também:  Vulcão Cumbre Vieja: aeroporto de La Palma volta a fechar

 

 

 

 

Fonte: Agências Reuters, Efe e AFP

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Mundo

Nobel de física é atribuído a cientistas da França, EUA e Áustria

Publicados

em

O Prêmio Nobel da Física foi atribuído, nesta terça-feira (4), a Alain Aspect, John F. Clauser e Anton Zeilinger por avanços na mecânica quântica. Os vencedores foram anunciados pela Real Academia Sueca de Ciências, em Estocolmo, na Suécia.

De acordo com a Academia Nobel, os investigadores da Universidade Paris-Saclay (França), da J.F. Clauser & Assoc. (EUA) e da Universidade de Viena (Áustria), respectivamente, distinguiram-se “pelas experiências com fotões enredados, estabelecendo a violação das desigualdades de Bell e sendo pioneiros na ciência da informação quântica”.

Os laureados deste ano “conduziram experiências inovadoras usando estados quânticos emaranhados, onde duas partículas se comportam como uma única unidade, mesmo quando separadas”.

A Academia justifica a nomeação com os resultados que “abriram caminho para novas tecnologias baseadas em informações quânticas”.

Leia Também:  Netanyahu e Gantz firmam acordo de governo de união em Israel

“Os efeitos inefáveis ​​da mecânica quântica estão começando a encontrar aplicações. Existe agora um grande campo de investigação que inclui computadores quânticos, redes quânticas e comunicação criptografada quântica segura”.

Um fator-chave nesse desenvolvimento, explicou a Academia, “é como a mecânica quântica permite que duas ou mais partículas existam no que é chamado de estado enredado”. O que acontece com “uma das partículas num par enredado determina o que acontece com a outra partícula, mesmo que estejam distantes”.

John Clauser desenvolveu as ideias de John Bell sobre a informação quântica, com experiências mais práticas. Alain Aspect, por sua vez, “desenvolveu a configuração, usando-a de uma forma que fechou uma brecha importante”.

“Através de ferramentas refinadas e uma longa série de experiências, Anton Zeilinger começou a usar estados quânticos enredados”. Estes investigadores conseguiram provar “um fenômeno chamado teletransporte quântico, que possibilita mover um estado quântico de uma partícula para outra à distância”.

“Tornou-se cada vez mais claro que um novo tipo de tecnologia quântica está surgindo. Podemos ver que o trabalho dos laureados com estados enredados é de grande importância, mesmo além das questões fundamentais sobre a interpretação da mecânica quântica”, explicou ainda Anders Irbäck, presidente do Comitê Nobel de Física.

Leia Também:  Mapa aponta estado do Rio como de risco alto para a covid-19

No ano passado, a academia homenageou Syukuro Manabe, do Japão e dos Estados Unidos, e o alemão Klaus Hasselmann por suas investigações sobre modelos climáticos, enquanto o italiano Giorgio Parisi também ganhou pelo seu trabalho sobre a interação de desordem e flutuações em sistemas físicos.

Fonte: EBC Internacional

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA