VÁRZEA GRANDE

EDUCAÇÃO

Aprendizagem dos alunos das escolas estaduais de MT melhora 18,9% em 2022, aponta indicador da FGV

Os resultados refletem o empenho do Governo do Estado em promover a recuperação da aprendizagem na educação públic

Publicado em

Educação

Foto: Wesley Rodrigues

As avaliações realizadas em 2022 pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT), em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), com estudantes do ensino fundamental e médio apresentaram resultados positivos em todas as séries. Os indíces são reflexos dos investimentos feitos pelo Governo de Mato Grosso na aprendizagem de forma contínua, sobretudo nesse período de pós-pandemia da Covid-19.

Os números foram apresentados nesta quinta-feira (19.01) pelo secretário de Estado de Educação, Alan Porto, e pelo ex-ministro da Educação e diretor do Centro de Desenvolvimento da Gestão Pública e Políticas Educacionais da FGV, Henrique Paim.

Segundo o IPEA – Indicador do Processo de Ensino e Aprendizagem -, que é aplicado pela FGV bimestralmente, além de uma avaliação somativa anual, a aprendizagem apresentou média de 5,10 no IPEA e crescimento global no período entre fevereiro e dezembro do ano passado de 18,9%.

As avaliações analisaram a evolução da aprendizagem por meio das provas realizadas pelos estudantes do 2º ao 9º ano do ensino fundamental e do 1º ao 3º ano do ensino médio durante o ano. Em todas as séries, o resultado foi positivo, proporcionando um cenário ainda mais decisivo para o cumprimento das metas definidas no Programa Educação 10 Anos.

Leia Também:  Cuiabá: Educação doa exemplares e kits de livros para o Instituto Reação

“Essa avaliação faz parte do contrato do Sistema Estruturado de Ensino entre o Governo do Estado e a Fundação Getúlio Vargas. Ela valida todos os nossos esforços em busca da qualidade total nos resultados e nas metas do Programa Educação 10 Anos, que vai colocar a Rede Estadual de Educação entre as cinco mais bem avaliadas pelo Ideb até 2032”, avaliou Alan Porto.

Para Paim, essa avaliação é uma forma eficiente de diagnosticar o nível de aprendizagem de cada aluno, dos professores e até de cada escola”. Ele destaca que a função é verificar o quanto do conteúdo ensinado foi absorvido pelos estudantes e analisar se eles estão conseguindo acompanhar a programação curricular. “A partir dessa análise, que nos animou muito, a Seduc-MT pode alterar ou definir novas metas”, destacou.

A Fundação Getúlio Vargas também finalizou, em 2022, os dados sobre a Avaliação Diagnóstica de todas as unidades de ensino e estudantes da rede estadual. Os dados também subsidiam as decisões pedagógicas adotadas pela Seduc-MT.

Para cada situação é preciso uma estratégia e uma intervenção diferente no fortalecimento da aprendizagem. Tanto a avaliação somativa quanto a avaliação diagnóstica mostra a realidade e indica as tomadas de decisões nesse sentido para o ano letivo atual e os próximos planejamentos.

Leia Também:  Cuiabá sedia Feira de Educação Internacional com opções de intercâmbio

A avaliação somativa foi feita entres os meses de maio e junho e revela a realidade de cada escola e de cada aluno da rede estadual. “Essa avaliação também é fundamental, porque é com base nela que vamos trabalhar as ações para melhorar a qualidade do ensino que ofertamos e a aprendizagem dos nossos estudantes”, enfatizou Alan Porto.

Também participaram da apresentação o secretário-adjunto Executivo, Amauri Monge Fernandes, e a secretária-adjunta de Gestão Educacional, Mozara Spencer.

Fonte: Secom-MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Educação

Evento online transmitido pelo Canal 1, da Escola Cuiabana no YouTube

Mais de 2,5 mil pessoas participaram

Publicados

em

Foto: Jorge Pinho - SECOM CUIABÁ

Diálogo e mediação de conflitos nas escolas foi o tema da palestra que abriu a programação da Semana Pedagógica 2023, desta sexta-feira (27). A mesa redonda, transmitida online pelo Canal, 1 da Escola Cuiabana no YouTube, contou com a participação de 2.551 participantes acompanhando as palestras proferidas pelo promotor de Justiça, Miguel Slhessarenko Júnior e a  desembargadora e presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Clarice Claudino da Silva.

Na abertura da mesa redonda, a secretária Municipal de Educação, Edilene de Souza Machado destacou a importância do evento, um momento de reflexão e planejamento do ano letivo, para todos os profissionais. Falou sobre os avanços da Educação pós-pandemia e os resultados da avaliação do desempenho profissional aliada ao desempenho acadêmico dos estudantes, implementada em 2022. “Existia uma expectativa dos especialistas em Educação de que levaríamos de 8 a 10 anos para recompor as habilidades não adquiridas pelos estudantes, em decorrência da pandemia. Tivemos uma grata surpresa. A rede pública municipal de Educação, alcançou na avaliação da Prova Cuiabá realizada em 2022, uma média de 70,4. É um marco, resultado do comprometimento dos profissionais e dos investimentos da gestão Emanuel Pinheiro”, disse a secretária de Educação.

Edilene Machado destacou a parceria com as instituições para o enfrentamento e superação dos desafios. “Eu não tenho dúvida de que iremos superar os nossos desafios e avançar na busca de uma Educação Inclusiva, que garanta o direito de aprendizagem aos estudantes e, esse processo. passa pelo diálogo e a mediação dos conflitos nas escolas”, salientou.

Leia Também:  Estão abertas as inscrições da rede municipal de Várzea Grande

O Promotor de Justiça, Dr. Miguel Slessarenko elogiou realização da Semana Pedagógica, evento que possibilita a discussão de temas relevantes para o ambiente escolar. Disse que o Ministério Público tem atuado de forma contínua na Educação, e uma das preocupações da instituição é com o aumento gradativo dos conflitos nesses ambientes, tornando a questão um desafio para os profissionais, por gerar prejuízos pedagógicos e desmotivação em toda a comunidade escolar. “A escola é um ambiente democrático, com grandes diversidades sociais, econômicas e vulnerabilidades, que acabam, naturalmente, gerando conflitos que impactam o dia a dia das comunidades. Esses conflitos refletem as comunidades onde as unidades estão inseridas. Nesse sentido, temos pensado em ferramentas que possam auxiliar os profissionais a enfrentar esses desafios, de uma forma mais adequada”, destacou.

Miguel Slhessarenko falou sobre o projeto Mediação de Conflitos Escolares, originado de uma parceria do Ministério Público e Tribunal de Justiça. O projeto tem capacitado profissionais no sentido de auxiliar a sua atuação dentro das unidades. “Temos poucas situações envolvendo a rede pública municipal cujo foco é a Educação Infantil, mas é importante que os estudantes saibam lidar com as suas emoções, com seus conflitos, sendo esta uma das competências estampadas na Base Nacional Comum Curricular, daí a importância da formação dos profissionais, e o apoio à comunidade escolar”, disse o promotor de Justiça.

A desembargadora Clarice Claudino da Silva, presidente do Tribunal de Justiça, falou sobre o tema Justiça Restaurativa no ambiente escolar, uma proposta de trabalho que visa prevenir e solucionar conflitos e tensões sociais, por meio da conscientização dos cidadãos, grupos representativos e da sociedade, na construção de uma cultura da paz. “Crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade se sentem ignorados pela sociedade. Sua autodefesa se manifesta na repetição do padrão daquilo que vivem diariamente em casa e na sua comunidade. Então devemos implantar no ambiente escolar, um processo de resgate de crianças e adolescentes por meio da escuta afetiva dos seus conflitos. Demostrar que todos estão inseridos no mesmo contexto social, e sensibilizar a comunidade como um todo para a cultura da paz. Nesse sentido, é fundamental fazermos um trabalho de base no ambiente escolar e, formar os profissionais da educação para serem facilitadores dos círculos de construção de paz, com apoio da rede de proteção”, destacou a presidente do Tribunal de Justiça, Desª. Clarice Claudino.

Leia Também:  Secretária de Esportes fecha centros esportivos em Diamantino

Programação

A segunda mesa redonda da manhã discutiu o tema ‘Educação, Curriculo, Identidade e Relações Étnico-raciais: possibilidades para potencializar o trabalho pedagógico na implementação da Lei nº 10.639/2003 e Lei nº 11.645/2008’, que teve como formadora a Prof.ª Ma. Carmen Cinira, do Conselho Municipal de Educação.

A Semana Pedagógica é realizada pela Prefeitura de Cuiabá, por meio da Secretaria Municipal de Educação, voltada para as equipes gestoras das unidades educacionais, docentes e técnicos.

Fonte: SECOM CUIABÁ

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA