VÁRZEA GRANDE

Economia

Petrobras investirá R$16 bilhões na Bacia de Campos em 5 anos

Publicado em

Economia


A Petrobras planeja investir R$16 bilhões na Bacia de Campos nos próximos cinco anos. O montante representa 23% da estimativa total de investimentos que a estatal tem para o período entre 2022 e 2026. 

A Bacia de Campos é uma bacia sedimentar marítima que se estende das imediações da cidade de Vitória, no Espírito Santo, até Arraial do Cabo, no litoral norte do Rio de Janeiro. Nessa área, estão localizados campos com importantes reservas na camada pré-sal. Atualmente, ela é a segunda maior produtora do país, atrás apenas da Bacia de Santos.

“Estamos avançando em grandes revitalizações na Bacia de Campos”, disse hoje (25) o diretor de comercialização e logística da estatal, Fernando Borges, durante o Petrobras Day, evento de relacionamento com investidores. Borges confirmou a desistência da venda do campo de Marlim, que deverá contar com duas novas unidades a partir de 2023.

Descoberto em 1985, o campo de Marlim situa-se na Bacia de Campos e está distante aproximadamente 110 quilômetros do litoral fluminense. “Não consta mais na nossa carteira de desinvestimentos. Ressalto que a gestão ativa de portfólio é dinâmica. No mínimo anualmente fazemos uma revisão. E isso vai acontecer com todos os ativos”, acrescentou Fernando Borges.

Durante o Petrobras Day, o presidente da estatal, Joaquim Luna e Silva, e diretores da empresa abordaram detalhes do Plano Estratégico da Petrobras para o quinquênio 2022-2026. Aprovado ontem, ele prevê um investimento total de US$ 68 bilhões. Trata-se de um valor 24% superior ao quinquênio anterior.

“A percentagem mais elevada focada na área de exploração e produção e na área de refino caracteriza muito bem que nós estamos trazendo um investimento forte no nosso pré-sal que já corresponde a mais de 70% da produção da companhia”, disse Joaquim Luna e Silva. Do total de 15 novas plataformas do tipo Unidade Flutuante de Produção, Armazenamento e Transferência (FPSO) que deverão entrar em operação até 2026, 12 estão no pré-sal e três no pós-sal.

Diversos esclarecimentos foram feitos sobre o andamento da estratégia de desinvestimentos que vem sendo adotada desde 2019. Nos últimos anos, a Petrobras já se desfez de diferentes ativos como as subsidiárias TAG, BR Distribuidora, Gaspetro e alguns campos de petróleo.

Leia Também:  Nome de confiança de Lula, Bendine assumiu Petrobrás com missão de blindar estatal

Continua sendo avaliada a venda da sua fatia na petroquímica Braskem, mas não há ainda uma agenda específica. A estatal possui 47% das ações com direito a voto, enquanto a Novonor, nova denominação do Grupo Odebrecht, detém 50,1%. Outros acionistas respondem por 2,9% do capital votante. “Nesse momento, estamos tendo discussões com o outro sócio relevante que é a Novonor e a gente tem desenhado um modelo de venda que gere mais valor, que ambas as partes consigam tirar valor”, disse o diretor de relacionamento institucional e sustentabilidade, Rodrigo Araújo.

A venda da refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco, também permanece no horizonte. Ainda assim, ela deverá receber um investimento de US$ 1 bilhão. O montante será usado em obras para finalização da segunda unidade de refino, o que deverá ampliar a capacidade de produção de 115 mil para 260 mil barris por dia (bpd) até o ano de 2027. “É um investimento que tem retorno, que tem indicadores adequados”, disse Rodrigo Araújo.

A RNEST entrou em operação em 2014 e havia sido incluída no portfólio de desinvestimentos da Petrobras em 2019. Uma tentativa de venda da refinaria ocorreu em 2021, mas não houve interessados. Segundo Rodrigo Araújo, as obras pendentes afastaram atores estrangeiros e contribuíram para o insucesso no negócio.  

“A Petrobras tem mais conhecimento e consegue avançar na conclusão. A ideia é retomar o processo de construção e em paralelo relançar o processo de venda”, disse. Rodrigo avaliou ainda que os investimentos poderão ser recuperados. “A gente aumenta não só o valor do ativo como as perspectivas de conseguir fazer uma venda bem sucedida”, acrescentou. Segundo ele, não há um cronograma definido, mas a expectativa é concretizar o negócio com as obras em andamento.

Ao todo, US$ 6,1 bilhões serão investidos na área de refino, conforme o Plano Estratégico da Petrobras para o quinquênio 2022-2026. Mas a estatal, que hoje possui 13 refinarias, pretende manter em 2026 apenas as cinco que possui nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

Leia Também:  Presidente da Petrobras diz que sofre para informar alta de preços

Preços dos combustíveis

Segundo o diretor de comercialização e logística da Petrobras, Cláudio Mastella, os investimentos previstos para o quinquênio 2022-2026 não afetam diretamente os preços dos combustíveis. “Não são definidos pelo investimento, mas pelos mercados. Não só do diesel e da gasolina, como de qualquer mercadoria no mundo. Os mercados se comunicam e em função da oferta e da demanda é que os preços se formam. Não há nenhuma conexão com qualquer investimento que possamos fazer”.

“O que temos feito é investir em eficiência dos nossos processos, tornando nossa produção mais competitiva e aí sim podendo oferecer preços compatíveis e, sendo locais, mais competitivos diante do mercado internacional. Oferecer mais qualidade, confiabilidade e preço. Preço de mercado como em qualquer mercadoria”, acrescentou.

Desde 2016, a Petrobras adota a chamada Política de Preços de Paridade de Importação (PPI), que vincula o preço do petróleo ao mercado internacional tendo como referência o preço do barril tipo brent, que é calculado em dólar. As variações recentes da moeda têm repercutido em uma alta no valor que os postos cobram na venda dos combustíveis.

Críticos da precificação baseada no dólar, a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) e o Observatório Social da Petrobras (OSP) realizaram hoje (25) a campanha Dia Nacional sem PPI. Paralelamente ao Petrobras Day, eles colocaram à venda 12 mil litros de gasolina a R$ 4,40 em alguns postos de gasolina nos estados de Rio de Janeiro e São Paulo. O valor é 34,8% menor do que a média cobrada pelo mercado: R$ 6,75 segundo o último levantamento da Agência Nacional do Petróleo (ANP) entre os dias 14 e 20 de novembro.

Edição: Aline Leal

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Turismo nacional deve encerrar o ano com crescimento de 16%

Publicados

em


O turismo brasileiro deve terminar o ano com crescimento de 16% e faturamento de R$ 130 bilhões, 22% inferior ao registrado no período pré-pandemia, de acordo com dados do levantamento do Conselho de Turismo (CT) da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Os segmentos que registraram os resultados mais expressivos, a partir do quarto mês do ano, foram os de transporte aéreo, com alta anual de 83,9% e serviços de alojamento e alimentação, que teve elevação de 61,9%. “No entanto, a base de comparação explica o resultado, pois, esses foram os setores que mais sofreram o impacto da crise em 2020, estando, também, abaixo do patamar de abril de 2019”, diz a FecomercioSP.

Segundo os dados, a demanda dos passageiros aéreos atingiu nível superior a 6 milhões em julho, mantendo-se no mesmo nível nos meses seguintes. Até junho esses números estavam menores do que 5 milhões de pessoas. A perspectiva da Fecomercio é a de que o transporte aéreo encerre o ano com faturamento de R$ 37,8 bilhões, o que representa um crescimento anual de 30,5%. “Porém, ainda 36% abaixo do nível de 2019. Já o resultado projetado do último trimestre deve ser 12% menor em relação ao mesmo período do ano pré-pandemia”, estima a entidade.

O transporte rodoviário (intermunicipal, interestadual e internacional), que apresentou quedas relativamente modestas no início do ano, deve encerrar 2021 com alta de 9% e faturamento de R$ 17,7 bilhões (5,1% abaixo do patamar de 2019). Para o transporte aquaviário, a projeção de alta é 8,4% (R$ 467 milhões em valores absolutos).

Para o grupo de locação de veículos, agência e operadoras de turismo, a expectativa é que haja aumento no faturamento de 4,2%, chegando a R$ 29 bilhões. Na comparação com 2019, o nível ainda é 8,5% abaixo do obtido. Embora negativo, é um dos resultados relativos mais favoráveis entre os setores analisados pelo levantamento. O último trimestre deve registrar um ritmo de crescimento de 7%.

Leia Também:  Mato Grosso registra abertura de mais de 50 mil empresas em 2021

Os dados indicam ainda que o grupo de alimentação e alojamento deve registrar alta de 15,9%, com faturamento de R$ 25 bilhões, um quadro ainda negativo quando comparado ao ano de 2019, quando a alta foi de 26%.

Para as atividades culturais, recreativas e esportivas, a projeção para a segunda metade do ano é aumento de 11,7%, encerrando 2021 com alta de 1,9%. No primeiro semestre de 2021 houve queda de 7,4% nesse grupo. “Como este grupo depende, essencialmente, do número de pessoas completamente imunizadas, com o ritmo de vacinação bem estabelecido, a tendência é que haja cada vez mais aumento de público e atividades no próximo ano, dando condições para uma recuperação mais robusta”, diz a FecomercioSP.

Impacto da inflação no turismo

Apesar de os números apontarem para um bom desempenho no início de 2022, o processo inflacionário, que impacta tantos as famílias como as empresas, pode limitar um crescimento mais expressivo do setor no próximo ano, embora o dólar alto ainda mantenha a atratividade do turismo doméstico, que passou a ser “descoberto” por muitos brasileiros.

Segundo a presidente do CT da FecomercioSP, Mariana Aldrigui, a pressão da inflação no orçamento das famílias é, e continuará sendo, o fator mais importante a ser observado no próximo ano, principalmente a partir de março, quando a demanda começa a diminuir. “Infelizmente, como em outros momentos relevantes para o turismo, fez-se muito pouco em termos de investimentos, oferta de crédito e estímulo à inovação, o que deixa o Brasil ainda mais dependente de seu mercado interno”, analisou.

Leia Também:  Petrobras quer vender mais ativos de exploração e produção

O levantamento, com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aponta que o setor tem enfrentado inflação de 16,75% nos últimos 12 meses. Esta variação é superior à média do Índice de Preços do Consumidor Amplo (IPCA), de 10,67%. Isto é, há um avanço real de preços do turismo de 5,49%. As passagens aéreas são as principais responsáveis pela alta. Em 12 meses, o preço aumentou 50,11%, resultado da demanda reprimida pela pandemia e do aumento de custos, sobretudo do querosene (QAV), que subiu 90%, segundo dados da Agência Nacional de Petróleo (ANP).

Segundo as análises da FecomercioSP, a alta do combustível e da energia elétrica deve impactar outras atividades importantes do setor, como hotéis e translados, que repassarão os custos aos consumidores e aos pacotes turísticos, pressionando os valores nos próximos meses. Embora algumas atividades ainda não repassem a inflação para o preço final (caso da hospedagem, que teve aumento médio de preços de 4,44%), como o processo inflacionário atual é estrutural, o ajuste é questão de tempo e deve continuar, pelo menos, até metade do próximo ano.

“O resultado não surpreende, uma vez que já se previa um aumento considerável da demanda, que esteve reprimida ao longo dos últimos 18 meses. Os aumentos generalizados nos insumos de todos os setores também colaboram com a elevação dos preços, e é provável que a curva de aumento siga ascendente nos próximos meses (pelo menos até o carnaval), podendo ser revertida somente em caso de queda acentuada na demanda”, disse Aldrigui.

Edição: Valéria Aguiar

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA