VÁRZEA GRANDE

DESTAQUE

GRAVE: SINDICATO RURAL TENTA MACULAR JULGAMENTO CONTRA IDOSO DE 83 ANOS

Publicado em

DESTAQUE

Da Redação

Fonte: Jornal Página do Estado

 

Em Campo novo dos Parecis, idoso (Feres e Anis  Bechara) proprietários de 9.923 Hectares, foram vitimas de um grave fraude perpetrada por grileiros de alto poder aquisitivo (Alceu Elias Feldmam, Ana Feldmam, Carlos Diogo Mota Garcia, Epitacio Ribas de Rosa, Nelson da Silva Barros, Denis Sperafico, Maria Tereza Mezzomo, e outros), as quais estão dispostos a tudo, para obtenção ilícita de grilagem das terras de Bechara.

O caso foi levado a conhecimento publico por uma nota divulgada pelo TVCA(Globo) ontem durante a noite, onde o sindicato rural deu dura manifestação tendenciosa invertendo a realidade dos fatos que esta redação investigou a favor de manter nas terras os verdadeiros grileiros.

Entenda o caso.

O idoso Feres Bechara hoje representado por seu filho Anis, adquiriram do Estado de Mato Grosso, o título original do antigo DTC(Departamento de Terra e Colonização) hoje Intermat, na somatória de terras fracionadas no total de 9.923 hectares Passado algum tempo Anis Bechara foi informado que as terras de sua família haviam sido invadidas e vendidas a terceiros sem conhecimentos dos mesmos.

As vitimas da Fraude, Família Bechara, aprofundaram o ocorrido descobrindo que escrituras foram plotadas por grileiros sendo elas até mesmo deslocadas há mais de 100 km de distancia do imóvel. Não obstante o deslocamento de escrituras foi feita uma procuração Falsa de um cartório da Comarca de Culturama/MS, cartório este que foi até fechado posteriormente, local onde lavraram a procuração falsa e sem registro, tendo os grileiros posteriormente vendido os documentos que foram postados em cima das terras de Bechara o idoso.

A procuração falsa foi usada para transferir imóvel da família Bechara para Denis Sperafico e José Agostinho.

Certidão de que a procuração não tem registro

Além disto, um fato berrante ocorreu pois o pai de Anis Bechara, Ferez Brechara, faleceu em 04/06/1988, e a procuração falsa foi expedida em seu nome e outorgada em data de 05/11/1999, ou seja, mais de 10(dez) anos após a morte do mesmo, sendo impossível um morto levantar do caixão 10 (dez) anos após seu falecimento e outorgar procuração a terceiros, a não ser que o mesmo tenha poderes sobrenatural de ressurreição para assinar procuração em favor dos falsários e grileiros.

Além disto, a referida procuração do suposto outorgante Ferez Bechara foi lavrada tão esdruxulamente e grosseira que foi feita, por cartório que não existia, sendo inventado apenas para o golpe.

Leia Também:  Polícia Civil de Primavera do Leste e PRF apreendem 445 quilos de maconha em MS

Assim no ano de 2000, ou seja, 17(dezessete) anos atrás, foi proposta ação na Comarca de Campo Novo dos Parecis pela família Bechara no objetivo de anular os fraudes cumulada com pedido de restituição e reintegração de posse dos imóveis contra os falsários.

Certidão de óbito do morto

 

JOGO SUJO

Após as fraudes serem anuladas, e transitado em julgado o processo a Justiça de Mato Grosso determinou o cumprimento da sentença, para anular as procurações, escrituras e títulos e determinando reintegração da Família Bechara na posse das Terras.

Todavia os grileiros de posse das terras e detentores de alto poder aquisitivo trataram de contratar uma das maiores bancas de advogados do Pais contratando o famoso advogado Sérgio Bermudes que é conhecido em Mato Grosso por denunciar desembargadores e Juízes ao CNJ e que ao entrar no Processo fez com que em menos de 30 (trinta) dias duas Magistradas se dessem por suspeitas, as petições inclusive vinham assinadas por filhas de Ministros do STF ao invés do direito usa-se a pressão, como fizeram com nota tendenciosa.

Com essa manobra pesada os grileiros conseguiram de novo permanecer na área e emperrar o julgamento no Tribunal de Justiça interpondo vários recursos e aventuras jurídicas, tais como embargos de terceiros, ação de usucapião, mandado de segurança, ação rescisória, desvirtuando a verdade e fazendo estes agora de vítimas, pessoas de boa-fé.

Todavia em primeira instância e segunda instância isso foi entendido como sucessão de fraude e não boa-fé, bem como não cabe usucapião pois os bens estavam em litígio, e com as averbações registradas na matricula do imóvel há cerca de 17 (dezessete) anos.

 DA PRISÃO

O Tabelião que subscreveu falsa procuração foi condenado a 11 anos de reclusão pela primeira Vara de Fátima do Sul-MS, com fulcro nos art.297, 299, 305, e 314, todos do código penal Brasileiro, bem como certidão de fls.162 que atesta que aquele não mais exercia o múnus publico quando teria lavrado a procuração morto (ressuscitado).

Decisão do Juiz Alexandre Pampado constando a prisão do Tabelião

 

DESEMBARGADOR RUBENS DE OLIVEIRA

O Des. Rubens de Oliveira em uma de suas decisões indeferiu o pedido dos grileiros na lide como assistentes em fase de cumprimento de sentença, já que o processo transitou em julgado, e resta apenas a reintegração de posse do imóvel rural, e agora deve julgar o processo nesta Quarta Feira 05/07/2017. Sem chances ou com poucas chances de êxito diante de tanta fraude perpetrada os verdadeiros grileiros usaram o Sindicato Rural de Campo Novo dos Parecis/MT para emitir em horário nobre nota na poderosa rede de televisão Globo, transformando as vítimas Família Bechara em grileiros invertendo os fatos sem antes citar a falcatrua orquestrada por traz de tudo isso contra o idoso que tenta a 17 (dezessete) anos reaver suas terras.

Leia Também:  Anvisa interrompe estudos da Coronavac após "evento adverso grave"

Além disto, o entrave agora causado é muito benéfico novamente aos grileiros que apostam no tempo pois o idoso não tem herdeiro e com 82 anos pode falecer a qualquer momento o que ajudará no grilo quando da abertura do inventário que provavelmente deixará na posse das terras por mais um longo período.

O Desembargador Rubens de Oliveira, já proferiu algumas decisões contra a vontade dos grileiros e tem como missão fazer justiça no julgamento que esta previsto para Quarta Feira 05/07/2017.

Para forçar em vão o Desembargador Rubens que agiu corretamente dentro desse lamaçal sujo a mudar sua posição os Grileiros travestidos de vítimas utilizaram o Sindicato Rural de Campo Novo dos Parecis/MT emitindo nota na TV Globo em horário nobre de domingo, invertendo a realidade dos fatos, ou no mínimo omitindo toda essa falcatrua sob pretexto que acredita na justiça e que é contra a grilagem de terras.

O Magistrado Sebastião Moraes já foi vítima dessa mesma turma de Bermudes que defende os grileiros contra Bechara (vitima) que o denunciou indevidamente ao CNJ causando-lhes transtornos de diversas ordens em quanto que o Des. foi considerado inocente perante ao CNJ.

Com o Des. Rubens que está apenas cumprindo sua missão como Magistrado e pondo fim a lide será que a nota emitida na TV Globo em horário comercial de alta valorização, para vincular a matéria, tenta por influencia dos Grileiros, milionários produtores, latifundiários, utilizando-se do Sindicato Rural de Campo Novo dos Parecis/MT, para macular uma decisão que pode vir justamente contra os verdadeiros grileiros e falsificadores, os quais apresentam-se perante a sociedade como vítimas.

Se não bastassem tudo isso, agora os grileiros ao que tudo indica tentam macular o título original da vítima e ainda tentam fabricar documentos que supostamente comprovariam que a vitima não é vítima, mas sim vilão e autora de fraude documental e grileiro.

Juiz Pampado teria anulado a fraude que Sindicato Defende em favor da tal paz

Documentos

  • Certidão do cartório que não existe procuração;
  • Certidão de óbito do morto 04/06/1988;
  • Sentença Juiz de Piso;
  • Acordão de apelação

Fonte:jornal Página do Estado

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

DESTAQUE

Invasores de lotes no entorno do Contorno Leste em Cuiabá implantam terror

Um dos chacareiros mais prejudicados é o português João Antônio Pinto, informa, já com grande parte de suas terras invadidas.

Publicados

em

Fotos: Arquivo Pessoal

Muitas propriedades na região do Contorno Leste, em Cuiabá-MT, nas imediações do condomínio Belvedere, foram invadidas recentemente por grupos motorizados, fato amplamente noticiado na mídia estadual. No entanto, os invasores – que utilizam métodos violentos, genuinamente no estilo viking, segundo descrevem as vítimas -, continuam agindo impunemente na área. Todos os terrenos no entorno do Contorno Leste estão na mira dos criminosos, alertam.

“Basta ir lá para ver a movimentação intensa deles, mais parecendo cobras querendo dar o bote nas pessoas”, diz um geólogo que adquiriu um terreno no lugar, aquisição registrada em cartório.

“Eu nem saio do carro, pois temo ser agredido. A coisa está assim: invadem e expulsam o dono da propriedade. Ele nem pode retornar ao local”.

Foto: Arquivo Pessoal

Temendo pela sua segurança pessoal e da família, ele pediu para não postar fotos suas, apenas do BO. A esperança é de que alguma resolução judicial garanta a retomada de posse das áreas invadidas.

“Eu fui um dos primeiros a denunciar essa tropa infame. São abusados, querem tomar tudo que construímos à força, que suamos tanto para pagar. E o pior é que estão conseguindo, como fosse direito deles. Em resumo: quem tem terreno por ali (Contorno Leste) não tem mais qualquer segurança: de um dia pra outro pode perder sua propriedade. E ainda levar baita surra dos brutamontes que integram os grupos”.

Leia Também:  Ações de limpeza são realizadas pela Prefeitura de VG na zona rural e distrito

Ainda que tenha sido um dos primeiros a registrar BO, frisando na Polícia que os proprietários das chácaras próximas ao Contorno Leste estão sendo prejudicados, ameaçados e até agredidos, o chacareiro lamenta que nada tenha sido feito ainda em prol de proteger pessoas e propriedades.

“Esses invasores chegam em quantidade sempre maior, e continuam de prontidão, atentos ao menor descuido de algum sitiante para se apoderar de suas terras. Têm agido mesmo com violência, segundo muita gente já confirmou. Pelo menos no meu caso isso ainda não aconteceu, pois não estava lá quando invadiram minha chácara”, disse.

João Pinto teve área invadida Foto: Arquivo Pessoal

Um dos chacareiros mais prejudicados é o português João Antônio Pinto, informa, já com grande parte de suas terras invadidas. Na sua propriedade, João Pinto cria gado, tem pista, hangar, e é onde guarda seu avião, um monomotor modelo Super Hélio Courier.

“Não sei se os vikings, como estão sendo denominados esses invasores, já chegaram ao centro da propriedade do vizinho João Pinto, também se apoderando de tudo que se encontra por lá. Porém, nos arredores, fincaram bandeira de posse ilegal”.

Leia Também:  Fiocruz usa sequenciamento de DNA para pesquisar covid grave em jovens

O chacareiro conta ter ficado sabendo que um dos filhos de João Pinto foi agredido ao tentar barrar a derrubada de cerca, operação feita por tratores.

“As autoridades precisam tomar providências urgentes! Estamos mesmo vivenciando, em Cuiabá, as barbaridades protagonizadas pelos vikings há séculos, quando invadiam terras e trucidavam pessoas. E isso  é movimento orquestrado por quadrilha especializada: dispõem de maquinário pesado, carros de luxo e recursos para bancar proteção de leões de chácara. Como um simples chacareiro vai enfrentar esses brutamontes? É um caso de Polícia!”

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA