VÁRZEA GRANDE

DESTAQUE (3)

Roberto de Andrade: ‘Erramos ao negociar o nome da Arena Corinthians’

Publicado em

DESTAQUE (3)

Presidente fala do estádio, elenco, Carille, futuro no clube, Drogba, entre outros assuntos

Da Redação

 

Para ganhar tempo, Roberto de Andrade transformou a sua sala na concessionária em que é dono, localizada perto do Parque São Jorge, zona leste de São Paulo, como mais um território corintiano. De lá, entre um despacho e outro de algo ligado ao clube ou venda de carros, o presidente do Corinthians atendeu ao Estado e falou de vários assuntos (em alguns momentos até de forma mais enérgica). Arena e seu naming rights, Lava Jato, elenco, Fábio Carille, eleições do clube, dentre outros pontos.

Há sete meses, acreditava que o Corinthians viveria essa fase tão boa?

Nós sabíamos que teríamos um ano melhor do que foi 2016, mas seria mentira falar que sabíamos que seríamos campeões paulistas e que iríamos liderar o Brasileiro dessa forma. É uma grata surpresa.

A maior dessas surpresas chama-se Fábio Carille?

Ele faz parte do conjunto. Não tinha dúvida da competência dele, pois ele está conosco há 10 anos e sempre teve papel fundamental. Antes que me pergunte, ‘porque não efetivou o Carille antes?’ Simples, porque ele não se sentia pronto para o cargo. A cobrança no Corinthians é grande, mas no fim do ano a gente conversou e ele demonstrou estar pronto.

Ano passado, o Corinthians teve a maior arrecadação de sua história. Porque a situação financeira continua tão ruim?

Tivemos recorde de receita porque vendemos muitos jogadores. Caso contrário, seria igual outros anos. Não somos diferentes de ninguém e a situação está complicada para todo mundo.

Clubes e empresários têm reclamado que o Corinthians não os paga como combinado. Como lidar com isso?

Tivemos atraso de salário por seis dias e não atrasamos direitos de imagem em nenhum dia, porque acabamos com isso no Corinthians. Jogadores recebem CLT. Sim, de fato, existem atrasos no pagamento de luvas e comissão para os que chegaram agora, como o Gabriel. Mas estamos conversando e negociando as dívidas. Não queremos que isso aconteça, mas temos que saber lidar com esse problema.

Dá para garantir que o elenco permanece até o fim da temporada?

Temos a ideia de fazer isso, mas tem multas e detalhes que podem surgir e não ter como segurar o jogador. Nossa vontade é de permanecer com todo mundo.

Pela dificuldade financeira, não seria uma boa vender alguém?

Não. Pela condição financeira, não. Só vai sair alguém se for algo muito bom.

Como andam as conversas para patrocínio master. Não seria melhor tentar renovar com a Caixa por mais um tempo?

Existem negócios caminhando, mas não depende só da gente. A Caixa não quis prorrogar e ofereceu um valor e tempo de contrato menor do que queríamos. Vida que segue. Espero que até o fim do ano tenhamos novidades. Tudo é possível.

Recentemente, você falou que o patrocínio da Crefisa ao Palmeiras é um ponto fora da curva no futebol. Acredita que essa parceria possa ajudar ou atrapalhar?

Leia Também:  Jemerson e Jonathan Cafú são apresentados no Corinthians

Nem uma coisa e nem outra. Se o negócio é bom para a Crefisa e para o Palmeiras, vai atrapalhar em quê? Cada um sabe o que faz. Se está bom para ambos, tudo bem. Só acho que o acordo como o da Crefisa é muito difícil de conseguir.

A Arena Corinthians chegou a ser citada na Lava Jato. Isso pode atrapalhar nos negócios da arena?

Primeiro que ela não foi citada em Lava Jato coisa nenhuma. Não sei de onde você tirou isso.

Presidente, dentre tantas informações e delações, o ex-prefeito Fernando Haddad disse que recebeu uma denúncia de suposto pedido de propina para que o promotor Marcelo Milani não entrasse na Justiça contra uma lei que permitia à Prefeitura emitir CIDs (Certificado de Incentivo de Desenvolvimento)…

A Arena não teve nada disso. O negócio foi com a construtora (Odebrecht) que fez a arena, não com a arena.

Mas a CIDs…

Isso não tem nada a ver com a Arena. Vocês querem colocar a arena no meio da Lava-Jato de qualquer maneira e ela não está.

CIDs que foram fundamentais para a construção do estádio…

Problema do ex-prefeito. Ele que tem que falar porque o promotor queria dinheiro para liberar o CIDs. Não tem nada a ver com a gente. O CID é nosso, um ativo do clube. Não tem nada de Lava Jato no Corinthians. Pergunte esse assunto para o prefeito. O (Gilberto) Kassab (ex-prefeito) foi quem deu o CID e a lei não foi feita para o Corinthians. É uma lei de desenvolvimento para a Zona Leste.

Tudo isso não afeta a imagem da arena?

Não enxergo assim. Não temos naming rights porque ninguém se colocou a disposição para pagar. Você sabe o motivo? Me fala, pois eu não sei. Até onde sei, as empresas que não quiseram. Pensa que é fácil vender o nome de um estádio em um país que arena é um produto novo? Estamos falando de cifras altas e vivendo a maior crise da história do País, concorda comigo? Isso atinge todo o Brasil. São 12 milhões de desempregados. Como você quer que a empresa faça um investimento desse tamanho?

A arena do Palmeiras também era um negócio novo e conseguiram fechar com o Allianz…

Era um outro momento. Não foi hoje, foi em outro momento. Hoje, não conseguiria vender.

Mas a Arena Corinthians existe desde 2014 e começou a ser construída em 2011. Também não é de hoje…

Nós deixamos para ir atrás disso (naming rights) quando a arena estava praticamente pronta. Erramos, podemos dizer assim, em esperar a arena ficar pronta. Pegamos um outro momento do País.

Então admite que foi um erro a forma com que conduziram o naming rights?

Não chamo de erro. Nós não temos bola de cristal. O Brasil naquela época estava muito bem, tudo crescendo e indo maravilhosamente bem. Não esperávamos que fosse acontecer tudo isso.

Leia Também:  Toyota do Brasil lança novo Corolla Cross

Se for comprovado que a Odebrecht prejudicou o Corinthians, o clube vai processar a construtora?

Isso é uma coisa que o jurídico vai resolver. Ainda temos que esperar o relatório e as auditorias para ver. Vamos nos reunir e ver que atitude tomar. A gente sabe que faltam alguns itens na obra, mas ainda não sabemos mensurar se falta R$ 1, R$ 2 ou R$ 100.

A construção da arena foi um bom negócio?

Agora está feito. Não adianta falar se está errado ou certo. É um dos estádios mais bonitos do mundo e vamos pagar. Com dificuldades, mas vamos pagar. Infelizmente, é assim que as coisas acontecem. Tudo poderia ser diferente, mas a forma de pagar é essa e temos que nos enquadrar nisso. Não tem outra opção. Falando hoje é fácil. Naquele momento, era a forma que tinha de pagar.

O Corinthians tem uma negociação para refinanciamento da dívida e já alguns meses têm se falado que está próximo do acerto. O que aconteceu?

Está na mão da Caixa. O que dependia da gente, já foi feito. Agora estamos aguardando uma definição da Caixa, pois a palavra final é deles. Saindo o refinanciamento será algo benéfico, pois ficará mais de acordo com as necessidades que temos neste momento.

Se arrepende da forma como foi a negociação com o Drogba?

Não teve negociação alguma. Virou novela porque vocês fazem um inferno de algo comum. É normal o dirigente conversar com jogador. Tudo isso só porque foi o Drogba. Ele é só um jogador estrangeiro, nada mais que isso. Tem nome, mas sabe com quantos outros a gente conversou? Não vejo essa depreciação toda que vocês deram ao caso.

Ano que vem tem que eleição no Corinthians. Vai apoiar alguém e teme que o clima eleitoreiro atrapalhe o time?

Irei apoiar o candidato do nosso grupo ‘Renovação e Transparência’. Ainda não temos nome definido. E não acredito que teremos interferência da eleição no time.

Caso sua chapa seja a vencedora, pretende continuar participando da diretoria?

Eu quero descansar um pouco. Claro que se alguém precisar, pode contar comigo, mas ter o dia a dia do clube, do futebol, eu não quero. Preciso descansar um pouco e deixar quem chegar, trabalhar em paz.

Em novembro do ano passado, você teve um problema no coração. Como está a saúde agora?

Está tudo bem, tudo calmo. O que me chateia é a situação econômica. A gente tenta fazer as coisas e não consegue. Eu gosto das coisas certas e sou um cara muito dedicado. Gosto de fazer as coisas perfeitas e tudo dentro dos conformes, mas tem vezes que não temos condições de fazer isso. É bem complicado.

 

 

 

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

DESTAQUE (3)

Prefeitura de VG fornece transporte gratuito a pequenos produtores rurais

Somente nestas duas primeiras semanas do ano, já foram transportadas três cargas de mudas de capiaçu para comunidades Sadia 1 e Umuarama, além de outros insumos

Publicados

em

SECOM VG

A Prefeitura de Várzea Grande, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável (SEMMADRS), realizou o transporte gratuito de uma carga de capiaçu (capim) no assentamento Nossa Senhora Aparecida 1 (Sadia 1), o que vai beneficiar 11 famílias que vivem da agricultura. Esta é a segunda entrega de mudas de capim na comunidade rural. A primeira ocorreu na semana passada, beneficiando cinco pequenos produtores.

As remessas de capiaçu foram doadas por um pequeno produtor do assentamento São Miguel (Sadia 3). Os produtores se uniram para pagar uma pessoa para fazer o corte da gramínea. Já o transporte foi feito de forma totalmente gratuita pela SEMMADRS, que dispõe de dois caminhões-caçamba (com capacidade de 15 toneladas cada) para atender às demandas do campo. Se fossem pagar o frete entre as duas comunidades, os agricultores teriam que desembolsar em torno de R$ 1,2 mil.

Os caminhões foram doados pela Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SEAF) para o Município, no dia 11 de novembro de 2022. Em menos de dois meses, os veículos já haviam transportado 56 toneladas de insumos. Em menos de duas semanas de 2023, foram realizados os transportes de três cargas de capiaçu para as comunidades do Sadia 1 e Umuarama; uma carga de areia para reforma de baia de suínos, no Umuarama; uma carga de terra preta para a implantação de uma horta comunitária no Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) do bairro Santa Maria, além de atender outros setores da SEMMADRS, como o viveiro municipal.

O secretário municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável, Célio dos Santos, comemora a produtividade. “Em Várzea Grande, vivemos um momento muito propício para a agricultura familiar, em que os pequenos produtores estão empenhados em desenvolver suas atividades, nossas equipes, sob determinação do prefeito Kalil Baracat têm elaborado projetos que atendem às demandas e, além disso, contamos com várias parcerias que favorecem produção agrária no nosso município. Estamos muito felizes com os resultados obtidos e vamos continuar trabalhando para melhorar ainda mais”, assevera.

Leia Também:  Luccas Claro comenta expectativa de completar 50 jogos pelo Fluminense

Aproveitamento do suporte

Dentre os pequenos agricultores da comunidade Sadia 1, alguns já criam gado e outros querem começar a trabalhar com a bovinocultura, a fim de diversificar a produção. Vera Lúcia Pereira Reis é dona de uma propriedade onde, junto com o esposo, cria 24 cabeças de gado, galinhas caipiras e peixes. Ela já conta com 12 hectares de pasto, composto por braquiara e andropogon. Agora, já preparou o solo de mais um hectare para receber as mudas de capiaçu. “Vai ajudar no período de seca porque geralmente o pasto fica mais escasso e temos que gastar com ração, servir casca de mandioca para o gado”, afirma.

Já o agricultor José Domingos vive com a esposa em uma propriedade de 10 hectares, onde cria porcos, galinha caipira e trabalha com olericultura. Agora, pretende começar a criar gado e, por isso, aproveitou a doação e transporte gratuito de capim para iniciar o pasto. “Vou aproveitar a época de chuva para plantar capim. O pasto nosso vai dar uns 5 hectares. Um macinho desse pra mim começar já está bom porque depois dá para tirar mais ramos dele mesmo”, afirma.

A respeito do apoio ofertado pela Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável (SEMMADRS), ele elogia, destacando que além do transporte de capim, já recebeu calcário e sua esposa participou de cursos. “É ótimo porque eu tenho plantação de mandioca, milho e a terra melhorou muito desde o calcário que nós ganhamos ano passado da Prefeitura. Temos vários apoios com orientações. Minha esposa já fez vários cursos. Tudo o que vem, a gente quer”.

A presidente da Associação de Produtores do Assentamento Nossa Senhora Aparecida 1, Lucineia Ferreira da Silva, destaca a relevância do trabalho da Prefeitura no fomento aos pequenos produtores rurais. “É muito importante para os agricultores da nossa comunidade estar ganhando essas mudas de capiaçu porque aqui para nós é tudo mais difícil, mas, com a equipe dando todo esse suporte fica mais fácil. Nessa época da chuva, precisamos de mudas e os agricultores estão muito empenhados em criar gado para produzir leite, fazer doces. Com a ajuda da Secretaria aqui conosco, dando esse apoio, o desenvolvimento da nossa comunidade é melhor. Estamos muito animados com essa parceria!”, comenta.

Leia Também:  Estado pode fechar contrato de “naming rights” de R$ 8 milhões para Arena Pantanal

Compromisso com resultados

Além de fazer o transporte das mudas de capim de forma gratuita, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável (SEMMADRS) também fornece apoio no preparo do solo, por meio de tratores e grades aradoras com operador de máquinas e doação de calcário, além da assistência técnica fornecida por agrônomos e técnicos agrícolas.

“Vamos dar toda a orientação no plantio dessas mudas e acompanhar também o seu desenvolvimento futuramente, ver as falhas, ver as condições do solo. A comunidade Sadia 1 conta com um trator de 50 cavalos da Prefeitura para suporte no gradeamento do solo. Nosso objetivo é fazer com que de fato esses pequenos produtores tenham um resultado satisfatório com esse trabalho”, diz o coordenador de Desenvolvimento Rural Sustentável do Município, Jhonattan Ferreira.

Capiaçu

De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o BRS Capiaçu é um clone de capim-elefante (Pennisetum purpureum Schum) de alto rendimento para suplementação volumosa na forma de silagem ou picado verde. Devido ao seu elevado potencial de produção (50t/ha/ano), também pode ser utilizada para a produção de biomassa energética. Tem porte alto (até 4,20 metros de altura), se destacando pela produtividade e pelo valor nutritivo da forragem quando comparada com outras cultivares de capim-elefante. A BRS Capiaçu apresenta maior produção de matéria seca a um menor custo em relação ao milho e a cana-de-açúcar. A silagem deste capim constitui uma alternativa mais barata para suplementação do pasto no período da seca.

Fonte: SECOM VG

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA