VÁRZEA GRANDE

Esporte

Seleção se prepara para o adeus de Tite. Qual o recado deles ao técnico?

Publicado em

Esporte

Ganhando, perdendo, não importa o resultado: o técnico Tite já avisou que vai deixar o cargo que ocupa na Seleção Brasileira desde setembro de 2016. Obviamente que ele e seus atletas só esperam ter mais sete jogos juntos pela frente – o que os levaria à final da Copa do Mundo FIFA de 2022, no Catar. A caminhada começa nesta quinta-feira, contra a Sérvia, no Estádio Lusail, pelo Grupo G, que também conta com Camarões e Suíça.

Adenor Leonardo Bachi, 61, estreou na Seleção em setembro de 2016, com uma impressionante vitória sobre o Equador, em Quito, por 3 a 0, pelas Eliminatórias. Desde então, são 76 jogos à frente do tempo, com 57 vitórias, 14 empates e apenas cinco derrotas (três delas para a Argentina.

Se considerarmos apenas o ciclo pós-Rússia, foram 50 jogos, com 38 vitórias, nove empates e três derrotas. Mais impressionante, o tempo anotou 111 gols e sofreu apenas 19 — no total, foram 33 jogos sem ser vazado e apenas seis partidas em que não anotou um gol.

Os números ajudaram a entender como ele conseguiu algo raro na história do futebol brasileiro: ser mantido no comando da Seleção de um Mundial para o outro, algo que só havia desejado antes com Zagallo, após o título em 1970.

Como ele conseguiu isso?

Sendo um técnico em busca de constante evolução para sua equipe, em vez de se acomodar com o acúmulo de resultados positivos. A rapidez de seus jogadores é fundamental nesse sentido. A Seleção de hoje é um momento que estabeleceu seu jogo pelas pontas, dando mais espaço para Neymar flutuar pelo campo.

Ao mesmo tempo, a equipe usa essa agilidade para marcar bastante no setor ofensivo, enfrentando os adversários a partir do momento que perde a posse de bola. Todos se engajam em movimentos para tentar “vedar” o campo. É uma combinação de talento e de um sistema que envolve procura esses talentos da maneira mais providencial.

Leia Também:  Flamengo finaliza preparação para confronto contra o Vélez Sarsfield, pela Libertadores

Tudo isso é essencial na chegada à Copa do Mundo, mas, quando os jogadores falam sobre o “professor” – como os técnicos costumam ser chamados carinhosamente no país –, algo que vem à tona é o aspecto humano.

Fred

“Ele é um grande treinador, todos sabem da capacidade dele e, de verdade, sou muito honrado de ter trabalhado com ele por todos esses anos e ter tido essa experiência ao seu lado. É um cara que admiro muito, mesmo, não só por ter me convocado, ainda que seja grato por ter visto o que faço [risos]. Mas pelo treinador que ele é.

O que mais aprendi com ele está ligado ao seu toque humano por causa da pessoa que ele é, um cara muito do bem, que trata do goleiro até o guarda-roupa da mesma forma, muito atencioso. E, principalmente, alguém que nós amamos ter perto por causa dessa alegria dele como pessoa. Obviamente, queria que ele permanecesse muito mais tempo na Seleção, mas os ciclos acontecem, começam e se encerram, então, espero que ele possa fechar esse período com o título da Copa do Mundo.”

Bruno Guimarães

“Eu tenho uma foto com ele que viralizou bastante. Na época, eu estava na base do Audax e ele já era um cara que estava ganhando tudo com o Corinthians, então, pedi para tirar uma foto com ele. Por essa passagem, você pode ver um pouco da minha confiança pela pessoa, pelo treinador que ele é.É um cara muito inteligente, que carrega muitos conceitos.Muitos treinadores com que trabalhami na Europa não têm esses conceitos que ele tem.

Mas eu lembro de uma vez no pré-Olímpico em 2020, quando eu tinha sondagem do Atlético de Madrid e já tinha dado minha palavra para o Juninho [pernambucano, então diretor do Lyon]. Na época, o próprio Juninho ligou para o Tite, falando que eu tinha dado a minha palavra para eles e que sabia que tinha outras vezes me cobiçando. E o Tite, quando foi assistir um nosso jogo, bateu no meu peito assim e falou: ‘O que você tem aqui eu honro para a minha vida: palavra. Você tem palavra, você é homem.’

Leia Também:  Corinthians finaliza preparação para estreia no Paulistão 2022

Então, aquilo me marcou bastante, é um cara realmente de palavra. Se ele fala alguma coisa, ele vai cumprir. Nos encontramos recentemente em Newcastle e levei ele para o meu lugar favorito [churrascaria Rio]. Ele se amarrou nas carnes, gostei bastante. Pessoal todo ficou feliz para caramba, foi um bate papo legal, conversamos sobre futebol, momento de tudo, as coisas da carreira. Foi uma troca bacana e acho que ele curtiu muito a carne [risos].”

Raphinha

“Eu primeiro tenho de agradecer, por ter sido o primeiro a me dar a oportunidade de estar aqui na Seleção e no Qatar. Sem ele não seria possível. Mas, além disso, ele se tornou um cara muito importante por aqui, não só pelo que me passa na Seleção, mas para o que levo para os meus clubes. Ele me passou muita confiança, me deu as ferramentas que eu precisava para me manter o mais confiante possível.”

Richarlison

“O Tite é como um pai para nós. Ele sempre nos tratou bem. Criou um clima de acolhimento na Seleção. E ele é aqueles que, na hora de elogiar, elogia, mas, na hora de cobrar, também cobra. Nós gostamos muito com ele. Dá para falar de ter coragem, sabedoria, obediência tática. Querendo ou não, é a última Copa dele, e vamos fazer de tudo para que ele possa sair feliz na final.”

Fonte: Agência Esporte

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Esporte

Portugal goleia a Suíça e enfrenta Marrocos nas quartas de final da Copa no Catar

Publicados

em

Com três gols de Gonçalo Ramos, portugueses fazem 5 a 1 na Suíça e pegarão Marrocos nas quartas.

  • Escalado na vaga de Ronaldo, Gonçalo Ramos marcou três vezes

  • Vitória portuguesa é o placar mais elástico das oitavas de final

  • Para igualar feitos de 1966 e 2006, portugueses enfrentam Marrocos no sábado

Portugal 6 x 1 Suíça

Gols: Gonçalo Ramos, aos 17 min do 1º tempo, aos 5 min e aos 22 min do 2º tempo, Pepe, aos 32 min do 1º tempo, Raphael Guerreiro, aos 10 min do 2º tempo, e Rafael Leão, aos 47 min do 2º tempo, para Portugal; Manuel Akanji, aos 12 min do 2º tempo, para Suíça.

Portugal surpreendeu três vezes na partida que o classificou para as quartas de final da Copa do Mundo FIFA Qatar-2022.

A primeira vez foi ainda antes do apito inicial, quando a escalação não trouxe o nome de Cristiano Ronaldo. Depois, quando o garoto Gonçalo Ramos, o escolhido para substituir CR7, meteu três gols e estabeleceu o primeiro hat-trick desta edição do torneio. E, por fim, quando construiu a vitória mais elástica dos oito jogos das oitavas.

Leia Também:  Flamengo anuncia saída do técnico Jorge Jesus

Com a goleada por 6 a 1 sobre a Suíça, uma adversária famosa por ter sistemas defensivos bem sólidos e que costuma vender caro o resultado quando se depara com adversários da prateleira de cima do futebol mundial, os portugueses se classificaram pela terceira vez na história para as quartas.

Antes do Qatar-2022, os lusos só ficaram entre oito melhores times da Copa na Inglaterra-1966 e na Alemanha-2006 (justamente a primeira disputada por Ronaldo). Nas duas ocasiões, eles foram além e também jogaram as semifinais.

Para manter essa tradição, Portugal terá de desbancar no sábado a seleção de Marrocos, responsável pela eliminação da campeã mundial Espanha. Já a Suíça igualou sua campanha de quatro das últimas cinco participações em Copas (na África do Sul-2010, caiu ainda na primeira fase).

Momento-chave

A torcida portuguesa certamente estava apreensiva e se perguntando se Gonçalo Ramos aguentaria o peso de substituir CR7 em uma partida tão importante. A resposta demorou apenas 17 minutos para ser dada. Em uma jogada que começou em um arremesso lateral, o centroavante do Benfica recebeu a bola de costas para o gol, girou usando o corpo, soltou um míssil no ângulo da meta adversária e abriu caminho para a vitória lusa.

Leia Também:  Ceará se reapresenta e inicia preparação para partida contra o Botafogo/PB

Número

Com 39 anos e 283 dias, Pepe se transformou nesta terça-feira no segundo jogador a mais velho a balançar as redes em uma partida de Copa. Em toda a história do torneio, o zagueiro só está atrás do camaronês Roger Milla, que marcou aos 42 anos e 39 dias nos Estados Unidos-1994. Em tempo: o português também virou o atleta de maior idade a fazer um gol nos mata-matas decisivos de um Mundial.

Fonte: Agência Esporte

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA