VÁRZEA GRANDE

DESTAQUE

VÁRZEA GRANDE REFORÇA AÇÃO EM OBRAS NO GRANDE CRISTO REI

Publicado em

DESTAQUE

VISANDO MELHORAR A QUALIDADE DE VIDA, A ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL REALIZA TRABALHOS VOLTADOS PARA ATENDER A POPULAÇÃO LOCAL

 

 

Da Redação

 

Atender a demanda da população assegurando serviços público e a presença da administração municipal, tem levado a Prefeitura de Várzea Grande a reforçar sua atuação. 

A prefeitura de Várzea Grande, por meio da Administração Regional do Cristo Rei, está desde maio intensificando ações e a prestação de serviços no bairro, que concentra atualmente a maior população do Município, cerca de 100 mil habitantes. Os serviços focam a limpeza de ruas, avenidas, córregos e terrenos baldios, como a restauração da malha viária, seja com tapa-buracos ou recapeamento. Mais de uma dezena de bairros, localizados dentro do Grande Cristo Rei, estão recebendo os serviços de melhoria de forma simultânea.

O vice-prefeito e responsável pela gestão da Administração Regional do Cristo Rei, José Hazama, explica que a comunicação e a interação entre as secretarias de Serviços Públicos e Mobilidade Urbana, Viação, Obras e Urbanismo e a própria Administração Regional, tem possibilitado uma atuação constante e que chega a locais distantes do centro do Cristo Rei. “Remoção de lixo, recape, tapa buraco, são ações essenciais para a melhoria da qualidade de vida para qualquer cidadão, no entanto, havia bairros com mais de 12 anos que não recebia um mutirão de limpeza proporcionado pelo Poder Público”.

Bairros como Cohab 8 de Março, Vila Boa Esperança, Flor do Ipê, Jardim União, Santa Luzia, Unipark, Jardim Vasconcelos, Maringá I e II e Altos da Boa Vista, estão na rota da prestação de serviços, que como pontua o vice-prefeito, vai além de ações e serviços. “Somente em maio, 366 notificações foram realizadas pelos fiscais de Postura, para melhoria da mobilidade urbana, especialmente na área comercial de cada localidade, bem como na manutenção da limpeza de terrenos baldios”, pontua o vice-prefeito, José Hazama.

 No Flor do Ipê, o vice-prefeito conta que em apenas uma área verde do local, foram retirados 50 caminhões de entulho. Benedito Ribeiro da Silva, morador há oito anos do bairro, conta que a vista em frente a sua casa era de um verdadeiro matagal. “Ali tinha de tudo, lixo, entulho, bichos mortos, animais peçonhentos e muita insegura. A rua ‘H’ era esquecida pela gestão pública, mas agora esta limpa, com meio fio pintado e matagal”.

Outra moradora da rua, Débora Bonfim, conta que assim que escurecia tinha medo de sair de casa pela insegurança. “Tenho certeza que de minha casa tem um valor melhor hoje do que há cerca de 15 dias, quando os trabalhos de limpeza tiveram início”. Ela conta que tem mantido a área verde em frente a sua casa limpa. “Vira e mexe minha filha e eu estamos catando sacolas plásticas e embalagens para manter o local limpo. “Também plantei sementes de frutas e leguminosas com a intenção de que a própria população respeite o meio ambiente”.

As moradoras Luzia Félix, Marilza Souza e Laudira Cruz, fazem todo dia caminhada no Parque Flor do Ipê. Por questão de segurança, optaram por andar sempre juntas e a fazer a caminhada pela manhã. “O caminho que fazemos era repleto de matagal e para nossa segurança escolhemos andar em três para que ninguém venha ao Parque sozinha”, explica Luzia.

Em algumas ruas do Jardim União e do Jardim Vasconcelos, acabaram de passar por recapeamento porque as condições do asfalto já não suportam mais esse tipo de ação emergencial, característica do serviço de tapa-buraco. “Essas ruas estão sendo recapeadas. A ação em sincronia entre as Pastas proporciona a limpeza, restauração do asfalto e a pintura do meio fio. Serviços que estão modificando a realidade de muitas famílias”, argumenta Hazama.

Entre essas famílias está a dona Percila José dos Reis. Moradora da Travessa Nhá Sales, na Vila Boa Esperança está no local há 25 anos e disse que cansou de tapar com cimento um buraco em frente ao seu portão. “E exatamente no dia de hoje, a prefeitura chega trazendo vários serviços de infraestrutura, inclusive, tapando esse buraco em frente a minha casa e de forma definitiva”.

Hazama destaca que a maior parte dos bairros que estão recebendo ações nesse momento, são bairros mais afastados do centro do Grande Cristo Rei e que justamente por isso, estavam abandonados. “A própria autoestima das pessoas estava perdida. Hoje a gente limpa e eles mesmos ajudam na manutenção, coibindo que pessoas de outros lugares venham despejar entulhos próximos as suas casas. E uma espécie de corrente que se espalha e que beneficia a todos”. 

 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Rotam encontra revólver em balcão de distribuidora em Várzea Grande
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

DESTAQUE

Médicos que atuavam em Água Boa são denunciados pelo MPE

Publicados

em

Infomoney

Médicos não habilitados pelas autoridades brasileiras foram denunciados pelo Ministério Público do Estado por exercício ilegal da medicina em Água Boa, a 730 Km de Cuiabá. Victor Gustavo Barja Oliva, Jéssica da Vera Cruz Sousa e Lydia da Vera Cruz Souza. De acordo com a instituição, eles vão responder por expor a vida ou a saúde de outras pessoas a perigo, associação criminosa e falsidade ideológica.

 

Também foram acionados o médico Sebastião Siqueira de Carvalho Júnior e Raquel Guerra Garcia, sócios e administradores da empresa Cure Tratamento em Saúde Ltda, que era responsável até então pela prestação dos serviços de saúde na Unidade de Terapia Intensiva de Covid-19 do hospital onde os fatos ocorreram.

 

De acordo com o MPMT, várias reclamações relacionadas à atuação dos denunciados chegaram ao Ministério Público e os fatos estão sendo apurados na esfera cível e criminal. Existe, inclusive, inquérito policial instaurado para apurar possíveis consequências criminais envolvendo a morte de duas pessoas.

 

Na denúncia cita, que o grupo atuou entre os meses de abril e maio deste ano no Hospital Regional Paulo Alemão. Além de exercer a profissão de médico sem autorização legal, as investigações descobriram que eles faziam declaração falsa, com o intuito de alterar a verdade sobre fato juridicamente importante.

 

O MPMT cita ainda, que por várias vezes o grupo atuou sem a supervisão do médico responsável pelo local, prescrevendo medicamentos, avaliando pacientes e exames clínicos, e realizando procedimentos médicos, como dreno de tórax, acesso central, intubação e massagem cardíaca.

 

Os administradores da unidade hospitalar, que atuavam nesse período, estão sendo acusados de substituir os medicamentos de primeira linha, por outros que não da mesma eficácia. O MPMT disse ainda, que existem relatos de pacientes que teriam passado pela experiência de acordar durante o período em que se encontravam intubados.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Rodovia MT-402: Obra que liga Cuiabá ao Distrito do Coxipó do Ouro entra em fase final
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA