VÁRZEA GRANDE

Economia

Fórum Nacional do Leite debate perspectivas para o setor

Publicado em

Economia

As perspectivas para o setor leiteiro estão sendo discutidas em Brasília por produtores, representantes da agroindústria e autoridades da área na primeira edição do Fórum Nacional do Leite. Organizada pela Associação Brasileira de Produtores de Leite (Abraleite) em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e com apoio do Banco do Brasil, o evento termina nesta quarta-feira (13).

A abertura do encontro teve a presença dos ministros da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Marcos Montes; e do Meio Ambiente, Joaquim Leite; e do presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Carlos Melles.

Montes destacou os números do setor leiteiro, dizendo que o setor tem grande importância econômica e social para o Brasil. De acordo com o ministro, atualmente, o Brasil é o terceiro produtor mundial de leite, com mais de 35 bilhões de litros por ano. O setor emprega cerca de 4 milhões de pessoas em 98% das cidades brasileiras, disse o ministro.

Além dos debates, o evento tem exposições de produtores de leite e de queijos artesanais. O presidente do Sebrae enfatizou a evolução do Brasil na produção de queijo. O país é o quinto produtor mundial e tem cinco indicações geográficas registradas no Instituto Nacional de Propriedade Industrial: queijo canastra (MG), queijo de Campos de Cima da Serra (SC e RS), queijo da Colônia Witmarsum (PR), queijo de Marajó (PA) e queijo do Serro (MG).

Queijo artesanal, queijo Canastra Queijo artesanal, queijo Canastra

O Brasil é o quinto produtor mundial de queijos artesanais, como o da Canastra – Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Leia Também:  Deputado debate divisão territorial em Nova Ubiratã

“Noventa por cento dos produtores de leite têm até 100 animais em suas fazendas. Nossos queijos artesanais são uma marca registrada brasileira, como o queijo da Canastra, reconhecido como um dos melhores do mundo em diversas premiações”, declarou.

O 1º Fórum Nacional do Leite ocorre na sede do Sebrae Nacional, em Brasília.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Dólar tem leve queda e fecha a R$ 5,16

Publicados

em

Um dia após a maior queda desde 2018, o dólar encerrou a terça-feira (4) praticamente estável. A bolsa de valores iniciou o dia em alta, mas desacelerou e fechou com leve alta.

O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,168, com queda de 0,11%. A cotação começou em baixa, chegando a R$ 5,11 por volta das 9h15, pouco depois da abertura da sessão. No início da tarde, teve forte alta, chegando a R$ 5,20, mas perdeu força nos momentos finais de negociação até encerrar estável.

As pressões pela alta da moeda norte-americana estão relacionadas a um ajuste técnico, porque investidores aproveitaram a forte baixa de ontem para comprar divisas por um preço menor. No entanto, a divulgação de dados econômicos fracos nos Estados Unidos trouxe otimismo ao mercado financeiro, empurrando o dólar para baixo ao longo da tarde.

O mercado de ações também teve um dia volátil. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 116.230 pontos, com alta de apenas 0,08%. O indicador chegou a subir 1,81% por volta das 10h, mas desacelerou em um movimento de realização de lucros, com investidores aproveitando os ganhos de ontem para vender papéis e embolsar os ganhos.

Leia Também:  Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe: 3ª fase começa segunda

Ontem (3), a bolsa subiu 5,54% e teve a maior alta diária desde abril de 2020, influenciada pelo resultado do primeiro turno das eleições. Ações de empresas estatais, que foram as que mais se valorizaram ontem, tiveram queda hoje, puxando o Ibovespa para baixo.

Nos Estados Unidos, a divulgação de que a criação de empregos teve a maior queda mensal em dois anos e meio trouxe alívio aos investidores. A desaceleração do mercado de trabalho reduz as pressões para que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) aumente os juros além do previsto, o que estimula as bolsas norte-americanas.

O índice Dow Jones, das empresas industriais, subiu 2,8%. O Nasdaq, das empresas tecnológicas, ganhou 3,34%. O S&P 500, das maiores empresas, avançou 3,06%. As altas registradas nos últimos dois dias ajudam a repor as perdas das bolsas norte-americanas nas últimas semanas.

*Com informações da Reuters

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA