VÁRZEA GRANDE

Esporte

Única brasileira no basquete dos EUA relata volta à quadra em "bolha"

Publicado em

Esporte


.

Única representante brasileira atuando na WNBA, a liga de basquete feminino dos Estados Unidos, a pivô Damiris vive a expectativa do início da edição 2020 da competição, que tinha sido adiada devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). A temporada começa no próximo sábado (25), duas semanas após a volta aos treinos, que ocorreu no último dia 10. Tanto a preparação das jogadoras quanto as partidas serão na IMG Academy, em Bradenton, na Flórida, sem presença de público.

As atletas estão, no momento, imersas em uma “bolha” – termo utilizado pela própria liga para definir a estrutura montada para viabilizar a realização da temporada em meio à pandemia. Elas são submetidas a testes diários de covid-19 e treinam com bola somente em um período, sempre utilizando máscaras e passando álcool em gel nas mãos. Fora da quadra, a rotina é a de assistir jogos e estudar as rivais.

“Eu estava com muita saudade de jogar basquete, dos treinos coletivos. A gente viu o brilho nos olhos umas das outras [por voltar à quadra]”, relatou a jogadora do Minnesota Lnyx, em entrevista coletiva nesse sábado (18), realizada por videoconferência. “Isso de o elenco estar junto o tempo inteiro, estou meio que acostumada no Brasil, mas aqui é meio diferente. A gente normalmente se encontra só em quadra. Agora, estamos mais juntas e tem sido até melhor. A gente brinca mais, se reúne para jogar videogame ou ver filme, aproveitando cada momento”, descreveu.

A Flórida, estado onde se encontra a “bolha” da WNBA, é atualmente o epicentro da pandemia nos Estados Unidos, com mais de 333 mil casos positivos da doença. O avanço da covid-19 é pauta das conversas entre as atletas. “Está todo mundo otimista, mas, sempre tem um pouquinho de medo, porque a gente não tem o controle da situação. A cada dia que se liga a TV é uma notícia nova, que está piorando aqui na Flórida. A gente ouve muita coisa, mas está otimista que tudo passe e que até o fim da liga as coisas estejam melhores”, disse.

Leia Também:  Covid-19: Liga de Basquete Feminino cancela temporada deste ano

Um pensamento positivo que, segundo Damires, passa pelo contato frequente com a psicóloga da equipe – inclusive para administrar a preocupação com a família, que permaneceu no Brasil. “Algumas meninas trouxeram mãe, filho, marido, a gente fica meio apreensiva. O mundo está uma bagunça, mas, estar aqui jogando, com todo o cuidado, sabendo que a família está longe, mas que todo mundo está bem, é até melhor do que estar em casa. O trabalho com a psicóloga, em grupo ou individual, ajuda muito”, afirmou a paulista, que é natural de Ferraz de Vasconcelos, cidade da região metropolitana de São Paulo.

A estreia do Minnesota Lynx, de Damiris, pela liga norte-americana – considerada a principal do mundo no basquete feminino – será no próximo dia 26, um domingo, contra o Connecticut Sun. Normalmente, as equipes da WNBA fazem 34 jogos na temporada regular (ou seja, antes do mata-mata), mas, devido às adaptações no calendário feitas por causa da pandemia, elas terão pela frente 22 confrontos. As oito melhores campanhas entre os 12 participantes avançam para os playoffs. A expectativa é que a competição seja concluída até outubro.

Cenário nacional

A caminho da sexta temporada na WNBA, Damiris é também um dos principais nomes da seleção brasileira, que vem de um 2019 de altos e baixos. Mesmo sem a pivô, a equipe que tinha acabado de ser assumida pelo técnico José Neto – que nunca havia trabalhado com o naipe feminino – conquistou a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima (Peru), superando os Estados Unidos na final (as norte-americanas competiram com uma equipe universitária). O time repetia um feito que não era alcançado desde 1991, quando Hortência e Paula ainda defendiam a seleção.

Depois, veio o bronze na Copa América, já com a jogadora de 27 anos no elenco – ela, inclusive, foi escolhida uma das cinco melhores do torneio. O resultado garantiu o Brasil no pré-olímpico da modalidade, onde o sonho de ir aos Jogos de Tóquio (Japão) terminou, após as derrotas para a França (anfitriã do qualificatório), Porto Rico e a Austrália. Apesar disso, Damiris considerou que o nível mostrado pela equipe, desde o início de trabalho com Neto, traz uma perspectiva boa para o ciclo da Olimpíada de Paris (França), em 2024.

Leia Também:  Covid-19: torcida do Corinthians cria campanha 'Fiel Solidária'

“Ele trouxe muita coisa boa e nova para o basquete feminino. A evolução é nítida e estamos no caminho certo. Temos nos falado semanalmente. Ele está com muitas coisas na cabeça e quer colocá-las para treino. O melhor do Neto é que ele está sempre disposto a aprender. Chegou agora, mas está estudando muito para entrar de verdade neste mundo”, enalteceu a pivô. “Infelizmente, não veio a classificação olímpica, mas, a gente mostrou que pode muito”, completou.

Damiris também se disse otimista sobre a possibilidade de avanço da modalidade no Brasil, embora entenda que, no momento, o cenário esteja “meio estacionado”. Ela participou cinco vezes da Liga de Basquete Feminino (LBF), sendo a última em 2017. O campeonato deste ano, que iniciou em 8 de março, teve de ser interrompido após três jogos realizados, devido à pandemia, e cancelado três meses depois.

“De um tempo para cá, vi melhora na liga, mas, acho que a gente está meio estacionado. Acho que precisamos de mais investimento e visibilidade. O basquete feminino está carente dessas coisas. Acredito que estamos em um caminho melhor, mais pessoas estão olhando”, analisou, destacando o papel das atletas brasileiras nesse processo. “Nós, jogadoras, temos conversado muito. Queremos mudança e a modalidade precisa de visibilidade, que as empresas olhem diferente. Acho que é o momento de, juntas, brigarmos pela causa”, concluiu.

Edição: Graça Adjuto

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Esporte

Em crise, Cuiabá cai mais uma posição na briga pela permanência

Publicados

em

Em crise de vitória no Campeonato Brasileiro, o Cuiabá se vê cada dia mais perto do abismo na tabela de classificação.

Após mais uma rodada, a 21ª de um total de 38 jogos, o ‘Dourado’ desceu mais um pouco na briga, ocupando agora 18ª colocação após amargar derrota de 1 a 0 para o Fluminense no Maracanã. Soma apenas 20 pontos em 21 jogos disputados. Está a frente somente do Atlético Goianiense, 19º também com 20 e do Juventude, lanterna com 16 pontos.

E, justamente, o time de Caxias do Sul será o próximo adversário da equipe treinada pelo português António Oliveira. O duelo está marcado para o próximo sábado, às 19h30, na Arena Pantanal.

Após ter um início sonolento, inclusive tomando o gol da derrota logo a um minuto de bola rolando, o Cuiabá se mostrou uma equipe aguerrida e competitiva. Por alguns momentos isolados, levou perigo ao gol defendido por Fábio.

A reapresentação do elenco de jogadores deve ocorrer nesta terça-feira no CT do ‘Dourado’. Antônio Oliveira terá outra semana cheia para trabalhar o grupo em busca da reabilitação. Por diversas vezes, o treinador reclamou da ineficiência do setor ofensivo do time. A expectativa é que os novos reforços, atacante Deyverson, ex-Palmeiras e o meia Sidecley, ex-Corinthians, ganhem condição de jogo logo e reforce os setores.

Leia Também:  Projeto de cobrança única de ICMS de combustível aguarda sanção

Fonte: Agência Esporte

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA