VÁRZEA GRANDE

DESTAQUE

Confiança do comerciante em Cuiabá chega ao quinto aumento consecutivo em novembro

Publicado em

DESTAQUE

Da Redação.

O penúltimo mês de 2020 registrou novamente melhora consecutiva do Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) em Cuiabá, atingindo 124 pontos. O índice atual da pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e divulgada, na última quarta-feira (25), pela Fecomércio-MT, se aproxima do patamar alcançado em novembro do ano passado (129 pontos).

O destaque mensal da pesquisa ficou para o componente que avalia as condições atuais do empresário do comércio, que chegou a 96 pontos, aumento de 8%, próximo ao nível de otimismo (acima de 100 pontos). Ainda assim, o valor é 7,4% menor se comparado com o registrado em novembro passado (103,6 pontos).

O presidente da Fecomércio-MT, José Wenceslau de Souza Júnior, reforça que as festas de fim de ano contribuem para o faturamento das empresas, mesmo que em nível menor do que o registrado no ano passado, devido aos efeitos da pandemia por Covid-19. “Mesmo com os resultados inferiores aos do ano passado, a pesquisa apontou a quinta melhora consecutiva, o que contribui para aquecer ainda mais o varejo na capital e no estado”. 

O índice que mede as intenções de investimento também se mostrou positivo no mês, com alta de 2,3%, atingindo 112,9 pontos. O resultado atual está 1,6% abaixo do verificado em setembro de 2019, quando computava 114,7 pontos. Com relação à contratação de funcionários, houve aumento de 4,9% sobre o mês anterior e de 3% na comparação com o mesmo período do ano passado, alcançando 145,8 pontos.

Das 181 empresas entrevistadas, 86,8% das empresas pretendem contratar funcionários neste período. Das empresas que possuem mais de 50 funcionários, todas têm expectativas de aumentar o quadro de funcionários. Já as que empregam até 50 funcionários, o índice cai para 86,5%.

O Sistema S do Comércio, composto pela Fecomércio-MT, Sesc, Senac e IPF em Mato Grosso, é presidido por José Wenceslau de Souza Júnior. A entidade é filiada à Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que está sob o comando de José Roberto Tadros.

Foto: Drone Cuiabá

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  2º Turno em Cuiabá define caminhos para 2022
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

DESTAQUE

Médicos que atuavam em Água Boa são denunciados pelo MPE

Publicados

em

Infomoney

Médicos não habilitados pelas autoridades brasileiras foram denunciados pelo Ministério Público do Estado por exercício ilegal da medicina em Água Boa, a 730 Km de Cuiabá. Victor Gustavo Barja Oliva, Jéssica da Vera Cruz Sousa e Lydia da Vera Cruz Souza. De acordo com a instituição, eles vão responder por expor a vida ou a saúde de outras pessoas a perigo, associação criminosa e falsidade ideológica.

 

Também foram acionados o médico Sebastião Siqueira de Carvalho Júnior e Raquel Guerra Garcia, sócios e administradores da empresa Cure Tratamento em Saúde Ltda, que era responsável até então pela prestação dos serviços de saúde na Unidade de Terapia Intensiva de Covid-19 do hospital onde os fatos ocorreram.

 

De acordo com o MPMT, várias reclamações relacionadas à atuação dos denunciados chegaram ao Ministério Público e os fatos estão sendo apurados na esfera cível e criminal. Existe, inclusive, inquérito policial instaurado para apurar possíveis consequências criminais envolvendo a morte de duas pessoas.

 

Na denúncia cita, que o grupo atuou entre os meses de abril e maio deste ano no Hospital Regional Paulo Alemão. Além de exercer a profissão de médico sem autorização legal, as investigações descobriram que eles faziam declaração falsa, com o intuito de alterar a verdade sobre fato juridicamente importante.

 

O MPMT cita ainda, que por várias vezes o grupo atuou sem a supervisão do médico responsável pelo local, prescrevendo medicamentos, avaliando pacientes e exames clínicos, e realizando procedimentos médicos, como dreno de tórax, acesso central, intubação e massagem cardíaca.

 

Os administradores da unidade hospitalar, que atuavam nesse período, estão sendo acusados de substituir os medicamentos de primeira linha, por outros que não da mesma eficácia. O MPMT disse ainda, que existem relatos de pacientes que teriam passado pela experiência de acordar durante o período em que se encontravam intubados.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Guarantã do Norte comemora aniversário com parcerias do Governo do Estado
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

ESPORTE

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA