VÁRZEA GRANDE

Economia

Sondagem industrial: produção e emprego têm queda em dezembro de 2022

Publicado em

Economia

Levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgado hoje (20) apontou a elevada carga tributária, a demanda interna insuficiente e a falta ou alto custo da matéria-prima como as principais preocupações do setor industrial brasileiro.

As informações fazem parte da pesquisa Sondagem Industrial e foram colhidas no período de 3 a 13 de janeiro. No total, foram ouvidas 1.688 empresas: 694 de pequeno porte, 571 de médio porte e 423 de grande porte.

O levantamento mostra que a produção, o emprego industrial e a utilização da capacidade instalada (UCI) registraram queda de novembro para dezembro. O índice de evolução da produção ficou em 42,8 pontos, resultado abaixo da linha divisória de 50 pontos, entre queda e crescimento da produção.

“O mês de dezembro é marcado pela desaceleração da produção industrial. Destaca-se, contudo, que o resultado está acima da média para o mês de dezembro (41,8 pontos), ou seja, a queda da produção na passagem entre novembro e dezembro de 2022 foi percebida como menos forte que em outros anos”, diz a pesquisa.

Leia Também:  Anvisa disponibiliza guia para produção de ventilador pulmonar

O mesmo ocorreu com o emprego industrial, que também registrou queda no período de avaliação da sondagem. O índice de evolução do número de empregados foi de 46,9 pontos, correspondendo a uma diminuição de 2,1 pontos na passagem de novembro para dezembro. O resultado está abaixo da linha divisória desde outubro, indicando haver percepção de queda do emprego industrial no último trimestre de 2022.

A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) também apresentou recuo em dezembro, na comparação com novembro, ficando em 67%. O percentual de dezembro de 2022 é menor que o registrado no mesmo mês dos dois anos anteriores, considerado um período de atípica atividade industrial.

De acordo com a CNI, o comportamento desses índices é usual para o período. Já em relação aos estoques, a pesquisa aponta um pequeno recuo, mas diz que eles seguem acima do planejado. O índice de evolução do nível de estoques foi de 49,5 pontos, pouco abaixo da linha divisória de 50 pontos, indicando uma pequena queda dos estoques em relação ao mês anterior.

Leia Também:  Brasil bateu 10 recordes em produção de energia renovável, em julho

Além dos principais problemas elencados por empresários no trimestre encerrado em dezembro de 2022, a pesquisa apresenta indicadores relacionados ao desempenho da indústria no mês de dezembro de 2022 e às expectativas do empresário em janeiro de 2023.

Na avaliação do empresariado, a maioria dos índices de expectativas para janeiro de 2023 aumentou e o “otimismo manteve-se difundido. A intenção de investimento permaneceu estável no período.”

“O índice de intenção de investimento alcançou 53,7 pontos, permanecendo acima da média histórica de 51,4 pontos, o que indica que há intenção de investir na indústria”, diz a pesquisa.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Usuários podem utilizar nome social para acessar serviços do BC

Publicados

em

O cidadão que precisar pedir informações ao Banco Central (BC) ou registrar reclamações sobre bancos pode usar o nome social. Desde a última segunda-feira (23), o órgão oferece a opção ao serviço Fale Conosco. A única exigência é que o nome social esteja incluído na base de dados da Receita Federal.

A opção pelo nome social existe desde outubro para o Registrato, serviço que fornece o histórico do cidadão com instituições financeiras. O canal de atendimento telefônico do BC também está adaptado, com o atendente perguntando ao cidadão se prefere ser tratado pelo nome social ou civil.

Segundo o Departamento de Atendimento Institucional do BC, o uso do nome social é possível porque o órgão tem convênio com a Receita Federal para acessar a base de dados do Fisco e comprovar a identidade do usuário. Ao informar o Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou logar com o CPF na conta Gov.br, o BC cruza os dados. Em caso de contato telefônico, o sistema avisa ao atendente a existência do nome social. Se o registro for pela internet, a forma de tratamento aparece na tela.

Leia Também:  Anvisa disponibiliza guia para produção de ventilador pulmonar

Além da forma de dirigir-se ao cidadão, o sistema permite que o BC inclua o nome social em documentos oficiais, como os relatórios emitidos pelo Registrato. Nesse caso, o nome social do usuário aparecerá em destaque, acompanhado do seu nome civil.

De acordo com o BC, o reconhecimento do nome social na administração federal é exigido pelo Decreto 8.727, editado em abril de 2016. No entanto, os órgãos públicos ainda estão se adaptando.

No Registrato, a opção de uso do nome social está disponível desde 1º de outubro do ano passado. O BC esclarece que a possibilidade ainda não é oferecida em demandas de ouvidoria ou de pedidos relacionados à Lei de Acesso à Informação porque esses serviços dependem da plataforma Fala.BR, desenvolvida pela Controladoria-Geral da União (CGU), que ainda não permite a inclusão do nome social pelos requerentes.

Edição: Juliana Andrade

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA