VÁRZEA GRANDE

DESTAQUE

Silvio Correa: Ex-chefe de gabinete insinua que empresa pagava propina no Governo Maggi

Publicado em

DESTAQUE

Da Redação 

O ex-chefe de gabinete do ex-governador, Sílvio Correia de Araújo, levantou suspeitas sobre suposta propina que teria sido paga pelo Estado à empresa Webtech Softwares. durante a gestão do ministro da Agricultura, Blairo Maggi. A declaração feita por Silvio sobre o assunto foi concedida durante depoimento à Delegacia Fazendária (DEFAZ), no qual admitiu ter praticado diversos crimes contra os cofres públicos do Estado Mato Grosso. As declarações nas quais assumiu as irregularidades que praticou e o acordo que firmou para devolver dinheiro aos cofres públicos fez com que a prisão preventiva de Silvio fosse convertida em domiciliar, na noite de terça-feira (13). Além dele, o ex-governador Silval também confessou irregularidades no Executivo, fez acordo para devolver valores aos cofres públicos e conseguiu a liberdade.

A empresa Webtech era uma das que pagavam propina para manter contrato com o Estado durante a gestão Silval. De acordo com ex-chefe de gabinete, o valor ilegal era pago ao médico Rodrigo Barbosa, que é filho do ex-governador. No depoimento à Delegacia fazendaria, Silvio explicou que proprietário da Webtech, Julio Minori, que posteriormente tornou-se delator do esquema, ocorria a prática de pagamento de propina, para que o contrato da empresa fosse mantido, os mesmos modos operantes ocorreu na gestão do Ex-Governador e atual ministro da agricultura Blairo Maggi.

Leia Também:  PF cumpre 110 mandatos judiciais em MT

“Com relação à empresa Webtech, disse que no ano de 2011 Pedro Elias levou o empresário Julio Minori Tsuji até seu gabinete, quando apresentou-os, sendo que nessa ocasião Júlio afirmou que já possuía contrato com o governo anterior e que gostaria de mantê-lo com o governo Silval Barbosa, deixando implicíto que para tanto continuaria pagando propina para manutenção do contrato”, Afirmou.

A informação consta em trecho da decisão da juíza Selma Arruda, da Vara Contra o Crime Organizado da Capital, na qual a magistrada concedeu a prisão domiciliar a Silval e do ex-chefe de gabinete.

Após o encontro onde o proprietário da Webtech teria proposto a continuidade do esquema, Araújo relatou que disse ao empresário que os termos do contrato entre a empresa e o Estado deveriam ser discutidos com o então secretário estadual de Administração, Pedro Elias. “Sendo que depois disso só soube que ambos se acertaram e que a propina recebida desta empresa era dividida entre Pedro Elias e Rodrigo Barbosa”, declarou.

Além de confessar os crimes dos quais participou, Sílvio César Correia de Araújo ainda entregou à Justiça um imóvel avaliado em R$ 472.916,03 mil, para garantia do ressarcimento do erário. “Da mesma forma que ocorreu com SILVAL, coloca-se à disposição para manter-se responsável pela manutenção e zelo do imóvel de impostos ou taxas até a efetiva alienação, autorizando sua venda imediata”, assinalou a juíza.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

DESTAQUE

Leonardo e Bruno e Marrone lançam a cerveja Cabaré em live-show nesta quarta

Os sertanejos são amigos há 36 anos, apresentarão uma bagagem de hits e sucessos que fazem parte da memória dos fãs

Publicados

em

Foto: Marcos Lopes

Nesta quarta-feira (16), O Grupo Petrópolis lança a cerveja Cabaré e, para celebrar, o cantor Leonardo fará um show exclusivo transmitido para todo o Brasil pelo próprio canal do Youtube, com a parceria com a dupla Bruno & Marrone. O artista é o embaixador da cerveja. A live será às 19h (horário de Cuiabá) e já é possível acionar o lembrete neste link.

A live-show terá um cenário grandioso, painéis de LED e romantismo. Os sertanejos são amigos há 36 anos, apresentarão uma bagagem de hits e sucessos que fazem parte da memória dos fãs.

A Cabaré é uma cerveja puro malte dourada, com lúpulos alemães, no estilo American Lager e de baixa fermentação. O rótulo foi criado a partir da parceria entre o Engenho Dom Tapparo e a empresa, que produz outras marcas, como a Itaipava, a Black Princess, a Petra e a Weltenburger.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Defesa Civil de Cuiabá multa empresa em R$ 308 mil por queimada urbana que durou quatro dias
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA