VÁRZEA GRANDE

DESTAQUE

A mistura cultural que compõe Mato Grosso

Publicado em

DESTAQUE

No estado que já registrou touradas portuguesas, novas influências culturais dividem espaço com festejos tradicionais e, juntos, unem os mato-grossenses

 

Da Redação

 

Cuiabá, junho de 1924. Os festejos ao Senhor Divino se aproximavam do fim, depois de dias intensos de comemorações ao Espírito Santo. Para o encerramento, o grande espetáculo estava por começar: a última tourada do Divino. No Campo D’Ourique, os camarotes estavam montados e a população chegava aos montes. Os melhores lugares, claro, restritos aos mais importantes – e ricos – da cidade. Ao redor da cerca, os populares se aglomeravam, tentando conseguir o “melhor” ângulo para o grande show.

“Em que pese a clara segregação das classes nos espaços da tourada, esta era uma diversão em que toda a sociedade comparecia, não ficando ninguém de fora”, relata a pesquisadora Marisa Camargo na pesquisa “A touromaquia cuiabana: festa, barbárie e tradição”.

Juntamente com festejos religiosos, a tourada era um momento de socializar, encontrar os amigos, sair da rotina da cidade. A população aguardava ansiosa e, para esse momento, reservava os melhores vestidos, ternos, camisas e sapatos.

Na arena, os bois estavam no “curro” (local destinado aos animais), prontos para a batalha. O toureiro – muito bem vestido – se apresentava com sua lança e seu cavalo, bem como o auxiliar, conhecido como “jacuba”. Em maior número, os chamados “capinhas” também aguardavam o momento certo para começar a distrair (e irritar) os animais, assim como os máscaras, responsáveis pelas “palhaçadas”.  Casa cheia, tudo pronto. Começava o espetáculo.

Trazida pelos portugueses, a tourada foi incorporada pelos mato-grossenses, principalmente de Cuiabá e Cáceres, conforme registros de Giuslane Francisca da Silva, que pesquisou essa prática entre os cacerenses. Mas aos poucos passou a ser questionada por grupos da sociedade e o que antes era tido como um momento de distração e sociabilidade, inclusive, associado à religiosidade de um povo, passou a ser visto como algo bárbaro.  

A partir de 1934, já não era mais permitida a realização de touradas. Presidente à época, Getúlio Vargas decretou a proibição de qualquer evento que houvesse maus tratos aos animais. “O Brasil tentava se modernizar e para isso era necessário deixar para trás algumas práticas”, conta a historiadora Maria Auxiliadora de Freitas. Assim, as touradas se resumem hoje a páginas de livros e fotografias. Algumas delas compõem o acervo do Núcleo de Documentação e Informação Histórica Regional (NDIHR), da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Leia Também:  Embaixador dos EUA: “É impressionante o trabalho que o Governo de Mato Grosso está fazendo”

Desde então, novos eventos festivos e manifestações culturais entraram para o calendário cultural dos mato-grossenses. Outros são preservados por grupos culturais do estado, como é o caso da Cavalhada. Apesar de ter surgido em Mato Grosso no século XVIII, a Cavalhada ainda é realizada em Poconé no mesmo período em que aconteciam as touradas, juntamente com os Mascarados, que dançam com suas roupas coloridas e máscaras artesanais.

Já no Vale do Guaporé, principalmente em Vila Bela da Santíssima Trindade, a Dança do Congo e o Chorado ainda vivem. Este último é “uma forma de súplica dos negros aos senhores, para que os perdoassem dos castigos prometidos aos escravos transgressores”, conforme relata o autor Roberto Loureiro, no livro “Cultura mato-grossense”. No Chorado, as mulheres dançam com vestidos coloridos e uma garrafa equilibrada na cabeça, ao som de músicas de raízes africanas.

No Congo, a dança é a dramatização da luta simbólica entre dois reinados africanos. Conforme nos explica Loureiro, “no reinado do Congo os personagens representados são: o Rei, Secretário de Guerra e o Príncipe. No reinado adversário, Bamba, estão o Embaixador do Rei e doze pares de soldados”, os quais tocam ganzá, viola, cavaquinho, chocalho e bumbo.

Influências

Quando o assunto é quadrilhas juninas, o Vale do Araguaia está para Mato Grosso assim como Campina Grande está para o estado da Paraíba. Sim, em território mato-grossense esses festejos ganham cada vez mais espaço. Há 15 anos, ao se aproximar do mês de junho, a região do Araguaia mato-grossense se enche de alegria, cor, brilho, música e muita dança.

O Festival de Quadrilhas do Vale do Araguaia é um dos eventos mais esperados pela população e já faz parte do calendário cultural da região. Realizada pela Federação Mato-grossense de Quadrilhas, a festa mantém viva uma tradição enraizada nas comunidades locais. Os grupos investem pesado em figurino, coreografia, roteiro e técnica. Este ano, as etapas classificatórias começam em Rondonópolis, nos dias 27 e 28 de maio, e a final será em General Carneiro, de 23 a 25 de junho.

Leia Também:  Mato grosso é um dos estados com maior força para superar a pandemia

Já nas cidades com forte presença de migrantes da região Sul do Brasil, o destaque são as festas realizadas nos centros de tradição gaúcha, os chamados CTGs. A incorporação dos costumes e das manifestações artísticas típicas do Rio Grande do Sul se deu a partir da década de 1960, quando começaram a chegar os primeiros migrantes sulistas, movimento incentivado, à época, pelo Governo Federal.

Nos eventos típicos realizados nos CTGs, o que se vê é churrasco, chimarrão, bombacha, bota, vestidos de prenda, rodeio crioulo, tudo ao som de muita música gaúcha. Cada centro conta com equipes de dança, canto e montaria, que se preparam ao longo do ano para participar das etapas classificatórias e eliminatórias do Festival Nacional de Arte e Tradição Gaúcha (Fenart).

Mais espaços de cultura

Novos espaços para manifestações culturais foram criados nos últimos anos em Mato Grosso. Na região metropolitana, por exemplo, o Vem Pra Arena entrou para o calendário cultural do estado como um espaço que promove o acesso a diferentes tipos de arte. Desde a primeira edição, em maio de 2015, o evento reúne no entorno da Arena Pantanal, em Cuiabá, artistas nacionais e regionais com uma programação gratuita.

Um dos principais projetos da Secretaria de Estado de Cultura (SEC-MT), o evento é também promove acesso ao lazer, fomento à cadeia produtiva da cultura, geração de emprego e renda. Cada uma das nove edições do Vem Pra Arena recebeu, em média, 30 mil pessoas.

No interior do estado, foram criados espaços itinerantes de fomento às manifestações culturais por meio do projeto Circula MT, que está na segunda edição. Na primeira, mais de 100 artistas mato-grossenses desenvolveram ao menos 300 ações culturais em 50 municípios. O projeto alcançou os extremos de Mato Grosso, chegando a aldeias, glebas e quilombos. Os xavante da aldeia Wede’rã, por exemplo, tiveram contato com o teatro pela primeira vez.

Na segunda edição, serão contemplados 34 projetos, divididos em cinco modalidades: música, teatro, dança, circo e artes visuais. De acordo com o edital, os projetos devem apresentar ao menos um espetáculo/exposição em cada município, com um número mínimo de cidades para cada categoria.

 

 

Fonte: Gcom-MT

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

DESTAQUE

Invasores de lotes no entorno do Contorno Leste em Cuiabá implantam terror

Um dos chacareiros mais prejudicados é o português João Antônio Pinto, informa, já com grande parte de suas terras invadidas.

Publicados

em

Fotos: Arquivo Pessoal

Muitas propriedades na região do Contorno Leste, em Cuiabá-MT, nas imediações do condomínio Belvedere, foram invadidas recentemente por grupos motorizados, fato amplamente noticiado na mídia estadual. No entanto, os invasores – que utilizam métodos violentos, genuinamente no estilo viking, segundo descrevem as vítimas -, continuam agindo impunemente na área. Todos os terrenos no entorno do Contorno Leste estão na mira dos criminosos, alertam.

“Basta ir lá para ver a movimentação intensa deles, mais parecendo cobras querendo dar o bote nas pessoas”, diz um geólogo que adquiriu um terreno no lugar, aquisição registrada em cartório.

“Eu nem saio do carro, pois temo ser agredido. A coisa está assim: invadem e expulsam o dono da propriedade. Ele nem pode retornar ao local”.

Foto: Arquivo Pessoal

Temendo pela sua segurança pessoal e da família, ele pediu para não postar fotos suas, apenas do BO. A esperança é de que alguma resolução judicial garanta a retomada de posse das áreas invadidas.

“Eu fui um dos primeiros a denunciar essa tropa infame. São abusados, querem tomar tudo que construímos à força, que suamos tanto para pagar. E o pior é que estão conseguindo, como fosse direito deles. Em resumo: quem tem terreno por ali (Contorno Leste) não tem mais qualquer segurança: de um dia pra outro pode perder sua propriedade. E ainda levar baita surra dos brutamontes que integram os grupos”.

Leia Também:  Mato Grosso registrou 6.688 mortes em acidentes de trânsito em 11 anos

Ainda que tenha sido um dos primeiros a registrar BO, frisando na Polícia que os proprietários das chácaras próximas ao Contorno Leste estão sendo prejudicados, ameaçados e até agredidos, o chacareiro lamenta que nada tenha sido feito ainda em prol de proteger pessoas e propriedades.

“Esses invasores chegam em quantidade sempre maior, e continuam de prontidão, atentos ao menor descuido de algum sitiante para se apoderar de suas terras. Têm agido mesmo com violência, segundo muita gente já confirmou. Pelo menos no meu caso isso ainda não aconteceu, pois não estava lá quando invadiram minha chácara”, disse.

João Pinto teve área invadida Foto: Arquivo Pessoal

Um dos chacareiros mais prejudicados é o português João Antônio Pinto, informa, já com grande parte de suas terras invadidas. Na sua propriedade, João Pinto cria gado, tem pista, hangar, e é onde guarda seu avião, um monomotor modelo Super Hélio Courier.

“Não sei se os vikings, como estão sendo denominados esses invasores, já chegaram ao centro da propriedade do vizinho João Pinto, também se apoderando de tudo que se encontra por lá. Porém, nos arredores, fincaram bandeira de posse ilegal”.

Leia Também:  “Pela 1ª vez, um Governo está dando transparência total sobre as receitas”, afirma presidente do TCE-MT

O chacareiro conta ter ficado sabendo que um dos filhos de João Pinto foi agredido ao tentar barrar a derrubada de cerca, operação feita por tratores.

“As autoridades precisam tomar providências urgentes! Estamos mesmo vivenciando, em Cuiabá, as barbaridades protagonizadas pelos vikings há séculos, quando invadiam terras e trucidavam pessoas. E isso  é movimento orquestrado por quadrilha especializada: dispõem de maquinário pesado, carros de luxo e recursos para bancar proteção de leões de chácara. Como um simples chacareiro vai enfrentar esses brutamontes? É um caso de Polícia!”

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA