VÁRZEA GRANDE

DESTAQUE

“Obras do aeroporto serão entregues no ano em que Várzea Grande comemora 150 anos”, diz Taques

Publicado em

DESTAQUE

Uma das obras da Matriz de Responsabilidade da Copa do Mundo de 2014 que não ficaram prontas, o Aeroporto Marechal Rondon é um dos piores avaliados pelos usuários. Meta dos gestores públicos é mudar este conceito.

Da Redação

O Aeroporto Internacional Marechal Rondon, principal porta de entrada aérea para o Estado de Mato Grosso tem suas obras de reformas 80% concluídas do que foi estabelecido entre o Governo do Estado e empresa contratada. O terminal aéreo funciona como um centro de convergência de voos para a região Centro Oeste e de todo o país.

No final da manhã de hoje (09), o governador Pedro Taques acompanhado da prefeita Lucimar Sacre de Campos e do secretário de Cidades Wilson Santos, e o secretário de Assuntos Estratégicos de Várzea Grande, Jayme Veríssimo de Campos, anunciou que a obra 100% acabada será entregue ainda neste ano, em homenagem aos sesquicentenários do Jubileu de Várzea Grande.

O anuncio foi feito pelo governador em vistoria técnica das alas A E B já concluídas que compreende o desembarque, o setor internacional, as instalações de órgão de segurança Federal e 

Estadual, e todos os pontos de climatização de embarque e desembarque.

Leia Também:  Governo formaliza termo de cooperação com Prefeitura de Querência

Uma das principais metas da Matriz de Responsabilidade da Copa do Mundo de 2014 que não foram cumpridas, o Aeroporto Marechal Rondon, segundo estudos de viabilidade da Empresa de Infraestrutura Aeroportuária – Infraero, será um dos próximos a ser repassado à iniciativa privada em leilão a ser realizado ainda em 2017.

Em recente leilão de outros seis aeroportos no Brasil, o Governo Federal conseguiu repassar a empresas internacionais a operacionalização dos mesmos com um valor 23% acima do inicialmente estipulado atingindo a R$ 3,72 bilhões.

A prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos destacou que é prioridade para o município a conclusão das obras visto que as estimativas apontam que o Aeroporto Marechal Rondon, abriga um volume de crescimento superior a 5 milhões de passageiros/ano, caso as obras sejam concluídas.

“Mato Grosso hoje chama a atenção do Brasil e do Mundo por causa do agronegócio, por isso o aeroporto de Várzea Grande e das principais cidades de Mato Grosso estão entre os 15 mais importantes do Brasil e com alta viabilidade econômica, despertando o interesse de investidores internacionais”, disse a prefeita Lucimar Campos.

Para o secretário de Assuntos Estratégicos de Várzea Grande, o ex-governador, ex-senador e ex-prefeito, Jayme Campos, a parceria entre os governos do Estado e Federal concentrados em concluir a obra, ao final, melhora a mobilidade urbana e o 

Leia Também:  Autor de feminicídio é preso em flagrante horas após o crime, em Várzea Grande

movimento de passageiros. “O turismo movimenta 52 setores economicamente ativos e a conclusão das obras do Aeroporto Marechal Rondon dará uma nova cara para a entrada de possíveis investidores. Para os 150 anos, marco histórico da nossa cidade, será um grande presente não só para a nossa população, bem como para todo o estado de Mato Grosso”, disse o senador.

O governador Pedro Taques demonstrou o cronograma de obras a prefeita Lucimar Campos e a imprensa do Estado, com as ponderações quanto aos serviços estruturais do terminal aéreo, e fez também questão de apresentar a todos a conclusão das alas com a consequente melhora do sistema de climatização. “As obras garantirão além de mais conforto aos usuários, a projeção do Aeroporto Marechal Rondon no cenário nacional e internacional, o que agrega e gera movimentação turística, cultural e financeira”.

O chefe do Executivo Estadual lembrou que Mato Grosso tem um vasto potencial turístico a ser explorado.   

 

 

 

Fonte: Secom VG

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

DESTAQUE

Invasores de lotes no entorno do Contorno Leste em Cuiabá implantam terror

Um dos chacareiros mais prejudicados é o português João Antônio Pinto, informa, já com grande parte de suas terras invadidas.

Publicados

em

Fotos: Arquivo Pessoal

Muitas propriedades na região do Contorno Leste, em Cuiabá-MT, nas imediações do condomínio Belvedere, foram invadidas recentemente por grupos motorizados, fato amplamente noticiado na mídia estadual. No entanto, os invasores – que utilizam métodos violentos, genuinamente no estilo viking, segundo descrevem as vítimas -, continuam agindo impunemente na área. Todos os terrenos no entorno do Contorno Leste estão na mira dos criminosos, alertam.

“Basta ir lá para ver a movimentação intensa deles, mais parecendo cobras querendo dar o bote nas pessoas”, diz um geólogo que adquiriu um terreno no lugar, aquisição registrada em cartório.

“Eu nem saio do carro, pois temo ser agredido. A coisa está assim: invadem e expulsam o dono da propriedade. Ele nem pode retornar ao local”.

Foto: Arquivo Pessoal

Temendo pela sua segurança pessoal e da família, ele pediu para não postar fotos suas, apenas do BO. A esperança é de que alguma resolução judicial garanta a retomada de posse das áreas invadidas.

“Eu fui um dos primeiros a denunciar essa tropa infame. São abusados, querem tomar tudo que construímos à força, que suamos tanto para pagar. E o pior é que estão conseguindo, como fosse direito deles. Em resumo: quem tem terreno por ali (Contorno Leste) não tem mais qualquer segurança: de um dia pra outro pode perder sua propriedade. E ainda levar baita surra dos brutamontes que integram os grupos”.

Leia Também:  Traficante conhecido como “Pé de pato” é preso com drogas na região do Zero KM

Ainda que tenha sido um dos primeiros a registrar BO, frisando na Polícia que os proprietários das chácaras próximas ao Contorno Leste estão sendo prejudicados, ameaçados e até agredidos, o chacareiro lamenta que nada tenha sido feito ainda em prol de proteger pessoas e propriedades.

“Esses invasores chegam em quantidade sempre maior, e continuam de prontidão, atentos ao menor descuido de algum sitiante para se apoderar de suas terras. Têm agido mesmo com violência, segundo muita gente já confirmou. Pelo menos no meu caso isso ainda não aconteceu, pois não estava lá quando invadiram minha chácara”, disse.

João Pinto teve área invadida Foto: Arquivo Pessoal

Um dos chacareiros mais prejudicados é o português João Antônio Pinto, informa, já com grande parte de suas terras invadidas. Na sua propriedade, João Pinto cria gado, tem pista, hangar, e é onde guarda seu avião, um monomotor modelo Super Hélio Courier.

“Não sei se os vikings, como estão sendo denominados esses invasores, já chegaram ao centro da propriedade do vizinho João Pinto, também se apoderando de tudo que se encontra por lá. Porém, nos arredores, fincaram bandeira de posse ilegal”.

Leia Também:  Governo mostra para Prefeitura de Cuiabá leitos construídos em hospitais estaduais

O chacareiro conta ter ficado sabendo que um dos filhos de João Pinto foi agredido ao tentar barrar a derrubada de cerca, operação feita por tratores.

“As autoridades precisam tomar providências urgentes! Estamos mesmo vivenciando, em Cuiabá, as barbaridades protagonizadas pelos vikings há séculos, quando invadiam terras e trucidavam pessoas. E isso  é movimento orquestrado por quadrilha especializada: dispõem de maquinário pesado, carros de luxo e recursos para bancar proteção de leões de chácara. Como um simples chacareiro vai enfrentar esses brutamontes? É um caso de Polícia!”

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA