VÁRZEA GRANDE

Economia

Dólar sobe para R$ 5,14 em dia de feriado nos Estados Unidos

Publicado em

Economia

Em dia de feriado nos Estados Unidos, o mercado financeiro teve um dia tenso, afetado por notícias no mercado interno. O dólar subiu quase 1%, e a bolsa caiu para abaixo dos 110 mil pontos, impactada tanto por notícias da política econômica em Brasília como pelo escândalo contábil nas Lojas Americanas.

O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (16) vendido a R$ 5,149, com alta de R$ 0,042 (+0,83%). A cotação começou o dia operando próxima da estabilidade, mas acelerou a partir das 15h. Na máxima do dia, por volta das 16h10, chegou a R$ 5,16.

Mesmo com a valorização de hoje, a moeda norte-americana cai em 2023. Nos 16 primeiros dias de janeiro, a divisa acumula queda de 2,48%.

No mercado de ações, o dia foi marcado pelo pessimismo. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 109.213 pontos, com recuo de 1,54%. O indicador operou em baixa durante toda a sessão, acelerando a queda perto do fim do dia.

Sem o referencial do mercado norte-americano, que não abriu hoje, os investidores brasileiros foram impactados por duas notícias. A primeira foi a confirmação de que o governo não pretende reverter a desoneração de 35% para o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Hoje de manhã, o vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, afirmou, em evento com empresários, que o governo pretende extinguir o tributo na reforma tributária que será retomada ainda neste semestre.

Leia Também:  Dólar fica praticamente estável e fecha vendido a R$ 5,41

Mais tarde, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que está em viagem a Davos (Suíça), disse que o governo não incluiu a reoneração do IPI no pacote anunciado na semana passada para sinalizar a intenção de avançar com a reforma tributária neste ano.

A medida desagradou ao mercado financeiro porque o fim das desonerações do IPI teria o potencial de reforçar a arrecadação em cerca de R$ 100 bilhões neste ano. O montante compensaria eventuais frustrações, como a não aprovação pelo Congresso, de parte das medidas anunciadas na semana passada.

Na bolsa de valores, a crise nas Lojas Americanas voltou a interferir no mercado de ações. Após subirem cerca de 20% na sexta-feira (13), os papéis da companhia desabaram hoje, caindo 38,41%, após a divulgação de que a dívida da varejista com bancos está em torno de R$ 40 bilhões, o dobro do inicialmente anunciado. A Justiça do Rio de Janeiro concedeu uma liminar que protege a empresa da cobrança de dívidas por 30 dias, mas o banco de investimentos BTG recorreu da decisão.

Leia Também:  Procon-MT orienta consumidores sobre compras para ceias de Natal e Ano Novo

*Com notícias da Reuters

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Usuários podem utilizar nome social para acessar serviços do BC

Publicados

em

O cidadão que precisar pedir informações ao Banco Central (BC) ou registrar reclamações sobre bancos pode usar o nome social. Desde a última segunda-feira (23), o órgão oferece a opção ao serviço Fale Conosco. A única exigência é que o nome social esteja incluído na base de dados da Receita Federal.

A opção pelo nome social existe desde outubro para o Registrato, serviço que fornece o histórico do cidadão com instituições financeiras. O canal de atendimento telefônico do BC também está adaptado, com o atendente perguntando ao cidadão se prefere ser tratado pelo nome social ou civil.

Segundo o Departamento de Atendimento Institucional do BC, o uso do nome social é possível porque o órgão tem convênio com a Receita Federal para acessar a base de dados do Fisco e comprovar a identidade do usuário. Ao informar o Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou logar com o CPF na conta Gov.br, o BC cruza os dados. Em caso de contato telefônico, o sistema avisa ao atendente a existência do nome social. Se o registro for pela internet, a forma de tratamento aparece na tela.

Leia Também:  Usuários de Pix podem integrar lista de contato de celulares

Além da forma de dirigir-se ao cidadão, o sistema permite que o BC inclua o nome social em documentos oficiais, como os relatórios emitidos pelo Registrato. Nesse caso, o nome social do usuário aparecerá em destaque, acompanhado do seu nome civil.

De acordo com o BC, o reconhecimento do nome social na administração federal é exigido pelo Decreto 8.727, editado em abril de 2016. No entanto, os órgãos públicos ainda estão se adaptando.

No Registrato, a opção de uso do nome social está disponível desde 1º de outubro do ano passado. O BC esclarece que a possibilidade ainda não é oferecida em demandas de ouvidoria ou de pedidos relacionados à Lei de Acesso à Informação porque esses serviços dependem da plataforma Fala.BR, desenvolvida pela Controladoria-Geral da União (CGU), que ainda não permite a inclusão do nome social pelos requerentes.

Edição: Juliana Andrade

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA