VÁRZEA GRANDE

DESTAQUE (3)

Dólar cai quase 4% e bolsa opera no azul após dia de pânico

Publicado em

DESTAQUE (3)

Cotação da moeda americana chega a 3,2575 reais, menor valor do dia, após maior disparada em 18 anos na última quinta-feira

Da Redação

 

O dólar atingiu sua maior desvalorização do dia (3,9%), sendo cotado a 3,2575 reais na venda por volta das 15h20 desta sexta feira. O recuo acontece após o preço da moeda americana disparar na última quinta feira, a maior alta em 18 anos, por causa do pânico que tomou conta dos mercados financeiros brasileiros diante da repercussão negativa às denúncias envolvendo o presidente Michel Temer. Na ocasião, o dólar saltou de 3,1337 reais a 3,3890 reais, um avanço de 8,15%.

Já o Ibovespa, principal índice acionário brasileiro, operava em alta de 1,68%, aos 62.630 pontos por volta das 15h30, depois de desabar 8,8% no dia anterior. Por volta do meio dia, o índice chegou a registrar uma alta de 3%.

A queda de quinta feira no preço das ações que compões o índice foi tão forte que a B3 (antiga BM&FBovespa) suspendeu as  operações por 30 minutos. O processo conhecido como circuit breaker, usado para acalmar agentes do mercado em momento de pânico, não era acionado desde outubro de 2008.

Leia Também:  Policias Civil e Militar cumprem mandados de prisão na Guia

Os temores no mercado surgiram após notícias na quarta-feira de que um dos donos da JBS, Joesley Batista, gravou áudio com o presidente Michel Temer, que teria avalizado a compra de silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) . Na conversa, o empresário confessou ter pago propina a um procurador da República para ter acesso antecipado a investigações que o envolvia, reclamou de nomeações para cargos importantes no governo, defendeu uma queda mais acentuada da taxa Selic e disse que “zerou” as pendências com Cunha.

 

 

 

 

Fonte:Reuters

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

DESTAQUE (3)

População deve regularizar dados do CPF antes de solicitar a Carteira de Identidade Nacional

O número do Registro Geral foi substituído pelo número do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), tornando-se o principal dado do documento.

Publicados

em

Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

Com a implantação da Carteira de Identidade Nacional (CIN), o número do Registro Geral foi substituído pelo número do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), tornando-se o principal dado do documento. Por esta razão, a população deve se atentar para a consulta da situação cadastral e conferência dos dados perante à Receita Federal antes de solicitar o documento.

Apesar da mudança de modelo da carteira de identidade, a atualização somente passará a ser obrigatória apenas em 2032. Desta forma, quem ainda tem o documento de identificação dentro do prazo de validade (10 anos), não precisará fazer a atualização de forma imediata.

A consulta da situação do CPF é simples, e pode ser feita através do site da instituição, na aba “meu CPF’’, onde deve ser informado o número do cadastro e a data de nascimento. Durante a consulta é preciso verificar se os dados cadastrais correspondem às informações da certidão de nascimento ou casamento, como nome e sobrenome e data de nascimento.

Caso o sistema constar alguma irregularidade, divergência ou suspensão, a pessoa não poderá concluir a solicitação da CIN no primeiro atendimento. “A primeira etapa da solicitação da CIN no sistema de identificação civil é o preenchimento do número do CPF. Caso o número esteja regular, nós conseguimos avançar para as próximas etapas. Antigamente, os nomes poderiam estar com alguma divergência no cadastro da Receita Federal que não interferiam na solicitação do RG, porém agora com o novo modelo de identidade, o sistema não aceita as informações divergentes entre as bases de dados tanto do CPF quanto das certidões’’, explicou o Gerente de Identificação Civil da Politec Elthon Teixeira.

Leia Também:  Salles cobrará de países ricos compensação por preservação ambiental

A Delegada Adjunta da Receita Federal, Simone Chiosini Sanches, orienta que caso o CPF não esteja regular, ou os dados divergentes, a pessoa precisa buscar a regularização junto à Receita Federal. “É importante as pessoas se anteciparem, pois ela não sabe como está a situação cadastral, e procura diretamente o posto de identificação e o processo da emissão da CIN pode ser demorado”, destacou.

A regularização das informações cadastrais é feita gratuitamente, de forma presencial, nos postos de atendimento da Receita Federal, ou através do site da instituição, clicando em “Meu CPF”, acessar o serviço “atualizar CPF” e expandir o item “etapas para realização do serviço’’. Em seguida, para alterar os dados cadastrais do CPF com situação regular, clique em “alterar CPF”. Ou, para o CPF com situação suspensa, clique em “Regularizar CPF”.

Na maioria das vezes a atualização do CPF pelo site corrige as informações na hora, mas, se ao final do procedimento for gerado um protocolo de atendimento, é preciso enviar os seguintes documentos à Receita Federal para finalizar o serviço, como: foto de rosto (selfie) segurando o próprio documento de identidade, certidão de nascimento ou casamento, título eleitoral ou comprovante de alistamento eleitoral e comprovante de endereço. O e-mail para atualização do CPF deve ser enviado par o endereço [email protected]

Leia Também:  Policias Civil e Militar cumprem mandados de prisão na Guia

Informações sobre a obtenção só CPF e as unidades de atendimento podem ser consultados no site da Receita Federal.

Fonte: SECOM MT

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA