VÁRZEA GRANDE

Economia

Brasil tem recados político, econômico e ambiental, diz Haddad

Publicado em

Economia

Ao chegar hoje (16) a Davos, na Suíça, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que leva três recados à comunidade internacional – político, econômico e ambiental –, que são: respeito à democracia, sustentabilidade fiscal com justiça social e reindustrialização com sustentabilidade ambiental.

“Recado político é a questão democrática, o compromisso do Brasil de dar suporte para essas jornadas democráticas que o mundo está vivendo, sobretudo na América do Sul, e reforçando o compromisso do Brasil com o combate a todos os tipos de extremismos”, disse Haddad ao chegar ao hotel em que se hospedará em Davos, cidade suíça que sedia o Fórum Econômico Mundial.

Em seguida, ao comentar sobre o recado econômico, Haddad afirmou que “o modelo de economia que defendemos” inclui a responsabilidade fiscal e social, indissociáveis. No caso da agenda ambiental, Haddad destacou ter viajado junto com Marina Silva, ministra do Meio Ambiente, e que o objetivo é ir além da retomada do compromisso com a redução do desmatamento e o investimento em energias renováveis.

“Também na pauta do desenvolvimento, nós podemos pensar na reindustrialização do Brasil com base na sustentabilidade ambiental”, disse o ministro. Ele também frisou o impacto simbólico dos atos de vandalismo ocorridos em Brasília no 8 de janeiro, quando as sedes do Executivo, Legislativo e Judiciário ficaram destruídas. Para Haddad, a rapidez na resposta aos acontecimentos deu credibilidade ao país.

Leia Também:  Guedes diz que enviará proposta da reforma tributária em duas semanas

“A minha impressão é que as instituições brasileiras deram uma resposta muito imediata, o fato de que no dia seguinte já havia uma intervenção na segurança do Distrito Federal, com o afastamento do governador, a visita em seguida dos 27 governadores a Brasília” avaliou o ministro. “Uma resposta muito rápida, em 24 horas estava tudo sob controle”.

Ele acrescentou que a reação das instituições foram “uma demonstração clara de que o Brasil tem compromisso com o resultado eleitoral, com as regras democráticas, com as liberdades individuais, respeitadas as garantias constitucionais”.

O ministro chegou a Davos um dia depois de Marina Silva, que embarcou no sábado (14). Ambos têm uma agenda intensa durante o Fórum Econômico Mundial, evento que reúne chefes de Estado, ministros e a comunidade de negócios nos países mais ricos do mundo. Eles participam de dois painéis principais e têm mais de 50 convites de encontros bilaterais com lideranças políticas e financeiras. Um encontro com a mídia internacional está marcado para a próxima quarta-feira (18).

Leia Também:  Covid-19: Brasil bate recorde com 4.249 mortes registradas em 24 horas

Neste ano, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi convidado para ocupar o palco principal do evento, mas declinou. Conforme já adiantado pelo Itamaraty, a primeira viagem internacional do mandatário será para a Argentina, onde pretende lançar sua própria mensagem simbólica de valorização da integração latino-americana.

Confira aqui a programação completa do Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Usuários podem utilizar nome social para acessar serviços do BC

Publicados

em

O cidadão que precisar pedir informações ao Banco Central (BC) ou registrar reclamações sobre bancos pode usar o nome social. Desde a última segunda-feira (23), o órgão oferece a opção ao serviço Fale Conosco. A única exigência é que o nome social esteja incluído na base de dados da Receita Federal.

A opção pelo nome social existe desde outubro para o Registrato, serviço que fornece o histórico do cidadão com instituições financeiras. O canal de atendimento telefônico do BC também está adaptado, com o atendente perguntando ao cidadão se prefere ser tratado pelo nome social ou civil.

Segundo o Departamento de Atendimento Institucional do BC, o uso do nome social é possível porque o órgão tem convênio com a Receita Federal para acessar a base de dados do Fisco e comprovar a identidade do usuário. Ao informar o Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou logar com o CPF na conta Gov.br, o BC cruza os dados. Em caso de contato telefônico, o sistema avisa ao atendente a existência do nome social. Se o registro for pela internet, a forma de tratamento aparece na tela.

Leia Também:  Governo abre nesta quarta programa de demissão voluntária de servidores

Além da forma de dirigir-se ao cidadão, o sistema permite que o BC inclua o nome social em documentos oficiais, como os relatórios emitidos pelo Registrato. Nesse caso, o nome social do usuário aparecerá em destaque, acompanhado do seu nome civil.

De acordo com o BC, o reconhecimento do nome social na administração federal é exigido pelo Decreto 8.727, editado em abril de 2016. No entanto, os órgãos públicos ainda estão se adaptando.

No Registrato, a opção de uso do nome social está disponível desde 1º de outubro do ano passado. O BC esclarece que a possibilidade ainda não é oferecida em demandas de ouvidoria ou de pedidos relacionados à Lei de Acesso à Informação porque esses serviços dependem da plataforma Fala.BR, desenvolvida pela Controladoria-Geral da União (CGU), que ainda não permite a inclusão do nome social pelos requerentes.

Edição: Juliana Andrade

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA