VÁRZEA GRANDE

Economia

Dólar cai para R$ 5,51 e acumula queda de 2,1% na semana

Publicado em

Economia


O dólar caiu pelo quarto dia seguido em meio a um movimento de ajuste global da moeda. A bolsa de valores resistiu à volatilidade no exterior e voltou a subir, tendo o melhor desempenho semanal desde março de 2021.

O dólar comercial fechou esta sexta-feira (14) vendido a R$ 5,513, com recuo de 0,29%. A cotação operou em alta na maior parte do dia, chegando a R$ 5,55 por volta das 11h30, mas inverteu o movimento e recuou perto do fim das negociações.

A divisa fechou a semana com queda de 2,12%. Em 2022, o recuo acumulado chega a 1,09%.

No mercado de ações, o dia também foi marcado pela trégua. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 106.928 pontos, com alta de 1,33%. O indicador chegou a operar em baixa durante a manhã, mas passou a subir até encerrar no melhor nível desde 17 de dezembro.

A bolsa resistiu à instabilidade nos mercados norte-americanos, onde as ações de empresas do setor financeiro caíram por causa da queda no lucro em alguns bancos que estão divulgando balanços. No Brasil, porém, prevaleceu a avaliação de que as ações no Ibovespa ficaram baratas demais após as recentes quedas, o que estimulou a compra de papéis por investidores.

Leia Também:  Inflação do aluguel acumula 33,83% em 12 meses

Quanto ao dólar, o mercado financeiro global passou a considerar que a expectativa de aumento dos juros pelo Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano), ainda neste semestre está precificada (incorporada) às previsões, retirando a pressão de alta da divisa. Essa tendência confirmou-se após a divulgação dos índices de inflação ao consumidor e ao produtor nos Estados Unidos em dezembro, que ficaram dentro das expectativas.

*Com informações da Reuters

Edição: Nádia Franco

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Plano de recuperação do RJ poderá passar por ajustes, diz governador

Publicados

em


O Plano de Recuperação Fiscal do Rio de Janeiro poderá passar por ajustes antes de ser reapresentado ao Ministério da Economia, disse hoje (19) o governador fluminense, Cláudio Castro. Ele reuniu-se no fim da tarde com o ministro Paulo Guedes e pediu 15 dias para a apresentação de uma nova versão do texto.

“Começamos a discutir o que tinha sido colocado nos pareceres [do Tesouro Nacional] e se observou uma grande boa vontade dos dois lados. O estado [do Rio de Janeiro] aprofundou os pontos que o ministério considerava não claros ou errados e eles aprofundaram os pontos que acharam que o estado descumpriu. Os dois lados perceberam que dá para avançar antes de uma decisão final sobre o novo RRF [Regime de Recuperação Fiscal]”, disse o governador, após cerca de duas horas de reunião.

O governador informou ter pedido mais tempo para a troca de informações entre as equipes técnicas do estado do Rio de Janeiro e do Tesouro Nacional, antes que uma nova reunião possa ser realizada daqui a duas semanas. Segundo Castro, existem sete pontos de debate na proposta.

“Temos questões de legislação, de entendimento do que é o plano, de entendimento sobre a economia do Rio de Janeiro em si. São cerca de sete pontos sobre os quais as equipes buscarão convergência”, detalhou Castro. Em nota, o Ministério da Economia informou apenas que os dois lados trabalham para a resolução de pontos pendentes e combinaram uma nova reunião dentro de 15 dias.

Leia Também:  SP: Sete em cada dez lojistas preveem queda nas vendas do Dia das Mães

Rejeição

Rejeitado pelo Tesouro Nacional e pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, o plano original para a manutenção do Rio de Janeiro no RRF foi classificado como precário pela equipe econômica. O governador não descartou que a proposta possa sofrer ajustes, mas disse que o Rio de Janeiro não está fora do RRF e que o Tesouro se baseou em premissas “equivocadas”.

“Vamos chegar a um denominador comum. Antes de falarmos de uma revisão do plano, vamos esclarecer os pontos. Não descarto alterações, mas primeiro vamos defender o que fizemos. Esse processo de diálogo e ajustes é totalmente razoável”, concluiu Castro. Segundo ele, a discussão está na fase de apresentação de pareceres.

Na semana passada, o Tesouro apresentou parecer contrário à manutenção do Rio de Janeiro no RRF. Para o órgão, o plano de ajuste fiscal tem inconsistências, como a falta de margem de segurança para absorver quedas no crescimento econômico, alta dependência de royalties do petróleo e aumentos nominais para o funcionalismo local. Segundo o Tesouro, com o plano atual, os gastos correntes do estado subirão 45,2% até 2030, enquanto as receitas aumentarão 36,9%.

Leia Também:  Covid-19: análise semanal mostra queda de mortes e de diagnósticos

Histórico

Desde 2017, o estado do Rio de Janeiro está no Regime de Recuperação Fiscal, que prevê a suspensão do pagamento das parcelas da dívida do estado com a União em troca de medidas de ajuste fiscal, como corte de gastos, congelamento de salários de servidores e privatizações locais. Apenas nos três primeiros anos de vigência, o estado deixou de pagar R$ 92 bilhões à União.

Em 2020 e 2021, o Congresso aprovou alterações na lei do RRF, aumentando de seis para dez anos a duração do regime especial, com um ano de prazo para a apresentação de um novo plano de ajuste. Condições para a adesão ao RRF foram abrandadas. As emendas de relator foram retiradas do teto estadual de gastos e foi derrubada a exigência de que as estatais locais sejam totalmente privatizadas, com os governos locais mantendo ações das empresas.

Com as mudanças, o Rio de Janeiro apresentou um novo Plano de Recuperação Fiscal para alongar a dívida por mais tempo e fazer ajustes com regras mais brandas que no plano original. O novo plano permitiria a reprogramação de mais R$ 52,5 bilhões da dívida com a União até 2030, além dos R$ 92 bilhões suspensos atualmente.

Edição: Fábio Massalli

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA